O que aconteceu ao Futebol Clube do Porto?
Os adeptos azuis e brancos estão descontentes com a actual situação da equipa (Foto: Abola)

O que aconteceu ao Futebol Clube do Porto?

Saiu João Moutinho, saiu James, saiu Lucho e agora Fernando está lesionado. Os actuais campeões nacionais ocupam o terceiro lugar da tabela classificativa e estão em maus lençóis e se a nuvem negra não se afastar.

mariana-cordeiro-ferreira
Mariana Cordeiro Ferreira

Onde está o Futebol Clube do Porto? Onde está a equipa «que ganha e não mexe»? Onde está o Porto campeão? Onde estão as goleadas? Estas são várias das perguntas feitas pelos adeptos azuis e brancos desde o inicio da época.

Moutinho e James Rodriguez abandonaram o barco e seguiram caminho, Lucho Gonzalez seguiu para as Arábias, Fernando está lesionado e Otamendi foi para o Valência. O onze titular do ano passado já deu muitas voltas e no meio de todas elas está o treinador, Paulo Fonseca, que segundo Pinto da Costa merece «total confiança», mas que não gera consenso nas bancadas do Dragão.

Quaresma, o tapa buracos

Ricardo Quaresma regressou ao Dragão depois de uns anos fora do país. O Harry Potter regressou e todos os adeptos do Futebol Clube do Porto voltaram a aceditar que seria Quaresma e as suas trivelas que descansariam o meio-campo. Quaresma regressou e Quaresma marcou. No jogo com o Benfica, com uma vitória para a equipa da Luz por 2-0, o menino bonito do Porto mostrou as garras, mas isso não bastou.

Moutinho, James e Lucho eram o trio escolhido por Vítor Pereira na época passada, trio esse que muitas vezes mostrou resultados e garantiu a vitória do Porto. Quaresma chegou para tapar o furo. No início da época, e apesar da partida de James e Moutinho, Lucho ainda segurou as rédeas, mas as chuvas de Janeiro levaram o capitão azul e branco para outros ventos. Carlos Eduardo e Licá têm sido os companheiros de Ricardo Quaresma a meio-campo, apesar de estar a resultar em alguns dos jogos feitos para o campeonato e para a Taça da Liga, o trio agora existente em nada se compara ao que existia o ano passado.

                                                                                       

Paulo Fonseca, o mal amado

Quando chegou ao Dragão, vindo do Paços de Ferreira, Paulo Fonseca era uma das grandes esperanças de Jorge Nuno Pinto da Costa. Levou o Paços a bom Porto - passe-se a expressão - e Pinto da Costa não o deixou fugir. Apesar de ter começado a época com o pé direito, o técnico portista cedo passou do 80 para o 8. As escolhas e a falta de eficácia da equipa desde a chegada do novo treinador, têm sido motivo de apupos e contestação por parte dos adeptos.

A equipa portista ocupa actualmente o terceiro lugar da tabela, com 36 pontos, a dois do Sporting e a quatro do líder Benfica. Paulo Fonseca tem então uma tarefa complicada pela frente. Até ao final da época, o treinador que tem merecido a confiança do Presidente tem de garantir vitórias para o seu lado e derrotas para os adversários directos. O caminho mostra-se complicado para o técnico, os adeptos pedem a saída, os jogadores mostram-se insatisfeitos e os adeptos do bom futebol pedem o regresso das vitórias merecidas. Se a estratégia não se alterar o Porto poderá mesmo perder o título de campeão nacional para os rivais directos.

E agora Porto ?

A primeira metade do campeonato acabou mal para a SAD azul e branca, a derrota com o Benfica na Luz fez ver os adeptos que este não é o Campeão que estão habituados a ver jogar. No regresso à segunda metade a vitória frente ao Setúbal fez acreditar que a  nuvem negra tinha, finalmente, dado tréguas à Invicta. Até chegar o jogo com o Marítimo. Depois da vitória suada frente à equipa da Ilha para a Taça da Liga, o resultado parecia estar feito. A vitória azul e branca estava à distância de 90 minutos e a garantia de não deixar fugir os rivais lisboetas  também. Tal não aconteceu, a equipa de Paulo Fonseca saiu da Ilha da Madeira com menos 3 pontos, que acabou por oferecer ante o mérito madeirense. Um jogo muito fraco e uma exibição que deixou a desejar ditaram a vitória do Marítimo.

Na próxima jornada, o Porto recebe outra das desilusões da época 2013/14, o Paços de Ferreira. E apesar da má maré, os pacenses conseguiram recuperar alguns pontos e ocupam agora o 15º lugar da tabela. Henrique Calisto, actual técnico do Paços de Ferreira, disse, em conferência de imprensa, que a equipa está a precisar de pontos «como pão para a boca», mas vendo bem as coisas, também Paulo Fonseca precisa de garantir uma vitória na recepção aos antigos jogadores e esperar um empate no derby de Domingo.

VAVEL Logo