Sporting 1-0 Benfica: A última vez que o leão caçou a águia

Sporting 1-0 Benfica: A última vez que o leão caçou a águia

O registo do Sporting Clube de Portugal frente ao Sport Lisboa e Benfica da era Jorge Jesus, tem sido profundamente negativo. Desde que Jesus assumiu o comando técnico do Benfica, "os verde e brancos" só bateram as "águias" em jogos oficias, por apenas uma ocasião. A última viitória leonina remonta-nos à época 2011/2012 onde os "leões" receberam e venceram os rivais da Luz por uma bola a zero.

AugustoCabrita
Augusto Cabrita

Num jogo onde os adeptos leoninos acolheram em massa ao Estádio José de Alvalade, o Sporting batera o Benfica num bonito espectáculo de futebol, não só verificado nas bancadas, mas também no terreno de jogo. Estávamos na 26ª jornada do campeonato nacional referente à época de 2011/2012, onde, mediante o resultado da partida, as contas do título ficaram difíceis para o Benfica, troféu que acabou mesmo por ser renovado pelo rival Futebol Clube do Porto que conquistara na altura o bicampeonato nacional.

No banco leonino sentava-se Ricardo Sá Pinto, o carismático treinador leonino que no mês de Outubro da época seguinte viria a abandonar o cargo de treinador após consecutivas más prestações e resultados. Do lado da formação da luz, sentava-se no banco Jorge Jesus, o ainda atual treinador das águias, que só conheceu o sabor da derrota frente ao rival de Alvalade nessa mesma ocasião. Jesus alinhara com Artur Moraes, Emerson, Luisão, Garay, Maxi Pereira, Javi García, Axel Witsel, Bruno César, Nico Gaitán, Rodrigo e Óscar Cardozo, ao passo que Sá Pinto escolhera para o onze inicial, Rui Patrício, Emiliano Insúa, Anderson Polga, Xandão, João Pereira, Stjin Schaars, Elias, Matías Férnandez, Marat Izmailov, Diego Capel e o holandês Ricky Van Wolfswinkel que acabou por decidir a partida numa grande penalidade de teor duvidoso cometida ao minuto 18.

O jogo foi marcado pela superioridade leonina, nomeadamente na segunda metade da partida, onde o Sporting potenciou inúmeras investidas à area encarnada, onde o desperdício de oportunidades, sobretudo por parte de Ricky Van Wolfswinkel, acabou por ser a nota dominante nuns segundos quarenta e cinco minutos penosos para a defesa encarnada, que no entanto acabou por conceder apenas um tento, curiosamente apontado na primeira metade, onde o equilíbrio e a repartição de oportunidades foi o tónico de um período ainda marcado pela rigidez táctica de ambas as equipas.

Na segunda parte, contudo, o Sporting jogou absolutamente descomplexado, dando asas ao brilhantismo dos seus jogadores criativos e atacantes, justificando a vitória que apesar de ter sido consumada com um penalty no mínimo duvidoso, só pecou pela sua escassez. Do lado benfiquista, poucas foram as ocasiões que colocaram em perigo a defesa leonina, ainda que por exemplo, ao minuto 52, Maxi tenha estado muito perto do golo após um cabeceamento, cortado em cima da linha de golo por Insúa. Yannick Djaló, lançado pelo técnico encarnado ao intervalo, viria a dar um ar de sua graça ao dar trabalho a Rui Patrício por duas ocasiões, ainda que tímidas e não muito relevantes. Na altura, foi o regresso de Yannick a Alvalade após a transferência do clube de Alvalade para os rivais da Luz.

Após o final da partida, Ricardo Sá Pinto salientava a grande superioridade leonina em zona de flash interview: «O Sporting foi muito mais forte. Fomos superiores em todos os momentos do jogo e podíamos ter feito um resultado histórico porque tivemos muitas oportunidades. Mas conseguimos a vitória, que é o mais importante»; apontava o técnico em declarações à Sporttv.

Quanto a Jorge Jesus, queixara-se de um penalty não assinalado sobre Nico Gaitán logo no primeiro minuto de jogo, não esquecendo que o título ficara mais difícil naquela altura: «As duas equipas fizeram um grande jogo e a equipa de arbitragem teve um senão, que foi um grande erro ao não assinalar aquela grande penalidade sobre o Nico.» «O título ficou mais difícil, não vamos ignorar. Ficamos a quatro pontos, quando faltam 12 para disputar, mas ainda acreditamos.» referia Jorge Jesus em declarações à Sporttv no final da partida.

Dos jogadores que alinharam nesse encontro, do lado leonino, restam ainda Rui Patrício, Diego Capel, André Carrillo e o retornado Diego Rubio, ao passo que do lado dos encarnados restam igualmente, e apenas quatro jogadores. São eles Artur Moraes, Luisão, Maxi Pereira e Nico Gaitán, o último que por questões físicas, não deverá alinhar no derby do próximo domingo.

O juíz da partida do encontro da 26ª jornada de 2011/2012 foi Artur Soares Dias.

VAVEL Logo
CHAT