O que correu mal ao Sporting no Dragão

O que correu mal ao Sporting no Dragão

Para além de apresentar um conjunto completamente “rebentado” fisicamente, o Sporting de Marco Silva entrou no Dragão com a estratégia de jogo perfeitamente desalinhada do que se exigia.

joaofervenca
João Carlos Fervença

Crónica VAVEL - o que correu mal ao Sporting no Dragão

É incompreensível e lamentável como é que o Sporting, à entrada da fase decisiva da época, apresenta este preparo físico. O Sporting não aguentou mais do que os 20 minutos iniciais no Dragão e não saiu de lá com uma goleada histórica por mero acaso.

Não é possível que Marco Silva achasse que a sua equipa, depois do esforço hercúleo contra o Wolfsburgo, com apenas 1 alteração no 11, fosse aguentar os 90 minutos no Dragão com uma elevada intensidade e agressividade, a jogar com o bloco subido com que entrou em campo. Não é a 1ª vez que isto acontece nesta época e muito provavelmente não será a última.

Para piorar, o jogador que entrou no 11 parecia que tinha sido um dos que correu mais de 10 kilómetros na 5ª feira contra os alemães. Permitam-me deixar aqui uma nota: a inconsitência e falta de comprometimento de Fredy Montero com a equipa é desesperante. Aproveite-se o mercado que ainda tem para o colocar, porque não é ponta-de-lança para o Sporting. O Sporting não precisa de um substituto para Slimani, precisa sim de contratar um jogador que possa concorrer com este e ser garante de golos.

Pois bem, Marco Silva quis apostar todas as fichas na eliminatória com o Wolfsburgo (questionável, mas legítimo) e para além de ter sido eliminado, perdeu também a possibilidade de lutar pelo 2º lugar do campeonato. Pior do que o ter feito, não ter rodado a equipa e abordar o jogo da mesma forma que abordaria um jogo em Arouca é olhar para o banco e tentar entender as suas opções: se deixar Wallyson de fora compreende-se face à sua incompreensível não aposta até ao momento, deixar Gauld e Mané de fora das opções para o derby tem de ser muito bem explicado. É com André Martins e Capel que se pretende dar um safanão no jogo? Jogadores que estão no fim da linha no clube e nada oferecem?!

Não fosse tudo isto suficiente, como se justifica que uma equipa completamente de rastos fisicamente vá jogar ao Dragão com um bloco subido? Como se justifica que vá jogar com um espaço entre linhas (defesa e meio campo) tão grande? Como se justifica que o treinador tenha demorado 60 minutos a mexer, quando perdeu o meio campo antes da meia hora de jogo e não tenha mexido no mesmo antes dos 80 minutos? Como se justifica que sofra 3 golos praticamente iguais?!

Se há situações justificáveis e compreensíveis, há outras que não parecem passar de puro amadorismo. Já elogiei bastante Marco Silva, fui um dos seus maiores entusiastas, mas há limites. Aquilo que se viu ontem (mais uma vez) não foi o Sporting. Foi uma sombra verde e branca que já tinha aparecido no Norte e que de lá saiu com o mesmo resultado.

É inegável que o Sporting já apresentou fio de jogo e um domínio avassalador em diversos jogos, mas só isso não chega. Marco Silva tem 3 meses para mostrar que consegue dar a volta à situação, recuperar física e animicamente a equipa (morreu depois do empate tardio de Jardel em Alvalade), começar a apostar em jogadores que fazem parte do futuro do Sporting (Wallyson e Gauld), assegurar com uma margem confortável o 3º lugar, vencer a taça de Portugal e fazer com que a equipa melhore o seu futebol. Caso contrário, o cenário ficará negro.

VAVEL Logo
CHAT