Ligue 1: Com golo de Matuidi, Paris SG lidera... mas não brilha
Foto: SYLVAIN THOMAS / AFP

Ligue 1: Com golo de Matuidi, Paris SG lidera... mas não brilha

Sem Ibrahimovic, Verratti, Di Maria e Pastore (saiu aos 10 minutos lesionado) faltou fluidez ao jogo do Paris Saint Germain que sentiu mais uma vez grandes dificuldades para levar os 3 pontos. Ainda assim terceira vitoria em 3 Jogos e a liderança do campeonato.

Alvaro-Varela
Varela Alvaro

Foi um jogo frio, sem velocidade e sem magia, aquele a que opôs esta Sexta-feira o Montpellier ao campeão francês Paris SG. Sem Zlatan Ibrahimovic, Marco Verratti, e o reforço Ángel Di Maria (ainda não se estreou pelo PSG) e com o internacional argentino Javier Pastore a sair aos 10 minutos de jogo devido a lesão, a equipa de Paris sofreu para levar de vencida a equipa de Montepllier, última classificada do campeonato.

Vitória sofrida com golo de Matuidi

A jogar em 4x3x3, Laurent Blanc, sem grandes opções, entregou o ataque a Lucas Moura, Ezequiel Lavezzi e Edinson Cavani, com o meio-campo com Thiago Motta, Javier Pastore e Baise Matuidi, mantendo a defesa com Maxwell, David Luiz, Thiago Silva e Serge Aurier, com o alemão Kevin Trapp na baliza. Com este onze, a ideia do treinador do PSG passava por muscular o meio-campo apostando, na capacidade fisica de Thiago Motta e Blaise Matuidi, contando com a criatividade de Javier Pastore para servir em condições óptimas o trio de ataque, que, jogando de uma forma vertical e em velocidade, iria conseguir penetrar a povoada zona defensiva da equipa do Montepllier.

Se do lado direito o jogo exterior estaria a cargo de Ezequiel Lavezzi, o interior seria da responsabilidade de Matuidi e/ou Maxwell. Já do lado esquerdo o jogo exterior estava entregue ao possante Serge Aurier, para que Lucas Moura pudesse criar situações de penetração com bola em diagonais de fora para dentro, contanto para o efeito com o apoio de Javier Pastore. Infelizmente para o Paris SG, o seu médio criativo só durou 10 minutos e obrigou à entrada de Adrien Rabiot, jovem da cantera parisiense que, apesar das suas variadíssimas qualidades técnico-tácticas, não conseguiu fazer circular a bola e assumir a iniciativa de jogo como era pretendido por Blanc, trazendo ao jogo isso sim, uma maior capacidade defensiva e libertando Matuidi para as funções mais ofensivas. A equipa de Paris deixou então de jogar em ataque organizado (como gosta) e passou a apostar no futebol directo, com a bola a sair directamente dos pés dos centrais para o ataque, o que foi, sem dúvida, uma vantagem para a equipa de Montpellier, que após a saida de Javier Pastore começou a mandar no jogo e a eliminar os pontos fortes do adversário. 

Lavezzi tenta escapar à marcação

O treinador Rolland Coubis, percebendo os problemas que o adversário sentia após a saida do médio criativo, ordenou à sua equipa que subisse no terreno e reduzisse ao máximo o espaço de jogo da equipa do PSG. Redefiniu a zona de pressing (passando o primeiro pressing a ser realizado a meio do meio-campo do Paris SG, e não à entrada do meio campo da sua equipa) e impedindo a subida do lateral esquerdo Serge Aurier, colocando Paul Lasne bem encostado à linha. Simultaneamente, o seu 4x2x3x1, passou a jogar de forma mais compacta e em bloco, criando a sensação de estar em constante superioridade numerica, em todo o campo.

Dentro do campo, era o experiente capitão Hilton que comandava a equipa e antecipava os movimentos ofensivos dos parisienses. Aos 37 anos, o central brasileiro joga como se tivesse menos 10 anos, conseguindo chegar sempre primeiro, saltando sempre mais alto e saindo mais rápido e de cabeça levantada da zona de pressão. Ao seu lado, Ramy Bensebaini, foi o símbolo da agressividade da equipa. O argelino de 20 anos proveniente dos belgas do Lierse não se assustou com a presença de Cavani e Lucas e arrancou uma exibição muito sólida. Também o seu compatriota Ryad Boudebouz conseguiu destabilizar a defesa do PSG, criando constantemente lances de perigo para a baliza parisiens, e tal como Djamel Bakar - podiam ambos, por duas vezes, ter chegado ao golo quando o resultado ainda era de 0-0; valeu para isso a intervenção de Kevin Trapp que mais uma vez conseguiu manter invicta a sua baliza.

Como quem não marca sofre, o Paris SG chega ao golo aos 61 minutos, quando nada fazia prever que isso pudesse acontecer - num ataque pelo lado esquerdo, Ezequiel Lavezzi rodeado por dois adversários, sofreu uma falta, que o árbitro, e bem, não assinala, uma vez que a bola sobra para Maxwell- Este, já dentro da área, descobriu Matuidi, que de primeira conseguiu o seu segundo golo neste campeonato. O Paris SG soma assim 9 pontos em 3 jogos enquanto o Montepllier ainda não pontuou.

VAVEL Logo
CHAT