0-1, min. 15, Maxi Pereira. 0-2, min. 22, Jonas. 0-3, min.46, Luisão. 0-4, min. 59, Lima. 0-5, min. 69, Maxi Pereira.
Embalado para o bicampeonato, Benfica goleia e despacha galo de Barcelos
(Foto: Hélder Sousa)

Embalado para o bicampeonato, Benfica goleia e despacha galo de Barcelos

Num jogo em que se pensava que o Gil Vicente poderia causar dificuldades, as mesmas foram quase nulas para o Benfica que foi passear a Barcelos fazendo uma «Manita»

joao-rodrigues
João Rodrigues

Depois de no fim de semana passado ter empatado com o FC Porto e praticamente garantido o bicampeonato, o Benfica deslocou-se este fim-de-sema a Barcelos despachando o Gil Vicente por 5-0 sem dó nem piedade. Uma vitória importante já que a equipa de Jorge Jesus está agora a apenas duas vitórias de se bicampeã nacional.

Sete minutos chegaram para acabar com o jogo

O Benfica desde ínicio que mostrou que quem estava para mandar era a equipa da águia. Ao contrário de que tinham sido os últimos jogos fora de casa, os encarnados não tiveram dificuldades e desde cedo que se percebeu o que dali ia sair: a goleada. Apesar de ter tido bola e jogadas bonitas, as oportunidades não foram muitas e a eficácia neste jogo esteve do melhor. Sem grandes ocasiões de perigo nos primeiros minutos, o Benfica aproveitou duas jogadas de rajada para acabar com o jogo. Aos 15' e com a melhor jogada da tarde, Maxi inagurou o marcador após assitência de Sulejmani que voltou a jogar depois de muito tempo ausente.

O Gil Vicente tentou reagir e ainda fez Júlio César a aplicar-se após um grande remate de Yazalde aos 18'. Mas as facilidades na zona defensiva eram tantas que pouco tempo depois, aos 22', Jonas aumentou a vantagem acabando ali o jogo. Gaitán corre pela linha lateral, cruza e Jonas, que aparece de tràs, encosta sem hípotese para Adriano. Foi o 17º golo do brasileiro no campeonato, que está agora empatado com Jackson Martínez no topo dos melhores marcadores.

Jonas é um autêntico massacre para as defesas contrárias. (Foto: Hélder Sousa)

Reacção tardia

Mesmo assim, o Gil Vicente não se deixou afectar e após mais um aviso de Lima, começaram a pressionar alto e surgiram alguns lances de registo. Primeiramente por um cabeceamento perigoso de Cadú e segundo por um remate de Rúben Ribeiro. Até ao intervalo, destaque para a saída de Nico Gaitán por lesão e que deve assim falhar o resto da temporada.

Entrada a matar do Benfica

O segundo tempo não podia ter começado melhor. Logo no 1º lance de perigo, logo aos 46 minutos, Luisão salta mais alto que toda a gente e cabeceia para fazer o 3-0 após um canto marcado por Pizzi. Uma entrada a matar, que deu ainda mais motivação para os pupilos de Jorge Jesus fazerem mais e continuaram com jogadas bonitas a espalharem magia fascinando o público encarnado presente nas bancadas. Se com o três a zero já era uma missão impossível para a equipa da casa, o 4-0 só piorou a situação. Aos 59 Jonas faz uma excelente jogada e assistência para Lima que não falha no cabeceamento.

Factor Psicológico permite passeio total

O Gil Vicente era uma equipa cansada e derrotada e já nunca mais teve andamento psicológico nem energia para poder fazer alguma coisa que contrariasse o domínio vermelho. Com isso, o resultado não poderia ser outro que não um passeio total para os encarnados que já sem forçar ainda chegaram ao 5-0 como Maxi Pereira a fazer um bis. Aos 69' e em mais uma boa jogada, Lima surge no corredor central. O brasileito remata mas permite a defesa a Adriano, a bola sobre para Maxi que encosta fazendo assim o seu segundo golo na partida.

Diogo Viana foi o mais inconformado mas apanhou uma autêntica muralha à sua frente

Vida díficil para a equipa de Barcelos que está na linha de água. A tarefa da semana que vem não vai ser mais fácil com certeza já que terá de defrontar o Futebol Clube do Porto. É o 5.º jogo consecutivo em casa que o Gil Vicente não vence, tendo ficado em branco em 4 desses jogos.

Sulejmani regressou em grande

Ninguém diria que o Sérvio esteve tanto tempo ausente da competição. O jogador, que já não entrava no onze incial desde Janeiro,  regressou em grande realizando uma exibição muito competente provandoa Jorge Jesus que merece mais oportunidades. Numa altura em que cada vez mais se coloca o talento de Ola John em causa (ou talvez a mentalidade), será desta que o extremo vai conquistar a confiança do seu treinador, jogando mais vezes de águia ao peito? Talvez sim, talvez não mas a próxima época deverá ser a da sua afirmação após longas lesões.

VAVEL Logo
CHAT