Marítimo 2013: O esforço compensa
Heldon é o melhor marcador da equipa da Madeira (Foto:Lusa)

Marítimo 2013: O esforço compensa

Relembramos agora o ano do Marítimo. Uma equipa madeirense muitas vezes esquecida no meio de tantos clubes do continente. Um ano de muito trabalho, de desilusões e de uma certeza: a de que o esforço acaba por compensar.

mariana-cordeiro-ferreira
Mariana Cordeiro Ferreira

O Marítimo é a maior equipa da Madeira. Um clube com 24 mil sócios e com muitos olhares em cima. Heldon é o menino bonito de Pedro Martins e promete continuar a marcar para que os Leões da Madeira consigam regressar às competições europeias.

Apesar de na época passada a equipa da ilha ter deixado a desejar ao ter acabado no décimo lugar da tabela classificativa, desde que a Liga Zon Sagres recomeçou o Marítimo soltou as garras e mostrou que o esforço e a união acabam mesmo por compensar. Mas vamos por partes.

A desilusão de 2012/13

A época passada, o Marítimo não encheu o olho aos adeptos. Andou grande parte da época a dividir os pontos entre o 7º e o 10º lugar. As nove vitórias e os onzes empates não foram suficientes para ultrapassar Vitória de Guimarães e os eternos rivais do Nacional.

Os 38 pontos mostravam a necessidade de uma mudança, uma mudança de atitude por parte de toda a equipa. A paragem era necessária e pedia uma nova forma de jogo. Os adeptos mostraram-se desiludidos com as prestações da equipa de Pedro Martins e precisavam de uma garantia para a nova época. Essa garantia chegou, não mudou o treinador, mas a vontade de voltar a fazer sorrir os adeptos regressou com o regresso da Liga Zon Sagres.

Um menino de ouro

Desde que a Liga Zon Sagres começou, o Marítimo regressou. Apesar de contar com apenas 4 vitórias, o bom futebol voltou a fazer parte do 11 inicial. A grande surpresa vai para o avançado cabo-verdiano Heldon. Um jogador que podia ter passado despercebido. Está na equipa da Madeira desde 2010 e conta apenas com 17 golos, contudo, desde o começo da época o cabo-verdiano conta já com 9 bolas no fundo da baliza.

O primeiro golo só apareceu na quarta jornada e, em catadupa, os tentos não mais pararam: cinco jornadas 7 golos. Um jogador com uma capacidade táctica apuradíssima e com a capacidade de fazer o Marítimo regressar aos lugares que os levam até terras europeias. 

VAVEL Logo