Benfica agarra título com unhas e dentes

Estádio cheio, azáfama encarnada, muita expectativa para o duelo entre o Arouca e o Benfica, a contar para a 27ª jornada da Liga Zon Sagres: em caso de vitória, as «águias» colocar-se-iam para lá de quaisquer dúvidas, acima mesmo de qualquer previsão mais catastrófica. Quem poderá actualmente não visualizar este Benfica campeão? Ninguém. A três jornadas do fim da caminhada da liga, o Benfica tem sete pontos de avanço sobre o rival Sporting, bastando-lhe bater o Olhanense na próxima jornada (disputada na Luz) para celebrar o triunfo que escapa há três épocas aos encarnados e ao técnico Jorge Jesus. 

Municipal de Aveiro a abarrotar de festa

O jogo, que seria disputado no estádio do Arouca, foi mudado para o Municipal de Aveiro, por vontade do clube da casa, e o resultado foi uma expectácvel afluência de fãs e adeptos benfiquistas, que literalmente inundaram Aveiro para ver jogar o líder do campeonato. Vinte e oito mil espectadores vibraram com a vitória encarnada que deixa os comandados de Jesus a dois pontos da confirmação do título de campeão: Rodrigo primeiro e Gaitán depois, construíram o resultado final, triunfo lógico da melhor equipa da Liga Zon Sagres que, apesar de um início equilibrado, foi capaz de se sobrepor ao adversário mesmo ao cair do pano da primeira parte.

Lima e Rodrigo desfizeram o nulo da incerteza

Quem melhor que a dupla de ataque encarnada para desfazer defesas e planos de contigência? Lima e Rodrigo colocaram um ponto final na estóica organização defensiva do Arouca, que foi conseguindo atrasar o lógico tento benfiquista: Lima escapuliu-se pela faixa esquerda e cruzou para Rodrigo, que aproveitou uma falha defensiva do central para empurrar o esférico para dentro da baliza de Cássio, à passagem do minuto 45+2. O golo inaugural estabilizou a confiança do Benfica, que tentara por várias vezes bater à porta de Cássio, sem resultado prático, pertencendo ao Arouca a melhor ocasião de golo: Oblak saiu-se prematuramente e errou no ajuizamento do lance, tendo sobrado a bola para Bruno Amaro, que fez o «lob» - Maxi Pereira salvou, in extremis, em cima da linha de golo.

O tento inicial demorou mas chegou, segundos antes do apito intercalar: de novo a dinâmica plena de mobilidade verificada entre Lima e Rodrigo a dar frutos: o avançado de 30 anos descaiu para a faixa, ganhando espaço para centrar para o aparecimento de Rodrigo, que aumentou a sua conta pessoal de golos para 17, em todas as competições. O hispano-brasileiro, que tem as malas feitas para rumar a outras paragens no final da época, foi um dos elementos mais irrequietos do onze encarnada, imprimindo velocidade e perigo à manobra do Benfica - Cássio já lhe negara o golo logo nos primeiros minutos da partida.

Oblak com traumatismo

Azar para o guardião titular do Benfica, Jan Oblak: à passagem do minuto 66, o esloveno chocou com Roberto quando tentava sacudir um livre marcado para a zona da pequena área. O guarda-redes encarnado teve de ser substituído por Artur, sabendo-se mais tarde que o jogador sofreu um traumatismo craniano. Depois da grave lesão de Sílvio durante o encontro com o AZ Alkmaar, agora foi a vez de Oblak sofrer um susto que tão cedo não será esquecido. Ainda assim, o jovem guardião (que roubou a titularidade a Artur quando o brasileiro se lesionou frente ao Olhanense) deverá voltar à competição em poucas semanas.

Gaitán colocou uma cereja no topo da vitória

Em cima do minuto 55, Gaitán picou a bola sobre Cássio, dando aos benfiquistas mais uma razão para festejarem: passe soberbo de Markovic, entrada veloz de Gaitán, toque de habilidade fatal do argentino, que aniquilou as esperanças do Arouca. Mais uma vez, o carrossel de ataque encarnado mostrou que poder fazer mossa nas muralhas contrárias apoiando-se na irascível mobilidade do seu quarteto ofensivo, Markovic e Gaitán nas alas, Lima e Rodrigo na linha mais avançada. 

Jardel foi o escudeiro que fez o lugar de Luisão

Titularíssimo nesta formação de Jorge Jesus, Luisão foi poupado nesta partida, provavelmente tendo em conta o futuro embate contra o FC Porto, a contar para a segunda mão da meia-final da Taça de Portugal. Assim sendo, o brasileiro ficou de fora das opções de Jesus, vendo colega e compatriota Jardel ocupar o seu lugar, com eficácia. O central ex-Olhanense voltou a figurar no onze inicial, mostrando que é uma alternativa viável, tanto a Luisão como a Garay, que poderá estar de partida do Benfica assim que a época chegue ao seu final.

O central de 28 anos jogou 15 partidas esta temporada, apenas quatro delas no âmbito da Liga Zon Sagres: em todas essas partidas o Benfica saiu vencedor. Caso haja futuras mexidas no eixo central da defesa encarnada, Jardel poderá estar de facto na linha da frente para suceder, muito provavelmente, a Garay, que tem meia Europa interessada na aquisição do seu passe.

VAVEL Logo