Sem Nicolás Gaitán, Benfica perdeu todos os pontos em 2015
Foto original: Miguel Barreira

Sem Nicolás Gaitán, Benfica perdeu todos os pontos em 2015

É uma verdade incontornável: sem Gaitán no onze, o Benfica sofre. Em 2015, todos os oito pontos perdidos pelos encarnados tiveram um denominador comum - a ausência do extremo criativo, a peça mais talentosa do xadrez de Jorge Jesus.

vavel
VAVEL

Se dúvidas existissem quanto ao peso bruto de Nicolás Gaitán no rendimento da equipa da Luz, essas dúvidas ficam rapidamente desfeitas mal se analisa o comportamento encarnado nos duelos em que o extremo criativo não pode dar o seu contributo - em 2015, todos os pontos perdidos pelo Benfica na Liga NOS aconteceram em jogos nos quais o atleta argentino não participou.

Oito pontos sem Gaitán para acudir

O Benfica perdeu 8 pontos nesta segunda volta do campeonato, e, em todas essas três partidas, Gaitán não pôde dar o seu contributo à equipa comandada por Jorge Jesus - a contas com impedimentos de ordem física, Gaitán ausentou-se por várias semanas e apesar dos encarnados terem sobrevivido ao seu afastamento da competição, a verdade é que, contra Paços de Ferreira, Sporting e Rio Ave, o Benfica sucumbiu por duas vezes (na Mata Real e nos Arcos) e empatou outra (em Alvalade).

Ainda que Ola John tenha sido um substituto minimamente competente (até fez o gosto ao pé por mais que uma vez) na faixa esquerdo do ataque encarnado, a verdade é que o jovem holandês não empresta à estratégia de Jesus a criatividade táctica e a capacidade de multiplicar mecanismos ofensivos mais complexos que o argentino empresta - isto porque Gaitán não se resume a desempenhar as funções de extremo.

Mais que um extremo, um «10» que pensa o jogo encarnado

O internacional argentino não faz apenas magia com o seu tecnicista pé esquerdo; Gaitán veste muitas vezes a pele de organizador de jogo atacante do Benfica, carregando a bola até zonas de decisão, servindo os colegas com inteligentes distribuições e rompendo pelo interior, gerando desequilíbrios em toda a amplitude do último terço do terreno. Com o argentino em campo, o jogo encarnado ganha imprevisibilidade e maior coordenação ofensiva - servindo como elo de ligação ao ataque (Lima e Jonas), Gaitán é muitas vezes um «10» mascarado de extremo.

Nas modalidades tácticas do múltiplo modelo de Jesus (4-4-2 de base que se aplica em campo num 4-2-4 ou num 4-1-3-2) Gaitán assume um papel-chave; aliás, juntamente com a preponderância dos dois centrocampistas, Gaitán resume as sinapses do cérebro do Benfica. Sem ele, o jogo encarnado torna-se menos acutilante, menos fluído, menos corrido; Jonas e Lima perdem a sua ponte táctica e somente Pizzi (enquanto «8») e Salvio (na direita) não chegam para empurrar, com qualidade, a equipa para a frente. 

Num esquema com Ola John na esquerda e Salvio na direita, o Benfica ganha profundidade em ambos os corredores mas perde critério técnico-táctico: sem um jogador astuto e controlador, que possa pegar na bola e guiar a equipa rumo ao ataque, o Benfica perde as asas, por muito que as tenha prontas para descolar. John e Salvio resumem-se a excelentes dribladores com óptimas qualidades no momento de penetrar na área e gerar pânico nas defensivas contrárias, mas aos dois falta-lhes a inteligência para gerar jogadas de envolvimento colectivo - as mais perigosas no futebol.

Órfão de Enzo e dependente de Gaitán...por agora

Não é, pois, por acaso, que nas três perdas de pontos do Benfica em 2015, Gaitán tenha estado ausente - sem ele, o Benfica está sempre um pouco mais perto de ter areia na engrenagem ofensiva. Além disso, a gestão do jogo torna-se menos criteriosa e menos eficiente, algo que é acentuado pela ausência de Enzo Pérez, o outro grande maestro da equipa de Jorge Jesus; sem Enzo e sem Gaitán, o Benfica torna-se uma equipa sem a faísca doutros tempos. Jesus sabe, actualmente, que só Gaitán sabe elaborar com mestria o futebol ofensivo do Benfica. 

Enquanto Pizzi desenvolve a sua capacidade de organizar jogo e Talisca espera por uma oportunidade para convencer enquanto médio «box-to-box», o Benfica permanecerá sem um maestro central que não Gaitán, o que poderá causar alguns calafrios sempre que o Benfica se veja privado do argentino e sempre que se depare com equipas arrojadas, sem medo de atacar e de ter a bola no pé, como foi o caso do Rio Ave, na jornada passada (destaques para Diego Lopes, Ukra, Del Valle e Tarantini). 

VAVEL Logo