Arouca expõe flanco arsenalista e faz abanar Jesualdo

Quando todos expectavam uma vitória acérrima que tranquilizasse as hostes bracarenses, o clube minhoto orientado por Jesualdo Ferreira ficou claramente aquém das esperanças dos seus adeptos, não ultrapassando o frágil Arouca: no fim dos 90 minutos, um empate a duas bolas premiou o clube dirigido por Pedro Emanuel, que diante do SC Braga granjeava de poucas probabilidades para sorrir. Os forasteiros provaram a desvantagem à passagem do minuto 50, esgotadas que ficaram as forças arouquenses que aguentaram o ímpeto ofensivo do Braga. Custódio respondeu afirmativamente a um canto marcado por Alan, corroborando a superioridade da equipa da casa. Mas, logo dois minutos depois, a expulsão de um dos defesas da armada dos Guerreiros, Núrio, deixou as fileiras bracarenses em inferioridade numérica. O Arouca aproveitou e até esteve a instantes do triunfo, mas o reforço Moreno marcou o golo que evitou estragos maiores: 2-2 aos 91 minutos, prenúncio de turbulência em Braga. Jesualdo poderá estar à beira de cair.

Roberto e Ceballos prestes a subjugar a armada bracarense

Oito minutos bastaram: os visitantes, gozando de superioridade numérica, subiram no terreno e, primeiro aos 80 e depois aos 88 minutos, fizeram estremecer o alinhamento arsenalista, que estavam em vantagem desde o golo do médio defensivo Custódio. O jovem Ceballos, endiabrado arouquense, foi uma das peças fundamentais na manobra de Pedro Emanuel. O extremo pisou ambos os flancos e não descansou enquanto não abalou a defensiva do oponente: assistência clamorosa para o golo de Roberto, e, oito minutos mais tarde, o golo do 1-2, que esteve prestes a sentenciar à derrota a equipa de Jesualdo Ferreira. Juntamente com Pintassilgo, Ceballos foi um dos expoentes máximos da boa exibição do Arouca, incansável na irreverência suada em campo, característica que faltou à formação da casa, è excepção do extremo experiente Alan, que nunca se perdeu em campo. Aliás, foi dele o passe com que Custódio inaugurou o marcador.

Jesualdo treme e pode cair a qualquer momento

O ambiente em Braga é pesado, e, depois do empate caseiro de ontem, a situação agravou-se declaradamente. O mau momento vivido na cidade minhota tem persistido, alimentado pelos resultados insuficientes que teimam em subsistir no calendário arsenalista, repleto de desaires e surpresas desagradáveis, como aquela vivenciada diante do Arouca, que apenas possui 19 pontos na Liga Zon Sagres. A época do SC Braga não começou de modo positivo, já que o clube foi despojado da participação da Liga Europa, ao perder na eliminatória preliminar ante o modesto e desconhecido Pandurii. Os titubeantes resultados na Liga nacional nunca ajudaram à estabilização da equipa, realidade que nunca assentou arraiais em Braga: actualmente com 27 pontos, na sétima posição, os minhotos correm o risco de serem alcançados pelo Marítimo. Depois de uma derrota diante do Estoril (onde a exibição foi fraquíssima) o Braga volta a perder pontos pelo caminho, e, ao olhar para o horizonte, o futuro não se adivinha risonho: próxima jornada é tempo de viajar até Alvalade, para defrontar o Sporting.

A inconstância exibicional do clube e os respectivos resultados medíocres levam a crer que se tenham criado as condições básicas para que a continuidade de Jesualdo Ferreira possa estar em xeque. Apesar dos rumores veiculados, fortalecidos pelo atraso significativo do treinador, que chegou uma hora atrasado à conferência de análise ao jogo, não existem dados que possam adiantar uma futura rescisão contratual entre Jesualdo e o clube. « (...) estive reunido com o presidente António Salvador. Estivemos a conversar porque estamos interessados em mudar o que está mal no SC Braga», afirmou o técnico. Contestado pela massa adepta bracarense, o treinador de 67 anos poderá ver a sua saída precipitar-se. Tudo depende do entendimento do presidente, que terá a palavra final em relação à permanência do professor, que sucedeu a José Peseiro no cargo.

VAVEL Logo