Mais do que conhecidos

Mais do que conhecidos

Depois de se terem defrontado para o campeonato, na passada sexta-feira, Sporting de Braga e Rio Ave voltam a encontrar-se, pela 4ª vez esta época, na meia-final da Taça de Portugal. (Foto: SC Braga)

maraguerra
Mara Guerra

É num ambiente de tensão que minhotos e vilacondenses se encontrarão, neste final de tarde, em Braga, para disputar o jogo da Taça de Portugal. Nos dois últimos encontros entre os emblemas do norte, os ânimos estiveram exaltados, entre adeptos, jogadores e dirigentes. O Braga, teoricamente superior, ainda não conseguiu arrancar a vitória ao Rio Ave, esta época.

«Sabemos que temos de ser a melhor equipa»

Já jogaram para a Taça da Liga, para o campeonato e, agora, vão disputar a 1ª mão da meia-final da Taça de Portugal. Esta época está a ditar, em sorte, encontros seguidos entre o Braga e o Rio Ave. Em cinco dias, defrontar-se-ão por duas vezes e o Rio Ave espera sair feliz deste encontro, novamente. A equipa de Vila do Conde já venceu em Braga para o campeonato e na última jornada empatou em casa. Para a Taça da Liga, ditou o afastamento da formação de Jorge Paixão da competição.

O técnico arsenalista está confiante na reviravolta de resultados, embora anteveja a 2ª mão como uma possibilidade de limpar uma possível derrota. «Sabemos que temos de ser a melhor equipa em campo e, se jogarmos como tenho pedido, podemos sair com um resultado positivo. Nada se decidirá amanhã, mas seria importante ganhar e sem sofrer golos», declarou em conferência de imprensa. A necessidade de vitória da equipa, estende-se ao necessário triunfo do técnico, uma vez que o seu lugar tem sido posto em causa nos últimos dias, por possibilidade de ser sucedido no cargo por Rui Vitória. Ainda assim, Jorge Paixão assegura: «Nada disso me afecta».

Nuno Espírito Santo, por seu turno, espera que a maré de resultados traga nova vitória para a sua equipa. «O balanço dos jogos realizados é favorável e vamos aproveitar isso para tentar conquistar o melhor resultado possível», enunciou. O treinador do Rio Ave aproveitou, ainda, para pronunciar-se sobre Carlos Xistra, nomeado para apitar o encontro: «aguardo por uma arbitragem à altura do acontecimento».

Reencontro de tensão 

Os trabalhos de arbitragem têm sido um dos motivos da tensão instalada entre Braga e Vila do Conde. No jogo da Taça da Liga, os bracarenses reclamaram o papel da arbitragem na eliminação da equipa e os vilacondenses queixa-se do árbitro Rui Silva, na partida da semana passada. A tensão estende-se a dirigentes e treinadores e Jorge Paixão e Nuno Espírito Santo trocaram palavras na conferência que procedeu ao último jogo.

O treinador do Rio Ave declarou sentir-se «ofendido por alguém de outro clube que vem a nossa casa faltar-nos ao respeito», depois de Jorge Paixão ter apontado a sua mira ao trabalho do árbitro, bem como a alegadas atitudes do director-geral do Rio Ave para consigo. E o jogador Rúben Micael lançou mais um motivo de tensão, ao declarar: «No primeiro jogo, em Braga, para a Liga, eles foram uma vez à baliza e marcaram um golo. No segundo, fomos aqui bem gamados».

Embora os clubes assegurem que o ambiente será normal, os adeptos poderão constituir uma fonte de preocupação para as forças de segurança, uma vez que já se envolveram em confrontos, no jogo para a Taça da Liga.

Regressos ao onze

Jorge Paixão deverá chamar Alan e Santos para o onze inicial, procurando no 4x4x2 a táctica impulsionadora à vitória do Braga. Do outro lado do terreno, Nuno Espírito Santo poderá contar com Hassan, que se encontrava de fora por lesão, e Braga, que cumpria castigo na última jornada. 

VAVEL Logo