Leão regressa ao palco da Champions

Leão regressa ao palco da Champions

Cinco anos depois o Sporting volta a marcar presença na Liga dos Campeões. A última passagem deixou uma marca pesada com a eliminação aos pés do Bayern Munique, nos oitavos-de-final, num total de 12-1 das duas mãos. Agora com uma equipa jovem e renovada, os leões querem deixar uma imagem diferente, sem traçar objectivos na prova.

RodolfoReis
Rodolfo Reis

16 de Setembro de 2008, marcava o arranque do Sporting na Liga dos Campeões. Integrados no grupo C, a equipa leonina com Paulo Bento aos comandos tinha na sua companhia o Barcelona, Basileia e Shakhtar Donetsk. Na primeira jornada estava destinada uma visita a Camp Nou, que terminou com uma derrota por 3-1, com Tonel a marcar o tento de honra da formação leonina, enquanto isso no outro jogo os ucranianos iam até Basileia vencer por 1-2. No jogo de estreia em Alvalade a formação leonina bateu os suiços por 2-0, com um auto-golo de Zanni e outro de Derlei, já o Barcelona vencia na Ucrânia por 1-2.

Com a turma catalã líder do grupo percebeu-se que a luta pelo segundo lugar ia ser entre o Sporting e o Shakhtar. As duas equipas iam então medir forças na terceira e quarta ronda. Primeiro na Ucrânia um golo de Liedson (que se estreava pelo clube na Liga milionária), já dentro dos quinze minutos finais deu a vitória aos leões. O Barcelona aplicou chapa 5 em Basileia, que deixava os suiços fora da equação para o que restava do grupo. A partida de Lisboa seria então decisiva, um triunfo da formação portuguesa deixava-os com nove pontos mais seis que o Shakhtar Donetsk, o que a duas jornadas do fim dava a qualificação automática aos verde e brancos.

Numa partida de muitos nervos e tacticamente bem jogada, onde a luta pela posse de bola foi sempre o factor mais preponderante as ocasiões para marcar foram como tal escassas. Até que ao minuto 73' Derlei, que duas semanas antes havia assistido Liedson no triunfo em Donetsk, entrou para o lugar de Hélder Postiga e quatro minutos depois o «ninja», assistido por Izmailov, atirou para o fundo das redes de Pyatov. Estava feito o resultado final que dava um apuramento histórico dos leões para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Nas duas últimas rondas o Sporting foi derrotado em Alvalade pelo Barcelona por 2-5, acabando a ganhar em Basileia por 0-1, graças a um tento de Djaló. A formação leonina seguia com o Barcelona em frente, enquanto o Shakhtar Donetsk rumava para a Liga Europa.

Nos oitavos-de-final, ditou o sorteio que o Sporting iria defrontar o poderoso Bayern Munique, que dois anos antes havia calhado aos leões na fase de grupos. Nessa altura os bávaros venceram em Alvalade por 1-0, cedendo uma igualdade a zero na Alemanha. Mas diz o ditado futebolístico que não existem dois jogos iguais e isso ficaria provado nesta eliminatória. Com a primeira mão agendada para Lisboa a formação germânica goleou por 0-5, com um bis de Ribéry e Luca Toni, e Klose a marcar pelo meio.

A eliminatória estava decidida e restava ao Sporting tentar dar uma melhor imagem na segunda mão. Só que o jogo de Munique foi um autêntico pesadelo para os leões, sendo esmagados por 7-1, numa noite em que Podolski bisou, Polga fez um auto-golo e João Moutinho fez o golo de honra num grande remate de fora da área. Depois de uma fase de grupos onde só havia perdido com o Barcelona, a formação leonina saía de forma desastrosa da Liga dos Campeões, envergonhando-se a si, aos seus adeptos e a Portugal. Quanto ao Bayern haveria de provar do seu próprio veneno ao ser eliminado nos quartos-de-final pelo Barcelona, num total de 5-1, os catalães venceriam a competição ao baterem na final o Manchester United por 2-0, mas a maior ironia de todas é que o Shakhtar Donetsk esse mesmo que havia sido enviado para a Liga Europa pelo Sporting, acabaria por conquistar o troféu ao derrotar os alemães do Werder Bremen por 2-1.

Cinco anos depois

Agora o Sporting regressa ao maior palco das competições europeias. No grupo G, a equipa agora liderada por Marco Silva surge totalmente remodelada daquela que em 2009 disputou a prova, restando apenas Rui Patrício no plantel, mas que conta agora com nomes como Nani, William Carvalho e Adrien Silva. Os leões medem forças com o Chelsea de José Mourinho, o Schalke 04 e os eslovenos do Maribor, que de resto serão os primeiros adversários já esta quarta-feira na Eslovénia.

Três equipas que certamente darão muito que fazer ao leões, que no entanto terá as suas hipóteses de lutar por um apuramento para a fase a eliminar. A formação portuguesa terá já uma tradição para tentar quebrar, aquando do primeiro encontro, é que a turma leonina não venceu nenhum dos dez últimos encontros disputados fora de casa em partidas da UEFA, averbando sete derrotas e três empates.

O último triunfo aconteceu a 15 de Setembro de 2009, aquando da deslocação à Suiça para defrontarem o Zurique na fase de grupos da Liga Europa a equipa então sob as ordens de Domingos Paciência ganhou por 0-2, com golos de Insúa e Wolfswinkel. De resto o Sporting dá-se bem com os ares helvéticos, já que para a Liga dos Campeões, foi em Basileia que os leões saíram vencedores por 0-1 com Djaló a fazer o tento solitário.

VAVEL Logo