Novo tiro no porta-aviões encarnado: Maxi Pereira oficializado pelo FC Porto

Novo tiro no porta-aviões encarnado: Maxi Pereira oficializado pelo FC Porto

O FC Porto colocou um ponto final na novela uruguaia que tinha Maxi Pereira como actor principal - o jogador assinou contrato por 3 anos, deixando o Benfica para rumar ao rival de sangue portista. O lateral juntou-se hoje ao grupo de Julen Lopetegui.

vavel
VAVEL

Assinou contrato de três temporadas e envergará a camisola número 2 do FC Porto - aos 31 anos, o internacional uruguaio Maxi Pereira cortou com oito anos de águia ao peito para representar o clube da cidade Invicta; o lateral direito rejeitou a proposta do Benfica e preferiu reforçar o rival FC Porto, tendo já hoje se juntado ao grupo de trabalho de Julen Lopetegui.

O FC Porto oficializou a contratação a custo zero de Maxi Pereira através de uma declaração na rede social Twitter, colocando um ponto final nas especulações em torno da novela uruguaia que teve como actor principal o atleta que durante oito anos lutou pelas cores encarnadas. Maxi, um dos símbolos do Benfica vencedor de Jorge Jesus, irá ocupar o lugar de Danilo no lado destro da defesa portista.

Boas-vindas portistas a Maxi

O jogador rejeitou as abordagens do Benfica e do Galatasaray, tendo chegado hoje a Horst, na Holanda, onde o clube realiza os trabalhos de pré-temporada. Na base da escolha de Maxi Pereira está, sabe VAVEL Portugal, a pressão do seu agente, Paco Casal, e a vontade da família, que pretendia permanecer em Portugal. Consuma-se assim a segunda saída de vulto do Benfica, também a segunda para um rival directo.

«Estou muito contente de estar aqui, fazer parte desta equipa e com muita vontade de treinar. Espero o melhor para a equipa, quero integrar-me e ser um mais, trabalhar duro para atingir o objectivo que é ser campeão no FC Porto», afirmou hoje Maxi ao Porto Canal. Depois de garantida a contratação do emblemático Iker Casillas, o FC Porto garante mais um craque experiente para atacar o título nacional em 2015/2016.

Maxi Pereira, antigo sub-capitão do Benfica e símbolo da raça encarnada, torna-se assim no segundo tiro no porta-aviões sofrido pelo Benfica; depois da saída inesperada de Jorge Jesus para o rival Sporting, as águias perdem uma das suas referências contemporâneas, novamente para um rival directo. Em que sentido sairá o Benfica mais enfraquecido e até que ponto a decisão de Maxi colherá dividendos desportivos? A próxima época tudo esclarecerá.

VAVEL Logo
CHAT