Nem só de super estrelas se faz o Mundial 2014
Campbell e Ochoa destacaram-se na primeira ronda do Mundial

Nem só de super estrelas se faz o Mundial 2014

Depois de uma primeira semana de Mundial em que brilharam nomes grandes do Futebol Mundial como Neymar, Muller e Benzema nem só de jogadores sobejamente conhecidos se faz o Mundial. Conheça aqui alguns dos "desconhecidos" em destaque no Brasil.

joaopita
João Pita

Mario Balotelli afirmou antes do Mundial que «é no Mundial que nascem as lendas». Não só os jogadores de grande cartel procuram brilhar na maior competição de futebol do Mundo e é no Mundial que muitas vezes jogadores menos conhecidos do grande público aproveitam a oportunidade para se dar a conhecer ao Mundo do futebol. Conheça aqui alguns dos "desconhecidos" em destaque no Brasil.

Guilhermo Ochoa - Um mexicano 'voador'

As intenções de golo de Neymar e companhia esbarraram em Ochoa.

Francisco Guillermo Ochoa Magaña nasceu em 1985 na cidade de Guadalajara, no México mas foi ontem em Fortaliza que "renasceu" para o mundo do Futebol. Ainda muito jovem para a posição onde joga, Ochoa chegou ao Mundial do Brasil sem clube, depois de ter rescindido contrato com o modesto Ajaccio de França, onde jogou nos últimos 3 anos. Depois da exibição de ontem parece que o guardião de 28 anos não terá qualquer dificuldade em arranjar novo clube, sendo que se fala do interesse de gigantes como o Milan, Barcelona e Arsenal.

Muito ágil entre os postes, Ochoa travou um duelo acesso com Neymar ontem em Fortaleza, segurando um par de remates do jovem Brasileiro e defendendo ainda um cabeceamento à queima roupa de Thiago Silva nos instantes finais. Se o México conseguiu arrancar um empate frente à selecção Canarinha e consumar o segundo jogo sem sofrer golos, muito deve a Ochoa, um guarda-redes com muita qualidade e assertividade que num mundial cheio de golos continua sem facilitar a vida aos dianteiros das equipas contrárias.

Quando questionado sobre o futuro Ochoa fez o que melhor sabe e defendeu para canto. O guardião Mexicano disse estar "concentrado no Mundial" e tranquilo pois sabe que há interesse de alguns clubes no seu concurso, confessando que delega essa responsabilidade aos seus agentes.

Joel Campbell - Um diabo à solta no ataque

Joel Campbell brilhou contra o Uruguai.

Foi a modesta Costa Rica quem protagonizou uma das maiores surpresas da primeira jornada de Mundial. Frente à poderosa selecção do Uruguai, vencedora da Copa América em título, a equipa Costariquenha mostrou que não eram favas contadas e levou de vencida a equipa Sul-Americana por 3-1. 2 dos 3 golos Costariquenhos tiveram a assinatura de um jovem jogador que vai dar muito que falar, Joel Campbell. Com apenas 21 anos Campbell pertence já aos quadros do Arsenal e depois de 3 empréstimos consecutivos, primeiro ao Lorient, depois Bétis e por fim Olympiakos, parece estar em condições de conquistar um lugar na equipa de Arsene Wenger, que apresenta carências de homens de ataque.

Depois de uma boa época na Grécia onde apontou 8 golos em 32 jogos e onde também assistiu muitas vezes colegas para golo, Campbell chegou ao Brasil com vontade de impôr o seu futebol e se dar a conhecer aos menos atentos. Muito veloz e tecnicista, Campbell vive melhor na faixa direita e é a partir dela que cria mais perigo, quer cortando para dentro para procurar a finalização com o seu prodigioso pé esquerdo, quer procurando a linha através de arranques explosivos. Campbell não é um jogador de área nem um finalizador nato mas é muito forte a jogar no espaço entre linhas, caindo mais sobre a direita e forçando situações de 1 para 1, onde é muito forte e consegue desposicionar as defesas contrárias.

Numa altura em que se fala da vontade do Arsenal em aumentar o seu leque de opções de ataque Campbell está a querer mostrar serviço, com uma entrada em grande no Mundial, com um golo e uma assistência. Ainda muito jovem Campbell mostra já muita maturidade e é nele que a Costa Rica depoista as suas esperanças no ataque, onde com espaço é um jogador muito perigoso. Vamos ver se a Itália e a Inglaterra terão mais cuidado com este "diabo" no ataque Costariquenho do que teve o Uruguai, que pagou cara a factura.

Kyle Beckerman - Uma carraça à frente dos defesas

Jürgen Klinsmann montou uma equipa dos Estados Unidos muito competente defensivamente com duas linhas de 4 muito juntas e aguerridas no momento defensivo soltando o criativo Dempsey e o potente Jozy Altidore na frente. Sem nunca se desposicionar atrás a equipa Americana deve muito da sua coesão defensiva a um homem, Kyle Robert Beckerman. Já com 32 anos Beckerman não entusiasma tanto como elementos mais jovens ainda capazes de "dar o salto" mas a verdade é que este médio de contençao natural de Maryland parece ter talento a mais para uma carreira em modestos clubes da Major League Soccer, aliando intensidade, agressividade e rigor táctico.

A presença em campo de Beckerman salta à vista não só pelas suas longas "rastas" mas sobretudo pela sua cultura táctica e capacidade de fechar espaços que os seus colegas por vezes abrem. No jogo frente ao Gana, Beckerman encheu o miolo do terreno e obrigou os Africanos a colocar a bola sistematicamente nas faixas e apostar em cruzamentos, onde o maior poderio físico dos Americanos aliado à qualidade inegável de Tim Howard conseguiram manietar as acções ofensivas Ganesas. Com a chegada do ex-ponta de lança alemão ao comando técnico da equipa Americana Beckerman tornou-se um indiscutível na posição à frente dos defesas e aos 32 anos estreia-se na primeira competição a nível internacional, uma "consagração" que parece ter chegado tarde para o incansável centrocampistas.

Klinsmann na antevisão da partida frente ao Gana avisou que tinha o seu próprio Dunga, comparando Beckerman com o ex-seleccionar Brasileiro, capitão da Canarinha no tetracampeonato do Mundo. Klinsmann destacou a qualidade defensiva e espírito de entrega do seu médio, reiterando que Beckerman dá tudo em prol da equipa.

Jefferson Montero - Uma mota pela esquerda

Jefferson Montero ao serviço do Equador

Jefferson Montero foi o jogador em destaque na equipa do Equador na partida frente à Suiça. O potente extremo do Morelia do México tem 24 anos e já conta com uma experiência falhada na Europa, sendo associado agora a alguns clubes do velho continente, entre eles o FC Porto e o Sporting. Montero deu nas vistas no Equador ao serviço do Emelec e transferiu-se para o Villarreal de Espanha. Sem espaço acabou emprestado primeiro ao Levante, depois ao Betis antes de se transferir para o México.

Muito rápido e forte, Montero joga preferencialmente sobre a esquerda e faz lembrar por vezes Hulk, em alguns dos seus movimentos, quer pela complexão física quer pela maneira como parte para cima do lateral e lhe procura trocar as voltas. Muito vertical, Montero estica bem o jogo da equipa pela esquerda e embora procure por vezes movimentos interiores, parte sempre de uma posição colado á faixa e vem para o meio com bola ao invés de vir receber por dentro. 

A qualidade de Montero faz com que os adversários tenham dificuldades em lhe roubar a bola e recorram muito à falta. Foi através de uma destas situações que nasceu o golo Equatoriano que ainda assustou os Suiços. Stephan Lichsteiner teve sempre muita dificuldade em parar Montero e foi mesmo o jogador da Juventus quem derrubou em falta o potente extremo num lance que acabou por dar golo na cobrança do livre.

Antonio Candreva - Qualidade técnica e inteligência táctica

A dúvida pairava em torno da Squadra Azurra antes da partida frente a Inglaterra. Depois da época estrondosa a todos os níveis de Alessio Cerci e Ciro Immobile ao serviço do Torino muitos eram os que pediam a Prandelli para apostar num dos dois homens no apoio a Mario Balotelli num sistema de 2 avançados. O técnico Italiano não cedeu e mesmo depois de um hat-trick e duas assistências no segundo jogo pela Itália de Ciro Immobile frente ao Fluminense decidiu apostar num 4-3-3 assimétrico em que a estrela nas faixa não foi nem Immobile nem Cerci, mas sim Candreva. O extremo de 27 anos suplantou o duo do Torino e formou com Darmian (colega de Cerci e Immobile no clube de Turim) uma sociedade no flanco direito.

Face à intenção de Hodgson de colocar Rooney na esquerda do ataque Prandelli aproveitou a propensão ofensiva do Lateral Baines e do avançado Rooney pela direita da sua defesa para fechar bem com De Rossi nas dobras e soltar Candreva a partir da faixa mas a vir muitas vezes receber bola ao meio, actuando quase como um 10, explorando os espaços nas costas de Baines e de Gerard, criando um problema que a Inglaterra nunca soube resolver. Quer em tabelas com o lateral que aparecia no apoio Darmian, quer com Marchisio a jogar pela esquerda, Candreva foi sempre uma dor de cabeça para os Ingleses e é dos seus pés que nascem as jogadas dos 2 golos. Quer no lance que dá origem ao canto onde Marchisio faz golo, que no cruzamento milimétrico que permite a Balotelli fazer o 2-1.

Ainda com 27 anos Candreva é um jogador muito cerebral e com uma inteligência táctica acima da média. O médio Italiano mostra muita cultura posicional e parece saber sempre onde há de pisar, aproveitando bem os espaços que lhe dão para construir jogo, algo em que é muito forte. Numa altura em que se fala do futuro de Candreva a Lazio comprou a totalidade do passe do agora número 6 da Squadra Azurra, passe que detinha em co-propriedade com a Udinese.

Daley Blind - O obreiro por trás dos dois grandes golos da Holanda

Daley e Danny Blind, duas gerações de defesas Holandeses.

Se o mundo de futebol ficou em estado de choque com a vitória de 5-1 frente à Espanha conseguida pela Holanda, muito se deveu a Danny Blind. O jovem jogador do Ajax é filho de uma lenda do clube de Amsterdão, o central Danny Blind defendeu as cores do Ajax durante 10 anos e foi inclusivamente colega de um conhecido dos Portugueses, Dani. Curioso é o facto do pai Danny ser hoje o treinador adjunto de Van Gaal na selecção Holandesa.

Daley Blind é normalmente um médio centro de contenção ou um lateral esquerdo na equipa do Ajax mas na selecção Holandesa joga como "médio" esquerdo num esquema de 3-5-2, posição onde também joga por vezes no Ajax. No jogo contra a poderosa selecção Espanhola foi dos pés de Blind que nasceu a reviravolta Holandesa, com dois grandes passes longos para golo, primeiro para Van Persie e depois para Robben, a explorar as costas dos centrais de La Roja. Blind faz parte de uma talentosa geração de defesas irreverentes na Holanda, que está a mostrar qualidade e maturidade no Brasil apesar da tenra idade.

Muito se fala da intenção de Van Gaal em levar alguns Holandeses consigo para Manchester e recentemente tem sido veiculado um interesse do Manchester United em garantir o concurso de Daley Blind para lateral esquerdo, abdicando da transferência de Luke Shaw, jovem Inglês por quem o Southampton quer uma quantia muito avultada. Daley revela muita qualidade no processo defensivo e qualidade com bola nos pés, algo que pode ser importante no futebol de posse que o United quer praticar.

VAVEL Logo
CHAT