1-0, MIN.15, WILLIAM. 2-0, MIN.51, MONTERO. 3-0, MIN.72, MONTERO (PEN.). 4-0, MIN.88, ANDRÉ MARTINS.
Leão devorador goleia Paços e sobe à liderança
Fredy Montero e André Martins festejam a subida ao topo da Liga Zon Sagres. (Foto: Record)

Leão devorador goleia Paços e sobe à liderança

O Sporting reagiu este Domingo à derrota do Fc Porto e ao triunfo do Benfica com uma goleada por 4-0 ao Paços de Ferreira. Fredy Montero assinou 2 dos quatro golos desta noite em Alvalade que valem aos leões a subida ao primeiro lugar da Liga Zon Sagres.

andrecunhaoliveira
André Cunha Oliveira
Sporting RUI PATRÍCIO, JEFFERSON, ROJO, MAURÍCIO, CÉDRIC, WILLIAM CARVALHO, ADRIEN (MAGRÃO, MIN.68), ANDRÉ MARTINS, CAPEL, CARRILLO (SLIMANI, MIN.76), MONTERO (WILSON, MIN.86)
Paços de FerreiraANTÓNIO FILIPE, TONY (SERI, MIN.75), TIAGO VALENTE, RICARDO, HÉLDER LOPES, ANDRÉ LEÃO, SÉRGIO OLIVEIRA (BÉBÉ, MIN.75), FILIPE ANUNCIAÇÃO, MANUEL JOSÉ, FERNANDO NETO (CAETANO, MIN.45)
ÁRBITROJORGE FERREIRA (AF BRAGA). ADMOESTADOS: TONY (MIN.32), TIAGO VALENTE (MIN.57), CAPEL (MIN.60), FILIPE ANUNCIAÇÃO (EXPULSO, MIN.71), SÉRGIO OLIVEIRA (MIN.74)
INCIDENCIAS11ª JORNADA DA LIGA ZON SAGRES, ESTÁDIO JOSÉ ALVALADE - 26.541 ESPECTADORES

Depois da derrota do Fc Porto em Coimbra (1-0), com a Académica, o fim-de-semana verde e branco tinha tudo para ser perfeito, com os adeptos sportinguistas a sonharem com a subida à liderança da Liga Zon Sagres. A verdade é que o triunfo encarnado em Vila do Conde (1-3) colocou o Benfica no topo da classificação e moderou o entusiasmo no reino do leão.

Por outro lado a formação de Leonardo Jardim defrontava um Paços de Ferreira moralizado com os últimos resultados e a chegada do técnico Henrique Calisto, que em Alvalade ia tentar tirar pontos ao leão a acrescentar aos 6 “roubados” na temporada passada.

Jardim mantém Slimani no cofre

Frente aos castores, Leonardo Jardim não surpreendeu e manteve o 4x3x3 habitual com Montero no eixo de ataque, reservando a arma secreta Slimani para eventuais apuros na partida. No lado do Paços, Henrique Calisto também não mexeu e deixou apenas  Bebé no banco face à sua frágil condição física.

Conscientes do papel de protagonistas que lhe cabia, os leões partiram para cima dos castores desde o minuto inicial, fruto de um controlo a meio-campo imposto sem grandes dificuldades. Com William Carvalho a liderar a organização de jogo dos verde e brancos, o conjunto de Alvalade conseguiu manter uma alta percentagem de posse de bola e ir criando jogadas de ataque , com Diego Capel, no flanco direito, a conseguirar ludibriar Hélder Lopes com relativa facilidade. O Paços mostrava-se manietado pelo trio de médios do Sporting e não conseguia fazer chegar jogo aos seus três homens da frente.

William comanda com os pés e com a cabeça

Ao domínio do Sporting faltavam golos que materializassem no placard o futebol praticado pelos seus jogadores, e o primeiro lá acabaria por surgir por intermédio do homem em maior destaque nos primeiros quinze minutos da partida, William Carvalho. Jefferson, no lado direito, bateu com o seu pé esquerdo o pontapé de canto que resultaria no segundo golo, esta época, do novo menino bonito de Alvalade. Tony ainda tentou afastar o perigo mas a bola acabou por sobrar para o número 14 dos leões, que cabeceou de cima para baixo e colocou o Sporting em vantagem  no marcador.

Até à meia hora de jogo os homens da Mata Real começaram a dar um ar de sua graça e roubaram algumas faltas ao meio-campo leonino, conseguindo causar relativo perigo por meio de bolas paradas, com Manuel José em destaque num livre marcado aos 27 minutos. Os leões, no entanto, não se amedrontavam com as ameaças do adversário e continuavam a incomodar a baliza de António Filipe. Aos 34 minutos, Fredy Montero, num daqueles lances que já começam  a ser moda em Alvalade, aproveita um mau passe de Hélder Lopes e isola-se perante o guarda-redes dos castores, desferindo um forte remate a que António Filipe se opôs com uma grande intervenção.

Até ao intervalo a partida foi mantendo a mesma toada, com os homens de Henrique Calisto a tentare roubar a iniciativa à formação de Leonardo Jardim, mas a não mostrarem grandes argumentos para o conseguir fazer.

El avioncito volta a voar alto

A equipa do Paços regressou dos balneários de Alvalade ja sem Fernando Neto e com Caetano no onze, com Calisto a procurar conferir uma maior dinâmica à sua frente de ataque através da velocidade do jovem extremo português. Leonardo Jardim não fez qualquer alteração e a verdade é que a sua equipa se apresentou no segundo tempo com a mesma agressividade e qualidade de jogo, ocupando a área dos pacenses desde o início do reatamento da partida.

Aos 51 minutos, Marcos Rojo intercepta uma bola e lança-a rapidamente para a defensiva visitante que, desposicionada, se deixa antecipar por Fredy Montero. O colombiano combina com André Carrillo, que  ultrapassa Tony e rompe pelo lado esquerdo do ataque, cruzando por fim para a conclusão e emenda do 17 leonino. Jogada em esforço d'El avioncito, a assinar o 2-0 da partida e o seu décimo golo no campeonato, onde figura como melhor marcador da prova. Para além de aumentar a vantagem no encontro, Leonardo Jardim via assim terminado o jejum de golos do avançado colombiano que já durava  há quatro partidas.

Com uma vantagem de dois golos, os leões não se deixaram adormecer e aproveitaram a inoperância adversária para construir mais uma goleada no campeonato. A equipa do Paços estava por esta altura completamente perdida em campo e aos 70 minutos mais ficou depois de ver Jorge Ferreira a assinalar uma grande penalidade a favor dos leões. Vermelho directo a Filipe Anunciação, por mão na bola na pequena área. Já com o habitual marcador dos castigos máximos dos leões, Adrien Silva, fora de combate (por lesão), seria Fredy Montero a encarregar-se da conversão. O colombiano bateu com frieza e assinou o 3-0 da noite, ampliando para 11 os golos marcados na Liga Zon Sagres.

Nos minutos finais da partida houve novo massacre ofensivo do Sporting, com a entrada de Islam Slimani a fazer vibrar as bancadas de Alvalade. O argelino voltou ter uma entrada positiva em campo e teve pelo menos duas oportunidades de assinar a ficha de marcadores, numa altura em que os leões estavam em busca do quarto golo da noite.

Não seria Slimani a marcar, seria André Martins: aos 89 minutos, Wilson Eduardo desfere um cruzamento/remate cheio de força, António Filipe defende com as pontas dos dedos e a bola acaba por sobrar para o médio leonino que remata de primeira para o quarto golo do Sporting.

4-0 final para a formação de Leonardo Jardim que com este resultado sobe à liderança da Liga Zon Sagres com 26 pontos, os mesmos do que o Benfica, mas com vantagem na diferença de golos (19-12), o critério de desempate válido enquanto não forem disputados os confrontos da segunda volta do campeonato.

Noite de regresso de Montero aos golos e dos leões às grandes goleadas, numa partida onde William Carvalho voltou a brilhar ao mais alto nível e a liderar o meio-campo leonino, sendo fortemente ovacionado pelas bancadas de Alvalade.

Declarações dos treinadores:

Henrique Calisto era um homem conformado no final da partida, salientando a entrada em falso dos seus jogadores: «Entrámos mal. Depois reagimos e podíamos ter feito melhor. Na segunda parte, entrámos bem, e sofremos o 2-0 numa altura em que não o esperávamos. Com 2-0, em Alvalade, frente a uma equipa muito motivada, é muito complicado. Com o penalty e a expulsão tudo ficou pior. Queríamos manter o 0-0 pelo maior tempo possível… Os últimos dois golos, para mim, já nem contam».

O técnico do Paços de Ferreira deixou ainda rasgados elogios ao adversário desta noite e novo líder do campeonato: «[O Sporting] Tem sido a equipa mais consistente [do campeonato]. O Benfica tem sido mais inconstante enquanto que o Porto foi muito regular no início. O Sporting tem uma equipa forte, cheia de jogadores jovens, motivados. O Sporting tem uma equipa muito boa».

Leonardo Jardim estava orgulhoso da prestação da sua equipa e satisfeito com a subida ao primeiro lugar do campeonato, apesar de continuar a afastar a candidatura ao título. «É bom ver o nosso trabalho espelhado na tabela classificativa. Porém, não altera a nossa postura. Temos objectivos claros, bem definidos pela estrutura. Quando cumpridos esses objectivos, porque não reavaliá-los? Porém, não vale a pena temporizar. A estratégia que definimos tem resultado bem. Para quê alterar?»

Em relação ao fim do jejum de Fredy Montero, o treinador madeirense preferiu valorizar o contributo do jogador para o trabalho ofensivo da equipa: «O Fredy tem um índice alto de finalização. Teve grande regularidade no início, nas primeiras sete jornadas. Nos últimos três encontros não conseguiu concretizar, mas as suas funções na equipa não são só finalizar, mas também construir o jogo ofensivo».

VAVEL Logo