GP da Alemanha: Análise às equipas
Rosberg voltou a vencer mas Hamilton fez uma recuperação excelente. Qual deles sorrirá no fim? ( Imagem : Mercedes)

GP da Alemanha: Análise às equipas

Foi mais uma excelente prova que decorreu em Hochenheim. Sem surpresa, um traçado com mais tradição permitiu uma corrida cheia de acção. E sem surpresa também, o nível competitivo está a evoluir favoravelmente. É certo que o domínio dos «Flechas de Prata» se mantém, mas não é menos verdade que a subida de forma da Williams trouxe mais interesse à competição.

fabiocostamendes
Fábio Mendes

A grande novidade para este fim de semana era retirada do FRIC, sistema que equipou a grande maioria dos monolugares e que agora foi banido. Havia muita curiosidade para perceber como os monolugares iriam responder a esta mudança, que se esperava tirasse alguma vantagem aos Mercedes, cujo sistema era o mais desenvolvido. Ainda assim a Mercedes manteve o domínio e Rosberg acabou uma semana em cheio com uma vitória em "casa".

Mercedes:

Hamilton voltou a fazer uma excelente recuperação (imagem:Mercedes)

Não sentiram minimamente a perda do FRIC. O domínio do costume e… o azar do costume também. Hamilton não está isento de culpa por não ocupar neste momento o 1º lugar, mas é justo admitir que o britânico não tem sido bafejado pela sorte (recebeu uma prenda em Silverstone, mas logo na corrida seguinte voltou à “realidade”). A saída de pista, por falha nos travões logo na Q1, fazia prever uma corrida difícil, que ficou ainda mais complicada com a penalização por troca de caixa. Sair de 20º e recuperar, mesmo com o melhor carro do grid, é muito complicado. Hamiton voltou a mostrar o seu talento. Foi agressivo e determinado. O seu objectivo era chegar-se a Rosberg e fez tudo para isso. Teve manobras arriscadas e alguns toques, mas às vezes a única forma de subir é com a «faca nos dentes». Lewis fez uma boa prova, e o 3º lugar é mais que merecido. Já Rosberg está numa maré de sorte. Viu a Alemanha ser campeã do mundo, casou, assinou novo contracto e venceu em casa. Se lhe pedirem para definir o que é uma semana perfeita, ele dirá que provavelmente será essa semana. Na qualificação teve de se aplicar, pois os Williams não facilitaram e na corrida quase passou despercebido, tal foi a vantagem que conseguiu. Largou de primeiro e voou para longe, o que torna as coisas muito mais fáceis (perguntem a Vettel). Está em grande forma e parece ter a compostura suficiente para lidar com  a pressão. As bolsas de apostas tendem mais para o alemão.

Williams:

Bottas mostra fibra de campeão ( imagem:Williams)

Toda a gente esperava que o FW36 começasse a finalmente a apresentar resultados. 3 pódios seguidos não é nada mau. Ter segurado um Mercedes na parte final da corrida ainda melhor. O carro que melhor velocidade em recta apresenta, está agora com um nível de competitividade bem interessante. Mas quem está a mostrar fibra é Bottas. O finlandês não é o mais popular em pista e bem ao estilo escandinavo, é frio. Mas em pista, essa frieza mostra-se muito útil. A forma como segurou Hamilton é prova disso. Nunca perdeu o norte e sempre soube colocar o carro no sítio certo. Aos poucos vai conquistando fãs e por certo a estrutura Williams. Uma agradável surpresa. No lote dos azarados, Massa está no topo. Já é a 3ª vez que se vê envolvido em acidentes aparatosos, em que não tem culpa. Quando o azar lhe dá tréguas, mostra que tem capacidade para voltar a ser o “velho Massa”. Mas até lá, tem de penar e passar por cada obstáculo. Se há quem não tem vida fácil no grid é ele. Mas no geral a Williams é agora “a melhor do resto” e a equipa a bater por parte dos concorrentes. Mercedes estão numa liga à parte.

Red Bull:

Red Bull precisa de melhorar para voltar ao pódio (imagem: Red Bull)

Vettel 4º e Ricciardo 6º no papel não seria mau de todo. Mas a equipa que surpreendeu tudo e todos no inicio do ano, com um carro que passou de uma “carcaça” a um carro capaz de dar bons resultados, voltou a desiludir. A evolução do RB10 está a ser lenta e penosa. O motor Renault não ajuda muito também. Mas a gritante falta de “pulmão “ nas retas é um "handicap" sério, para quem tem de lutar para subir posições. Se antes essa questão não se colocava, pois a pole garante potencialmente o melhor lugar para se estar numa corrida e para geriri o andamento (o 1º), quando isso não acontece, o Red Bull sente muito a falta de velocidade de ponta. Para além disso, parecem ter sido a equipa que mais sentiu a retirada do FRIC. As faíscas que se viram debaixo do nariz do carro de Ricciardo podem ser um indicador. Ricciardo tentou mas não conseguiu passar por Alonso (não será o primeiro a queixar-se disso) e Vettel mostrou que está num momento piscologico menos bom. Irritadiço e em baixo, o alemão não estava habituado a ser figura de 2º plano. Isso deve doer no ego do campeão em titulo, que correu em casa e terá sentido um pouco a sombra de Rosberg. Será a Red Bull capaz de melhorar? Depende muito também do que a Renault conseguir fazer.

Ferrari:

Ferrari começa a pensar em 2015 (imagem :Ferrari)

Pelos vistos os ponteiros já estão virados para 2015. O motor não cumpre com as exigências e terá de ser subistituido por uma versão melhorada. Como tal as aspirações para este ano são curtas. Kimi continua com dificuldades em entender o F14T e não encontar um "Set Up" correcto para o seu estilo de condução. Já Alonso mantem o rendimento do costume. Se lhe derem um tractor, ele é capaz de o colocar nos pontos. A qualidade do espanhol só por si garante pontos. Resta saber se Alonso se mantem para o ano e se Kimi arranja vontade de dar a volta à situação ou se prefere sair. Há muita coisa por definir na Scuderia. Uma coisa está definida. Este ano será mais um fracasso.

Force India:

Hulkenberg não se cansa de pontuar ( imagem: Force India)

Mantêm se à frente da McLaren no campeonato e muito graças a Hulkenberg. O alemão esteve mais uma vez muito bem, fazendo render a estratégia de 2 paragens. O carro precisa de melhorias e pode ser que o verão lhe faça bem. Os "Force" deixaram de ser o carro mais rápido em reta, como era habitual num passado recente e o único ponto forte neste momento é a boa gestão de pneus. É um monolugar equilibrado é certo mas falta lhe algo mais. Algo que o poderia fazer chegar às lutas com Ferrari Red Bull e McLaren. Fraca corrida de  Perez . Ele que era conhecido por fazer durar a borracha mais que os outros, não conseguiu fazer isso ontem. Já esteve no pódio é certo, mas Hulkenberg tem sido o grande responsável pela boa época da Force India. Perez continua a mostrar pouco para o que pode fazer. Tanto talento e tão pouca cabeça. Sobre Hulkneberg está tudo dito. É muito bom e ninguém precisa de dizer mais nada.

McLaren:

Magnussen fez uma corrida fantástica ( Imagem: McLaren)

Button fez por recuperar algumas posições, depois de uma fraca qualificação, acabando em 8º. O britânico queixou se da estratégia, que não foi a melhor. Button não conseguiu segurar ninguém e deve ter o pescoço dorido de tanto olhar para o retrovisor. O MP4/29  precisa de melhorar muito. Magnussen por seu lado viu-se envolvido no toque com Massa (sem culpa) e teve de fazer uma corrida de trás para a frente. Ele que esteve a 10 segundos do último acabou em 9º! Uma excelente corrida do dinamarquês, que passou um pouco despercebida na tv. Mas recuperar assim é de piloto. É este Magnussen que queremos ver todas as corridas.

Lotus:

Grosjean começa a desesperar com o E22 ( Imagem:Lotus)

Mais uma desistência para a Lotus que deve ter estar num campeonato com a Sauber para ver quem desiste mais vezes.  Os problemas continuam e nada parece resolver a situação. Por certo a Lotus quererá passar já para 2015. Gorsjean começa a desesperar, pois com o carro parado, não consegue mostrar serviço e com isso, convecer outras equipas a proporem contracto. Já Maldonado, em 12º foi mais do mesmo… Nada de mais. Mesmo assim tem lugar assegurado para 2015. O dinheiro não traz felicidade? Perguntem ao Pastor.

Toro Rosso:

Toro Rosso continua a desiludir ( imagem: Toro Rosso)

Kvyat teve um dia para esquecer. Começou bem a corrida mas, por algum motivo, perdeu a frieza que o caracterizava. Viu se envolvido num acidente evitável, naquele que poderá ter sido o seu primeiro erro de rookie este ano. Fechar a trajectória quando ia passar Perez mostra imaturidade, algo que nunca ninguém lhe tinha apontado até agora. Para piorar, viu o seu Toro Rosso arder, devido a uma fuga de óleo. Vergne, por seu lado, teve um «stop&go», por ter ultrapassado os limites da pista e ter beneficiado disso, numa luta com Grosjean e como tal a sua corrida ficou arruinada. 13º foi o melhor que pôde fazer... E é manifestamente pouco.

Sauber:

Mais uma desistência. O acelerador de Sutil foi possuído por uma força estranha que, ora retirava qualquer aceleração, ora dava aceleração máxima, o que provocou o pião na última curva do circuito. Já Gutierrez… pouco ou nada mostrou. O costume portanto. A Sauber está a tentar ultrapassar a Marussia no campeonato de constructores. Está portanto tudo dito.

Marussia/ Caterham:

Bianchi é claramente piloto para outros voos ( imagem: Marussia)

Bianchi teve um inicio terrível. Ficou para trás na largada e perdeu muitas posições. Ainda assim, foi capaz de passar o seu companheiro de equipa e os dois Caterham´s e acabar em 15º. Este jovem quando estiver num carro à sério vai brilhar muito. Kobayashi foi mais uma vez o melhor da Caterham e a dupla Ericsson /Chilton mostrou que entende bem Maldonado, no que diz respeito a garantir o lugar pela força do dinheiro. Há muito melhor nas reservas de qualquer equipa do grid.

Ultrapassagens:

Foi  uma corrida cheia de emoção e ultrapassagens ( imagem ( Red Bull)

Muitos se queixaram (e com razão) que a F1 tinha poucas ultrapassagens. Depois do recital em Silverstone, Hockenheim foi também um prato de cheio de manobras excelentes. É raro ver 3 carros de F1 lado a lado e ontem vimos isso por 3 ou 4 vezes. Pode não se gostar do som, da forma dos carros, dos motores, mas que esta F1 está emocionante, interessante e ninguém pode dizer o contrário.

Público:

Sintomático. Uma corrida de F1 teve 50 000 pessoas a ver , enquanto em Nurburgring 100000 se juntavam para ver uma corrida de camiões. Se o espectáculo agora está bom e recomenda-se, o que se passa? Será que a teimosia de Bernie Ecclestone em não apostar nas plataformas de informação digital, tal como a internet, está agora a pagar o preço?

Incidentes:

Mais um acidente arrepiante com Massa. Não tem sorte o brasileiro ( imagem: autosport)

Muitos incidentes este ano. Muita “chapa batida” e muito carro de rodas para o ar. Já há algum tempo que não tínhamos um ano tão acidentado. Mas felizmente os ferimentos foram mínimos. Sinal que a segurança funciona e bem. Mas é tempo de rever a matéria e pensar bem se querem ou não que os travões continuem a falhar. Já é a 9ª vez este ano. Começa a ser preocupante.

Nºs do GP da Alemanha:

7ª vitória e 20º pódio para Rosberg

300 pódio para a Williams

119 corridas para Sutil ( ainda sem pódio)

77º corrida seguida da Ferrair nos pontos

VAVEL Logo
CHAT