Manchester City imparável trucida Chelsea de José Mourinho por 3-0

Massacre no Etihad Stadium

Jogo grande da segunda jornada em Inglaterra entre Manchester City e o campeão em título Chelsea. Os «Citizens» queriam dar seguimento ao bom arranque de temporada enquanto que os «Blues» procuravam a primeira vitória na Premier League.

Desde cedo, a formação de Maurício Pellegrini mostrava maior vontade em tomar conta do jogo e logo aos 20 segundos, Sergio Aguero dispôs de uma oportunidade soberana mas esbarrou num gigante Asmir Begovic, que foi adiando o inevitável golo dos vice-campeões, com diversas defesas fenomenais, gracejando até do reconhecimento dos adversários.

Begovic esteve em destaque do lado dos Blues. (Fonte: Reuters)

No entanto, o rolo compressos do City deu frutos e após uma fantástica combinação com Yaya Touré, Kun Aguero conseguiu finalmente bater o guarda-redes bósnio. Estava desfeita a igualdade, com inteira justiça. O Chelsea mostrava-se bastante tímido e a falta de intensidade de Ramires e Fábregas castigava fortemente a turma de Mourinho. Até ao final da primeira parte, só deu City os Blues podiam-se dar por satisfeitos por apenas perderem pela margem mínima.

Segunda-parte sem soluções para Mourinho

Apesar de terem entrado um pouco mais soltos na segunda parte, os jogadores da turma de Londres pouco incomodavam os Citizens. Hazard estava em dia não e Diego Costa parecia mais preocupado em reclamar com a equipa de árbitros do que em ajudar a sua equipa. No entanto, com o resultado ainda em 1-0 o Chelsea dispôs de uma oportunidade soberana para empatar a partida. Depois de um belo trabalho de Diego Costa sobre a esquerda, este deixa a bola à entrada da área para o astro Belga, que tira um adversário da frente, remata mas o seu esforço foi detido por Joe Hart, naquele que foi o único remate do Chelsea à baliza dos azuis de Manchester.

José Mourinho ainda tentou alterar o rumo da partida, nomeadamente promovendo a entrada de Cuadrado (incrícvel o decréscimo de qualidade do Colombiano) e Falcao mas foi mesmo o City que dilatou a vantagem. Na cobrança de um pontapé de canto, o belga Kompany levou a melhor sobre Ivanovic (esteve francamente mal durante toda a partida) e fez o 2-0 para os «Citizens». Já com menos de 5 minutos para terminar a partida, Fernandinho ampliou o resultado e aproveitou a passividade da defesa londrina para fixar o resultado em 3-0. Em 42 jogos frente a City, Liverpool, United e Arsenal Mourinho somava apenas a quarta derrota mas uma das mais expressivas também.

O Chelsea pareceu estar sempre à deriva e sem a intensidade que se espera numa equipa que quer revalidar o título de campeão. Já o City mostrou que está mais forte que nunca e cimenta a sua candidatura ao título.

Destaques VAVEL

- Sergio Aguero: Um dos melhores avançados do mundo quando o seu físico o permite. Imparável... O seu golo é uma pequena obra de arte para ver e rever.

- David Silva: Impressionante a qualidade que o espanhol dá ao jogo do City (2 assistências). Sempre certo no passe e com uma visão de jogo fora do normal, baralhou muito as contas ao meio campo dos blues.

- Raheem Sterling: Começa a justificar o investimento de mais de 70 milhões de Euros. As suas mudanças de velocidade deixaram Ivanovic sem qualquer hipótese. Promete muito este reforço dos Citizens.

- Vincent Kompany: O patrão da defesa do City. Parece ter voltado à forma da época 2013/2014 e com veia goleadora, ao apontar 2 golos em 2 jogos.

- Asmir Begovic: Não fosse o guardião Bósnio e o Chelsea teria saído do Etihad com uma mão cheia de golos ou mais. Diversas paradas monumentais mostram que é uma alternativa de confiança a Courtois.

-Branislav Ivanóvic: Completamente batido por Sterling em quase todos os lances, o Sérvio está também ligado ao segundo golo dos Citizens. Deixou-se antecipar por Kompany e deixou este último cabecear sozinho para o fundo das redes de Begovic.

- Ramires: Muita falta de intensidade do ex-Benfica no meio campo. O Queniano deixou sempre muito espaço a Kolarov e foi pelo seu lado (e de Ivanovic) que nasceram as maiores ameaças do City.

- José Mourinho: 2 jogos, 1 ponto, 5 de distância para o líder. The Happy One começa com o pé esquerdo esta Premier League e vai ter de fazer uma série de jogos muito fortes para recuperar o atraso para o City e os demais rivais.

VAVEL Logo