Duas novas escuderias em 2015?

O anúncio que a FIA fez em Dezembro último, abrindo candidaturas para novas equipas de F1, poderá estar muito perto de dar frutos. Tudo indica que duas novas escuderias poderão estar muito perto de se juntar à grelha de partida da categoria: uma equipa norte-americana, detida por Gene Haas, um dos homens-fortes da equipa de Nascar Stewart-Haas Racing, e outra fortemente apoiada pela Roménia, dirigida por Collin Kolles (ex-Hispania, Jordan, Midland e Force India).

Norte-americanos unem-se a Itália

Ainda que não seja claro se a equipa de Gene Haas estará em condições de alinhar já em 2015, Bernie Ecclestone garantiu no GP do Bahrain que «eles serão aceites. (…) Falei com Jean Todt [presidente da FIA] sobre isso. Concordámos ontem que, se duas equipas quiserem entrar, nós autorizaremos.»

A equipa dos Estados Unidos da América incorporará no seu monolugar tanta tecnologia Ferrari quanto o permitam as regras – que, aliás, em 2015 serão mais permissivas nesses termos −, devendo Haas concentrar-se no desenvolvimento do chassis e carroçaria. Neste momento sabe-se que Haas está a construir uma nova base perto do quartel-general da sua equipa Nascar e do Windshear Wind Tunnel, na Califórnia, supondo-se também que terá um centro em Itália para apoiar a sua nova equipa na Europa, mais perto do centro do campeonato de F1.

Roménia terá potência Renault

Collin Kolles (à esquerda) com Bernie Ecclestone. (Foto: Motorsport.com)

A equipa romena será dirigida por Collin Kolles, que conta com grande experiência enquanto patrão de diversas equipas. A sua última passagem pela F1 foi ao leme da HRT em 2011. Nascido na Roménia mas com nacionalidade alemã, Kolles deverá ter a sua equipa pronta para a estreia já em 2015, dado que conta com uma base bem equipada e já estabelecida na Baviera (Alemanha). A informação que circula é de que a Renault deverá fornecer a unidade motriz, o que não deixa de ser curioso quando observado que Ion Bazac, ex-Ministro da Saúde romeno e promotor desta nova equipa de F1, em nome de um conjunto de investidores, é o importador da Ferrari para aquele país.

Parecem, assim, e pelo menos por enquanto, afastados os fantasmas que pairavam sobre Kolles, que enfrentava acções judiciais por alegadas dívidas à ADESS AG, parceiro responsável pelo desenho dos carros da Kodewa (detida por Kolles) presentes em Le Mans em 2013.