Red Bull: A precisar de asas

Red Bull: A precisar de asas

A Red Bull Racing ocupa o segundo lugar da tabela de construtores e Daniel Ricciardo, a nova jóia da coroa, está em 3º no campeonato de pilotos. Sebastian Vettel é que não tem festejado muito, ocupando apenas o 6º lugar na tabela. Os resultados começam a melhorar mas ainda é pouco para a actual campeã do Mundo de construtores.

pedro-mendes
Pedro Mendes

Os quatro primeiros anos da Red Bull Racing (2005-2009) não foram fáceis, sendo o melhor registo da equipa no ano de 2007, quando a equipa terminou o campeonato em 5º. Depois deste período, a equipa tornou-se o alvo de todas as atenções ao ser tetra campeã mundial de construtores de Fórmula 1. Muito devido a um senhor chamado Adrian Newey, que desenhou os monolugares vencedores. Não nos podemos esquecer do piloto sensação e, até este ano, o bem mais precioso da equipa: Sebastian Vettel. 

2014 começou mal

As paragens nos testes de Jerez foram uma constante (foto: XPB Images)

Embora a Mercedes não dê muitas esperanças às outras equipas para vencerem, a Red Bull tem, por via de Daniel Ricciardo, aproveitado os deslizes dos “Silver Arrows”. Ocupam a segunda posição do Mundial de construtores, com 219 pontos, mais 77 pontos que a Ferrari, mas essa posição não reflete o mau começo de época. Durante os primeiros testes de pré temporada, os problemas com o RB10 começaram a aparecer. Em Jerez , enquanto os concorrentes directos estudavam os dados retirados dos monolugares, Adrian Newey ia a "correr" para Milton Keynes redesenhar o modelo. Problemas com o sobreaquecimento da nova unidade motriz, aliada ao “desconhecimento” (de resto, como todas as equipas) dessa nova unidade, fez com que sérias dúvidas acerca da presença dos dois carros da equipa no primeiro GP, se levantassem. 

11 corridas a tentar melhorar

Na Austrália, Vettel desistiu e Ricciardo, a correr em casa, terminou em 3º, tendo-lhe sido depois retirado o pódio, por terem utilizado um sensor de fluxo de combustível não homologado pela F1. Ou seja, o medo de que nem sequer os dois alinhassem, foi invertido. Possivelmente, Ricciardo tomou consciência que poderia enfrentar o seu colega de equipa e a estrutura soube que o seu monolugar não estava tão distante da concorrência quanto pensavam.

Até meio da temporada, a equipa pontuou em todos os GP´s, mesmo tendo sido ofuscada, nestas últimas corridas, por uma Williams renovada. Ricciardo tem sido o ganha-pão da equipa, com 5 pódios e duas vitórias, no Canadá e na Hungria.  

Vettel, o número 1

O tetra campeão do Mundo tem sofrido bastante com esta “nova” F1. Em 11 corridas teve 3 desistências, algo nunca pensado no final de 2013. As vozes criticas ao piloto alemão levantaram-se (se é que alguma vez estiveram caladas) e o mal estar de Vettel é notório. Ocupa actualmente o 6º lugar e será bastante difícil subir na tabela. Nem mesmo os dois pódios conseguidos no Canadá (a melhor corrida para a Red Bull, com o 1º e 3º lugares do final) e na Malásia, disfarçam a má época do alemão.

A primeira parte da época não tem sido fácil para Vettel (foto: Getty Images)

O ano passado Sebastian Vettel ouviu assobios quando venceu o seu quarto campeonato e ainda assim festejou. Este ano nem assobios ouve, já que as palmas vão quase sempre para o seu colega de equipa, que entusiasma e festeja como hà muito não se via. Mas a cavalgada de Vettel no G.P de Espanha foi soberba, digna de um prémio. Partiu de 15º e terminou em 4º, a um passo de Ricciardo. E não podemos esquecer o G.P. da Alemanha, onde Vettel (pela primeira vez esta época) bateu o seu companheiro de equipa.

Daniel Ricciardo, o novo "menino" de Christian Horner

O australiano bateu Jean-Éric Vergne na Toro Rosso e até este momento na época, nós é que agradecemos. Daniel Ricciardo é rápido, mostra-se à vontade no RB10, um modelo complicado de conduzir e tem carisma. É a antítese de Vettel. 

Foi arrepiante ouvir todos os australianos a comemorarem o pódio de Ricciardo em Melbourne, pena ter-lhe sido retirado o lugar. Mas podemos afirmar que o "Sr. Sorriso" tem marcado a primeira metade da época pela positiva para a equipa. Como afirmamos antes, tem sido o ganha pão da Red Bull e conseguiu mostrar a Horner e Cia., que o talento está dentro de portas, não tendo sido preciso contratar um piloto de renome, para fazer uma omeleta sem ovos (Félix da Costa continua lá!).

Nunca pensamos ouvir o pit wall da Red Bull a dizer a Vettel que Ricciardo está mais rápido. Traduzindo: deixa passar! Mas será Ricciardo, o herdeiro da equipa austriaca? Vettel perdeu para o seu colega de equipa, a sua posição dentro da estrutura?

Evolução até ao fim da temporada

A Red Bull tem lutado com a Ferrari (queremos mesmo dizer, Alonso), com a Williams e consigo mesma. Mas pensamos que os problemas que afectaram o RB10 estejam ultrapassados, pelo menos na sua maioria. O monolugar é um dos mais equilibrados em curva neste momento, apenas não conseguindo anular a desvantagem em velocidade para o Williams. E  é mesmo a equipa de Sir Frank Williams que mais tenta ocupar o lugar da Red Bull, já que tem tido bons resultados. Vai ser uma luta até ao fim e com a noção que a corrida de Abu Dhabi vai valer a dobrar, podendo a equipa sedeada em Milton Keynes, aproveitar e bater a concorrência. 

VAVEL Logo
CHAT