Um mau fim-de-semana para a F1
Mercedes dominou por completo a primeira corrida do ano

Um mau fim-de-semana para a F1

A expectativa era grande. Depois de um interregno de três meses, o grande circo voltava e as máquinas começavam a rugir de novo. Para os fãs, a espera interminável acabava. Mas a corrida não trouxe o prémio merecido para quem usou e abusou da paciência para aguentar um aborrecido Inverno sem F1. Pelo contrário, quem gosta de F1 ficou desiludido e as questões de fundo levantaram-se mais uma vez.

fabiocostamendes
Fábio Mendes

Sou sempre dos últimos a criticar a F1 e tento sempre ver o lado positivo das situações, pois acho que para má publicidade à modalidade, já basta a que os intervenientes directos fazem. Mas o sentimento de desilusão depois da primeira corrida não pode nem deve ser mascarado.

Mercedes

Hamilton esteve imparável (Foto: Mercedes)

Um início como esperado… dominante e sem concorrência à altura. O W06 é sem dúvida uma máquina que voa baixinho e o Hamilton é neste momento o seu melhor “capitão”. Não foi incomodado uma vez por Rosberg durante toda a corrida e cada vez que a distância entre os dois diminuía, o britânico aumentava o ritmo o suficiente para não ser ameaçado. Uma corrida “sem espinhas” para Hamilton que mostra estar em grande forma (melhor do que esperávamos) e uma preocupação crescente para Rosberg. Se Lewis continua assim não terá a mínima hipótese.

Ferrari

Primeira corrida pela Scuderia, primeiro pódio para Vettel. Um inicio melhor só mesmo se Raikkonen acabasse a corrida. Infelizmente o finlandês ficou com uma roda mal colocada e obrigou a desistência. Algo que desagradou muito Arrivabene que, com cara de poucos amigos, ouviu atentamente a explicação do mecânico ao sucedido. Este novo chefe não parece ser dado a brincadeiras. Cara fechada, olhar exigente. Tem todo ar de que com ele, a equipa vai para a frente a bem ou a mal. Vettel esteve muito bem. Apertou Kimi no inicio da corrida (sem culpas) e soube atacar quando Massa foi às boxes, ganhando assim o 3º lugar. A equipa parece mais harmoniosa agora e até Kimi sorri mais ao lado de Vettel. Está-nos a  surpreender. Vettel parece ser o “cimento” que faltava para unir as peças da Ferrari. O carro está bem e se evoluir como se pretende, poderá complicar muito a vida da Williams e até mesmo ameaçar a Mercedes, caso esta se descuide. Um inicio bem prometedor

Williams

Bottas ficou de fora por motivos médicos (lesão nas costas) e a responsabilidade ficou toda em Massa. Aguentou bem a 3ª posição na largada, mas a ida às boxes foi mal calculada pela eq\uipa e ficou atrás de Ricciardo que o atrasou bastante. É verdade que o brasileiro demorou a passar um Red Bull com problemas de motor e isso deitou por terra as aspirações ao pódio. O 4º lugar não é mau, mas a equipa viu uma Ferrari ligeiramente melhor, o que deverá fazer soar os alarmes na equipa. A Williams era a que parecia estar mais próxima dos Mercedes mas a Ferrari fez questão de dizer presente. Uma luta que promete.

Sauber

Que corrida para a equipa de Peter Sauber! Um fim de semana que começou da pior maneira com Van der Garde a ganhar na justiça o direito de pilotar o carro. Uma chefe de equipa sob intensa pressão de muitas partes. Pilotos que não sabiam se iam correr ou não. Não participação na primeira sessão de treinos livres. Tudo isto soava a desastre mas Nasr fez questão de fazer esqueçer todos os problemas. O brasileiro (provavelmente o melhor piloto da equipa desde Hulkenberg) fez uma corrida excelente e aguentou desde o inicio o 5º lugar de forma irrepreensível. É certo que pagou para estar na F1 mas este sim parece merecer andar na categoria rainha do automobilismo. Aguentou a pressão inicial de Raikkonen e Ricciardo e trouxe pontos muito precioso para a equipa. Já Ericsson, também acabou nos pontos mas não brilhou como o seu colega. Se a equipa tiver de encostar alguém para dar lugar a Van der Garde que seja Ericsson. Nasr está numa liga claramente superior em relação ao sueco. A equipa confirmou o bom andamento mostrado nos testes mas não teve ainda a oposição da Lotus e da Force India. Quando isso acontecer, aí sim veremos qual verdadeiro potencial da equipa.

Red Bull

Pior inicio de ano seria complicado. Kvayt nem começou a corrida, pois a sua caixa de velocidades teve problemas logo na volta de saída das boxes para o grid. Ricciardo não teve carro para mais que 6º lugar. E os culpados? Todos apontam a Renault. A caixa de Kvyat teve problemas por causa da vibração excessiva do motor, Ricciardo não conseguiu melhor pois os mapas de afinação do motor não permitem que o piloto tenha um pedal de acelerador “de confiança” ( ou seja a mesma % de acelerador aplicada podia dar diferentes respostas do motor). Horner já deu um murro na mesa e disparou para todos os lados. Não foi bonito de se ver. Acusou os franceses de estarem a fazer um péssimo trabalho (o que é verdade), ameaçou a FIA que a Red Bull sai da F1 se não forem tomadas medidas para minimizar a vantagem da Mercedes. Nesse caso é difícil avaliar. É verdade que a Red Bull dominou  durante muitos anos e que nesse período a FIA ia colocando novas regras que indirectamente visavam diminuir a vantagem da Red Bull. Mas vir agora “chorar” e usar a ameaça mais repetida nos últimos meses fica mal a uma equipa que não pode esquecer também já foi beneficiada no passado. O que é certo é que o divórcio entre Red Bull e Renault parece eminente e as noticias que dão conta da compra de uma equipa por parte dos franceses fazem cada vez mais sentido. A principal candidata é a Toro Rosso.

Force India

Tendo em conta o que se esperava da equipa ter conseguido pontuar com os dois carros foi muito positivo. A equipa ainda está em “fase de testes” com a nova maquina ainda a precisar ainda de melhorar bastante. Hulkenberg aproveitou bem a razia de desistências e Perez ainda se viu aflito com Button que se divertiu com o mexicano, mesmo com uma máquina inferior. Começamos a perder a paciência com Perez. Defendemos bastante o mexicano e o seu enorme talento, mas demora a assumir-se como piloto de top. Desde que saiu da Sauber nunca mais foi o mesmo e este ano parece não querer melhorar. Perez pode e deve mostrar mais. Hulkenberg, esse nunca desilude. Não deslumbra mas falha muito pouco. Merece mais que uma Force India.

Toro Rosso

O fim de semana prometeu muito mas o azar de Verstappen acabou com as aspirações a uma boa colheita de pontos. O motor Renault falhou e o holandês viu assim esfumadas as hipóteses de um bom resultado. No entanto o “miúdo” não acusou a pressão, fez uma corrida limpa e com bons apontamentos. Tem de facto talento. Veremos numa corrida mais movimentada como se porta. Já Sainz conseguiu os primeiros pontos na F1. Uma corrida discreta mas sólida. Tentou defender-se de Ericsson no fim mas não tinha pneus para isso. No entanto a Toro Rosso mostra uma boa base para 2015. Um carro equilibrado que, se for melhorado, pode lutar facilmente por lugares a meio da tabela. Não admira o interesse da Renault em comprar a equipa, boatos esses cada vez mais fortes, agora que o divorcio com a Red Bull parece eminente.

McLaren

Não foi um inicio de sonho mas Button tratou de minimizar o pesadelo. Sempre ele a safar a equipa nos momentos menos bons, conseguiu levar o carro até ao final. Magnussen nem teve hipótese de chegar ao grid com o motor a falhar espectacularmente, deixando Alonso apenas com 3 motores para o resto do ano. Esperava-se que o mesmo acontecesse a Button mas o seu MP4/30 aguentou-se a corrida toda. Usando um modo conservador do motor ( uma forma de dizer que andaram em “passo lento”) conseguiu levar o carro até a bandeira de xadrez, incomodando bastante Perez a certo ponto. Foi o único a não pontuar, mas tendo em conta o estado acutal do carro, ter acabado a corrida foi um prémio. A diferença de andamento é gigantesca mas o caminho faz-se caminhando. O optimismo mantém-se por isso esperamos para ver.

Lotus

Os grandes azarados da corrida. Maldonado teve um acidente ( desta vez sem culpa) e Grosjean ficou sem potência no motor Mercedes, numa falha de um componente da Lotus e não da Mercedes. Ainda assim a equipa deixou bons apontamentos na qualificação e caso não tivessem o azar do lado deles, podiam ter roubado pontos à Force India e a Toro Rosso. Não foi o melhor inicio mas o ano promete ser bem positivo para a equipa de Enstone.

Notas Finais

Foi com grande tristeza que se assistiu a um GP com apenas 15 carros no inicio e 11 no final. Já dizemos há muito que é preciso fazer algo. Horner vem agora “chorar” que quer alterações da FIA para a diferença entre a Mercedes e os restantes sejam minimizada e para a competição melhorar mas nem ele nem nenhum dos “senhores” das equipas grandes faz um esforço para melhorar as condições das equipas mais pequenas para que essas possam crescer. No inicio do ano tivemos um piloto que ganhou o lugar num carro na justiça porque a equipa não cumpriu com a sua parte do contrato, tivemos uma equipa que não tirou os carros da box por não ter (supostamente) software para operar o motor Ferrari do ano passado. Tudo isto é muito má publicidade e vem dar razão a quem defende que os turimos e o WEC estão bem melhor que a F1. E nós, fãs da F1 que tentamos defender a todo custo a nossa "dama" ficamos sem argumentos para tal. Ainda vamos a tempo de ter um bom ano mas o inicio deixou claramente a desejar. 

 Para quando uma tentativa real de melhorar a F1?

Renault

Fizeram asneira da grossa. Disseram que iam melhorar o motor ao nível dos consumos e da fiabilidade. Nada disso se viu em Melbourne. Os franceses deixaram uma fraca imagem de si na primeira corrida e claramente têm de melhorar se não quiserem ser alvo de chacota. Até a Ferrari conseguiu melhorar e de que maneira o seu motor. A ideia de comprar uma equipa é claramente para mostrar que podem fazer melhor sem a Red Bull que ficou com os louros todos das conquistas de Vettel. Mas por enquanto ficaram muito mal na fotografia.

VAVEL Logo
CHAT