Sporting procura ser Campeão de Inverno
Rinaudo disputa a bola com Diego Barcellos, em jogo da temporada 2012/2013. Rinaudo deverá sentar-se no banco, enquanto Barcellos será titular. (Foto: LUSA)

Sporting procura ser Campeão de Inverno

A 14ª jornada da Liga ZON Sagres colocará, este sábado, o Sporting, que entrava na jornada como líder isolado do campeonato, frente ao Nacional da Madeira. Os homens de Leonardo Jardim têm protagonizado uma época consistente e de bom nível, mas os madeirenses, a 12 pontos dos «leões», na 5ª posição, vão a Alvalade com vontade de dar seguimento às boas exibições que têm conseguido apresentar. Mais um desafio para este Sporting de cara lavada, que poderá ser o Campeão de Inverno.

hugopalmeida
Hugo Picado de Almeida

O Sporting recebe este sábado, à 14ª jornada, a visita do Nacional da Madeira. Depois da recepção ao Belenenses, o Nacional será desafio maior à liderança dos «leões», que, em caso de vitória, e só nesse caso, dado que Porto e Benfica, que esta sexta-feira venceram as respectivas partidas frente a Olhanense e contra o Vitória Setúbal, garantirão o seu posto de campeões de Inverno. Apesar dos 12 pontos que separam lisboetas e funchalenses - o Nacional é actualmente 5º classificado, com 20 pontos -, o técnico leonino já avisou: o Nacional «tem criado dificuldades aos grandes». 

Dois bons duelistas

O Sporting tem-se demonstrado uma das equipas mais sólidas e atractivas da presente temporada da Liga ZON Sagres. Os «leões» vêm de cinco vitórias consecutivas e registam apenas uma derrota (3-1 na casa do FC Porto). Os homens de Alvalade têm o melhor ataque da prova (33 golos) e também a melhor defesa (9 golos sofridos), o que espelha a coerência e o bom nível exibicional ao longo dos vários sectores da equipa. Leonardo Jardim tem sabido armar a equipa da melhor forma, fazendo muito com o pouco que tem - para a presente temporada o Sporting gastou apenas cerca de 2 milhões em transferências, enquanto que Porto e Benfica fizeram uso de qualquer coisa como 22 e 36 milhões de euros, respectivamente. A equipa de Alvalade vai mostrando boa capacidade para fazer golo, e, causa e consequência do sucesso, será certamente a fidelidade do treinador a um grande número de jogadores base e a um plano de jogo, algo que não acontecera na época anterior, fruto da desesperada busca por resultados e uma equipa que carburasse convenientemente. Leonardo Jardim conseguiu a tão necessária estabilidade, algo que é visível nas rotinas em campo, que permitem não só uma defesa mais sólida, com Rojo e Maurício a revelarem grande entendimento e uma segurança que no ano passado não possuíam, sobretudo quando as bolas lhes eram bombeadas para as costas, mas também na construção ofensiva, nomeadamente entre laterais e extremos, que se sobrepõem de forma calculadae eficaz.

Prova disso mesmo é que na convocatória para o jogo de amanhã o técnico leonino não procedeu a nenhuma alteração face aos convocados da jornada anterior, que levaram de vencida o Belenenses por 3-0. Pela mesma razão, não se esperam alterações no onze inicial, podendo, no máximo, verificar-se alguma alteração nos extremos a entrar de início. Entre Capel, Carrillo e Wilson Eduardo, um deles começará a partida resguardado no banco.

Do lado do Nacional, Manuel Machado deverá fazer pelo menos duas alterações ao onze que entrou em campo frente ao Paços de Ferreira. Fernando Marçal, lateral-esquerdo que esteve ausente da jornada anterior por castigo, deverá regressar à posição, relegando Sequeira, que até realizou uma boa partida diante dos pacenses. No centro do terreno, o médio Renato deverá sentar-se no banco, com Claudemir a render o colega cujas exibições não têm sucedido a impressionar o seu treinador. 

Dois emblemas habituados ao golo

Com 19 golos, o Nacional é a 6ª equipa que mais marca na Liga, embora claramente distante do melhor marcador Sporting, com 33 - a apenas três golos de igualar o número total de tiros certeiros alcançados pela equipa em toda a época transacta -, e mesmo do Porto (29) e Benfica (27), e a cabeça de ataque que alinhará em Alvalade está habituada a gritar golo: Djaniny, Candeias e Rondón contam, entre si, com 11 dos 19 golos da equipa, providenciando Manuel Machado com várias estratégias diferenciadas para chegar ao golo.

Sporting e Nacional já discutiram 35 encontros. O Sporting leva clara vantagem, tendo vencido 21. O Nacional só festejou quatro vitórias, e entre ambos contam-se 10 empates. Em Alvalade, a história favorece ainda mais claramente o «leão». Em Lisboa, os homens da casa triunfaram 17 vezes e foram batidos apenas uma. Nessas 35 partidas, as redes abanaram por 120 vezes, sendo que os «leões» festejaram 82 e os insulares apenas 38. De facto, na história de embates entre ambos, o Sporting só não marcou em dois jogos: em 2007/2008 e em 2010/2011, e sempre fora de portas.

Respeito mútuo

Na antevisão da partida, tanto Leonardo Jardim como Manuel Machado teceram elogios ao adversário. O técnico dos «leões» recordou que o Nacional «tem criado dificuldades aos grandes», tendo já roubado pontos ao FC Porto, com quem empatou a uma bola no Dragão. Jardim destacou ainda a capacidade do Nacional colocar velocidade no seu jogo, nomeando Candeias e Rondón como ameaças para as «equipas que gostam de jogar em futebol mais organizado, como os grandes e como acontece com o Sporting.»

Manuel Machado foi claro na sua abordagem ao jogo. Colocando o favoritismo do lado do Sporting, de quem diz que «está na corrida pelo título, pois é isso que a tabela classificativa traduz», o treinador dos madeirenses fez questão de frisar que, apesar do «grau de dificuldade elevadíssimo», o Nacional já se provou capaz de ser competitivos nos terrenos dos adversários. Além de ter travado o Porto na Invicta, o Nacional já ganhou em Belém e em Vila do Conde, e segurou um empate frente ao seu arqui-rival Marítimo.

Onzes prováveis:

VAVEL Logo