Académica 1-3 Sporting: Leões passam no exame de Coimbra
Foto: Sporting Facebook/César Santos

Académica 1-3 Sporting: Leões passam no exame de Coimbra

Num jogo a contar para a 3ª jornada, o Sporting superiorizou-se a uma Académica que poucos argumentos demonstrou durante o decorrer dos 90 minutos. Com o resultado final de 1-3, o Sporting acabou por ficar sem treinador no banco de suplentes depois de Jorge Jesus ter sido expulso posteriormente a dois casos de arbitragem que levantaram bastantes dúvidas.

tiagolabreca
Tiago Labreca

Entrada à Jesus 

Depois de um empate frente ao Paços de Ferreira e de uma derrota contundente frente ao CSKA de Moscovo que fez com que o Sporting fosse eliminado da Liga dos Campeões, Jorge Jesus queria que a equipa demonstrasse aquilo que vale de forma a dar a volta aos resultados menos positivos e continuar nos lugares mais cimeiros da Liga Portuguesa. E foi exactamente isto que aconteceu, com as entradas de Esgaio para o lugar do suspenso João Pereira e de Mané em detrimento do fatigado Bryan Ruiz, o Sporting conseguiu surpreender a turma de Viterbo e apostar tudo na pressão alta desde os primeiros minutos de partida. 

A Académica apostou num 4x4x2 que tentava acabar com o princípio de construção por parte de João Mário e de Adrien mas esta jogada de banco acabou por não sair da forma pretendida visto que o bloco mais avançado dos estudantes não pressionava o suficiente para incomodar o pautar do ritmo do Sporting. Foi a partir desta inactividade da Académica que os leões começaram a aparecer muito perto da área de Lee. Aos 8 minutos num passe de ruptura do capitão leonino Adrien, Mané surge nas costas da defesa da Académica e remata cruzado para o fundo das redes inaugurando assim o marcador no Estádio Cidade de Coimbra. Era aquilo que Jorge Jesus pretendia. 

Meter a segunda mudança 

Nos recentes jogos do Sporting da era de Jesus uma das lacunas principais foi sem dúvida a dificuldade em marcar o segundo golo que tranquilizasse a equipa no jogo. E, novamente, estava-se a voltar ao mesmo episódio de não conseguir marcar. Primeiro, João Mário no princípio da grande área atira à figura de Lee, depois de uma grande jogada colectiva por parte da equipa de Alvalade, e mais tarde Jefferson num remate de longe ia avisando que o Sporting queria mais e não se limitava a gerir o jogo. Numa combinação exímia entre Teo Gutierrez e Carrillo, o peruano acabou por fazer um passe que sofreu um desvio em Fernando Alexandre e sobra para Slimani que à matador não pensou duas vezes e colocou, num chapéu, a bola por cima de Lee fazendo o 2-0 e colocando a Académica numa posição de descrença perante o resto do jogo. 

Intervenção da terceira equipa 

O jogo corria de feição à equipa do Sporting que continuava a carburar como se fosse o príncipio do jogo o que levava a uma notória baixa de rendimento da Académica que não encontrava forma de ultrapassar a alta pressão dos leões. Viterbo a partir do banco percebeu esta falta de atitude da equipa e mudou o sistema para um 4x3x3 para um maior fluxo ofensivo pelas aulas tendo como maestro de jogo Leandro Silva. Foi exactamente este jovem jogador, emprestado pelo Porto à Académica, que surgiu um lance polémico na área do Sporting. Numa bola que sobra para o lado esquerdo da defesa do Sporting, Leandro Silva tenta-se antecipar a Adrien mas o médio leonino parece cortar a bola e não no médio da Briosa. Contudo, Bruno Esteves, o árbitro da partida, depois da indicação do fiscal-de-linha, apontou para a marca de grande penalidade. Rabiola sem qualquer tipo de dificuldade bateu Rui Patrício e voltou a colocar a Académica em jogo.

Poucos minutos depois, num jogo que estava a tornar-se quente devido aos protestos do Sporting, Slimani numa jogada de insistência entra na área da Académica e é travado por João Real. Pelas imagens parece que Real chega primeiro à bola e depois toca inevitavelmente no argelino o que leva a avaliar a decisão do árbitro como correcta. Precisamente depois desta jogada, Jorge Jesus dirige-se ao fiscal de linha e profere algumas palavras que lhe valem a automática expulsão e ida para a bancada acompanhado pelo presidente Bruno de Carvalho. O jogo estava lançado. 

Posse, controlo e resolução 

A segunda parte iniciou-se com a Académica a ir mais para cima do Sporting numa tentiva de recuperar a bola enquanto Naldo e Paulo Oliveira tentavam sair com a bola em posse. Mas os leões nunca se desorganizaram e apesar de não terem o ritmo de jogo tão elevado como na primeira parte, conseguiram em certas partes do jogo revelar a calma necessária para controlar o jogo, precisamente aquilo que faltou contra o CSKA na quarta feira passada. Sem poder culpar o treinador da Académica por arriscar mais, principalmente quando tirou Obiora e meteu Hugo Seco, a verdade é que a Académica nunca conseguiu assustar o Sporting tendo as melhores ocasiões caído para os jogadores leoninos como Teo ou João Mário. 

Se este último se tem relevado no patrão da equipa no jogo ofensivo, hoje Adrien não teve nos seus dias com muitos passes falhados, para além de certas movimentações que pareceram demasiado displicentes para a qualidade que tem o capitão do Sporting. Para piorar tudo, aos 69 minutos teve nos seus pés a oportunidade de finalizar o jogo e converter uma grande penalidade, o que não veio a acontecer visto que o Adrien atirou a bola ao poste da baliza defendida por Lee. O discernimento e falta de experiência de certos jogadores do Sporting poderiam fazer tremer a equipa verde e branca mas do outro lado estava uma equipa que não possuía muito mais argumentos que a força de vontade. 

A frieza italiana 

Finalizar o jogo, era tudo aquilo que Jorge Jesus deveria querer dos seus jogadores que continuavam a dar ânimo à Académica falhando algumas oportunidades claras. Contudo, a aposta em Aquilani e Ruiz tentou dar mais força ao meio campo leonino que apenas com 2 jogadores poderia ficar despovoado. 

Foi graças ao meio campo trabalhador constituído por João Mário, Adrien e Aquilani que o Sporting conseguiu dar a última carta no jogo. Slimani sozinho frente a dois defesas da Académica entra na área e acaba por ser puxado e derrubado por Fernando Alexandre. Bruno Esteves aponta para a marca de grande penalidade e expulsa o médio Fernando Alexandre. Quando tudo fazia crer que seria novamente Adrien a converter a grande penalidade, Jesus a partir da tribuna presidencial entra em contacto com os seus adjuntos e encarrega Alberto Aquilani da conversão. O italiano, experiente como é, com calma e frieza rematou para dentro da baliza e colocou um ponto final no jogo.

O Sporting faz então 7 pontos e encontra-se no grupo dos líderes da Liga Portuguesa. A Académica que ainda não pontuou está no último lugar juntamente com o Moreirense. 

VAVEL Logo
CHAT