Benfica com Turim à mão de semear
Rodrigo fez o bis que ditou a vitória do Benfica (Foto:JornalaCores)

A passagem estava quase garantida, contudo ainda faltavam 90 minutos de jogo e a vantagem do golo de Salvio não era assim tão grande. Depois de ter visto a equipa a encolher-se ao longo dos primeiros 45 minutos na Holanda, Jorge Jesus obrigou a equipa a subir e a principal dúvida do treinador estaria na colocação de Djuricic no lugar de Rodrigo.

A aposta foi feita e a aposta foi ganha. O hispano-brasileiro teve duas oportunidades de marcar e das duas vezes fez o golo. Uma noite brilhante para o Benfica depois de todos os desaires da época passada. Salvio também esteve em destaque nas duas assistências a Rodrigo, já Óscar Cardozo teve o golo muito perto, mas ao que parece o nervosismo acabou por tomar conta do paraguaio que foi desperdiçando oportunidade, atrás de oportunidade.

Jogo insosso com o Sal(vio) que era preciso

O Benfica entrou forte na partida, as ordem eram as de subir no terreno e de não deixar os holandeses fazer aquilo que conseguiram fazer na Holanda. As ordens foram dadas e cumpridas e logo ao minuto três as contrariedades começaram a aparecer. Uma disputa de bola entre Sílvio, Luisão e um jogador do AZ fez com o português chocasse com o brasileiro e acabasse no chão. Muito queixoso, Sílvio teve de sair de maca do relvado e Jorge Jesus viu-se obrigado a fazer entrar André Almeida. Depois de ter substituído Rúben Amorim no jogo da primeira mão André Almeida viu-se outra em campo, qual tapa-buracos. Ao intervalo as más notícias chegaram: Sílvio tinha partido a tíbia e o perónio no choque com Luisão e dá a época por terminada. Deixando ainda de fazer parte da convocatória de Paulo Bento para o Mundial do Brasil deste ano, onde era um dos claros favoritos na chamada.

Depois da tristeza de ver sair um jogador gravemente lesionado, o Benfica começou a criar perigo para a baliza de Esteban Alvarado. Cardozo não teve uma noite inspirada e foram 2 as vezes que desperdiçou a oportunidade de frente para a baliza. Ao minuto 8' obrigou Alvarado a uma defesa apertada depois de um pontapé forte e ao minuto 17 foi a vez de Salvio. O argentino arrancou em velocidade e pontapeou forte, mas a bola saiu ao lado da baliza holandesa. Aos 33' nova oportunidade para o paraguaio e nova oportunidade desperdiçada. Depois de uma jogada brilhante de Salvio e do passe para Rodrigo, Cardozo rematou forte, mas a defesa foi gigante!

A bola parecia decidida a não entrar e faltava a inspiração de Óscar Cardozo... até à chegada do minuto 40. Num lance de contra-ataque Salvio fez uma jogada de génio. Agarrou a bola ainda no meio-campo encarnado e do lado esquerdo seguiu em velocidade até à grande área, fez a assistência para Rodrigo, que aparece nas costas da defesa, e de pé esquerdo estava feito o primeiro da partida!


A cinco minutos do intervalo o Benfica estava na frente do marcador e na frente da eliminatória. Uma jogada brilhante do jovem argentino que depois da lesão parece estar cada vez mais em melhor condição física. E depois do golo, o AZ Alkmaar encolheu. Ainda antes do apito para o intervalo, Salvio, outra vez Salvio fez o remate cruzado e obrigou mais uma vez Alvarado a uma defesa apertada. Ao intervalo a eliminatória parecia resolvida, contudo o Benfica não podia facilitar. Os holandeses já tinham mostrado que são bons a surpreender, mas era preciso um jogo concentrado e consciente da equipa encarnada para que tudo se mantivesse como estava.

Rodrigo quer, Rodrigo pode e Rodrigo manda

Á entrada do segundo tempo, o Benfica voltou a controlar o jogo, contudo o AZ chegou a ter algumas oportunidades, valendo uma vez mais Artur a mostrar serviço e a segurar o resultado. Jóhannsson era o jogador em ter em atenção, a estrela da companhia vinda da América do Norte teve uma noite tão apagada como a de Cardozo e nem os cruzamentos dos colegas de equipa surtiram o efeito pretendido. A desconcentração e a noção do resultado no acumulado deixaram o avançado do AZ completamente desnorteado e quantas mais bolas cruzassem para a área, mais vezes ele falhava.

O jogo estava agora mais parado e nem as arrancadas de Rodrigo surtiram o efeito necessário para o Benfica acordar de novo. Apesar de estar em controlo total do jogo e do resultado, a equipa de Jorge Jesus precisava de uma lufada de ar fresco. Lufada essa que apareceu com a entrada de Enzo Perez para o lugar do apagado Fejsa. As mudanças não foram muitas, contudo o Benfica começou a criar mais oportunidades. Oportunidades essas que Cardozo foi desperdiçando.

Pouco depois Sulejmani rendeu Markovic e a bola começou a rolar com outro encanto. Aos 72' o entendimento entre Salvio e Rodrigo acabou novamente em golo. Novamente pela esquerda, Salvio fez o cruzamento com a força necessária para Rodrigo que ao segundo poste voltou a rematar forte, estava feito o segundo e a canção do bis voltou a cantar-se nas bancadas da Luz. 2-0 no Estádio da Luz aos 72 minutos e 3-0 no acumulado. A passagem estava garantida e apenas era preciso esperar até ao apito final. No final: a explosão. O Benfica estava novamente nas meias-finais da Liga Europa pela terceira vez consecutiva na era Jorge Jesus. Apesar da alegria e dos festejos na bancadas, a passagem teve um sabor amargo. A lesão de Silvio deixou a equipa de rastos e em zona de entrevistas rápidas muitos foram os jogadores a desejar a rápida recuperação do colega, um deles foi mesmo Rodrigo. «Eu fico triste, só tenho pena de não ter tido ali a camisola dele para mostrar a todos, mas quero que todos saibam que os golos são dedicados a ele!» disse.


Com este resultado, o Benfica mostra-se cada vez mais imparável no que toca à Liga Europa: cada jogo, cada golo. Há mais de seis jogos que os encarnados não perdem e que a factura continua a cair. Só faltava conhecer o adversário e desta vez, a sorte pareceu ter ficado longe do Estádio da Luz.

Vem aí a Juventus

O sorteio ditou está ditado. O Benfica vai receber a Juventus de Pirlo nas meias-finais da Liga Europa. O primeiro jogo em casa e a decisão final em Itália fazem do jogo das meias-finais o tudo ou nada para o Benfica nesta Liga Europa. Jorge Jesus disse não ter medo do que aí vem, mas a verdade é que a Juventus era a única equipa que poderia dificultar a vida às águias.

Depois de uma chegada brilhante às meias-finais, a Juventus tem feito gato-sapato, de todos os adversários. E se o Benfica bateu de frente com Pirlo, de frente bateu também Beto e Daniel Carriço com João Pereira. Sevilha - Valência é outra meia-final da competição. Quatro equipas, dois lugares na final, estará a equipa de Jorge Jesus preparada para lidar com este gigante italiano?

VAVEL Logo