0-1, TEO GUTIÉRREZ, 9'; 0-2, SLIMANI, 21'; 0-3, BRYAN RUIZ, 36'
'Derby' em tons de verde: Sporting vence Benfica irreconhecível e faz História
(FOTO: César Santos/Facebook Sporting Clube de Portugal)

'Derby' em tons de verde: Sporting vence Benfica irreconhecível e faz História

A vitória sobre o Benfica por 0-3 permitiu aos pupilos de Jesus alcançar a liderança isolada e quebrar algumas estatísticas.

pedrocorreia
Pedro Correia

O grande derby deste Domingo terminou com uma vitória do Sporting por 0-3 no Estádio da Luz, diante de um Benfica irreconhecível e que pagou cara a eficácia verde-e-branca. 

O Sporting entrou melhor na partida e começou desde muito cedo a carimbar aquele que seria um resultado histórico. Aos 9 minutos, um golo madrugador do colombiano Teo Gutiérrez silenciava os adeptos da casa: um passe a rasgar vindo dos pés de Adrien (após erro defensivo dos encarnados), isolou o colombiano que, perante a saída de Júlio César, inaugurou a contenda sem problemas. 

Teo abriu o marcador na Luz. (FOTO: Reuters)
Teo abriu o marcador na Luz. (FOTO: Reuters)

Se, por um lado, um golo numa fase tão precoce do jogo já é, por si só, causador de instabilidade suficiente no adversário, por outro, o cenário podia (e acabaria) por piorar. O protagonista foi o suspeito do costume: o argelino Islam Slimani. Apenas 12 minutos depois do primeiro golo, o argelino ampliou a vantagem leonina, respondendo a um cruzamento de Jefferson com um cabeceamento certeiro ao segundo poste, num lance em que os centrais benfiquistas foram demasiado passivos e permitiram a finalização do avançado sem que este tivesse de saltar para desviar a bola para o fundo das redes. 

Slimani fez o segundo golo. (FOTO: Lusa)
Slimani fez o segundo golo. (FOTO: Lusa)

O Benfica jogava em casa, perante o seu público, mas não conseguia causar lances de perigo para a defesa dos leões, recorrendo a cruzamentos e outras jogadas que se perdiam sem constituirem uma resposta adequada à entrada extremamente eficaz dos pupilos de Jesus. Perante a desorientação da equipa orientada por Rui Vitória, incapaz de assumir o jogo e procurar a reviravolta - houve apenas um remate perigoso de Jonas, por cima da barra - a formação às ordens de Jorge Jesus -, que regressava ao estádio onde havia passado os últimos seis anos - conseguiu mesmo dilatar a vantagem, por intermédio de Bryan Ruiz

A finalização de Bryan Ruiz. (FOTO: Lusa)
A finalização de Bryan Ruiz. (FOTO: Lusa)

Aos 36 minutos do primeiro tempo, num contra-ataque letal liderado por Slimani, o argelino armou um remate fortíssimo para defesa incompleta de Júlio César e, na recarga, surgiu Ruiz, a marcar o seu primeiro golo na Liga e a estabelecer o resultado final na Luz.

Os rivais foram para o descanso com um resultado expressivo e, no mínimo, surpreendente. Rui Vitória tinha de mexer na equipa e optou por colocar Fejsa no lugar de Eliseu, mas a substituição não imprimiu as alterações necessárias e o Benfica continuava irreconhecível, sem discernimento e, a perder por 3 bolas a zero contra o rival em casa, acusava em demasia - e, à medida que o tempo passava, cada vez mais - a pressão de um derby desta dimensão.

Na segunda parte, não houve golos, mas ambas as equipas estiveram perto de o conseguir: o Sporting poderia ter chegado ao quarto, com Jefferson a falhar de forma incrível, após receber um passe de Ruiz e ultrapassar Luisão e alguma confusão na área benfiquista, e o Benfica também teve uma excelente oportunidade para marcar e relançar a partida, porém, Jiménez revelou-se incapaz de bater Patrício - que defendeu com o peito -, após ganhar a bola num duelo com Naldo, junto à bandeirola de canto.

O momento do falhanço de Jefferson. (FOTO: Lusa)
O momento do falhanço de Jefferson. (FOTO: Lusa)

O momento mais caricato da noite - e que espelha bem a desorientação dos encarnados - chegou já perto dos descontos, quando Luisão atrasou mal a bola para Júlio César e obrigou o guardião a correr para evitar, a muito custo (o brasileiro ficou queixoso no braço, na sequência do lance), o auto-golo do central de 34 anos.

Estatísticas

De um modo geral, o Sporting dominou a partida e soube aproveitar a vantagem para gerir o jogo com tranquilidade e aumentar o nervosismo do Benfica, conquistanto 3 pontos preciosos no estádio do eterno rival (8 anos depois) e, aumentando a distância pontual para as águias para 8 pontos (à condição, uma vez que o Benfica tem um jogo em atraso, devido ao adiamento do encontro com o União da Madeira), algo histórico, já que nunca havia acontecido à oitava jornada do campeonato. Note-se, contudo, que, mesmo que o Benfica tivesse vencido o jogo em atraso, a distância seria de 5 pontos para o Sporting, algo que, à oitava jornada, não acontece desde a época 1976/77. 

De resto, esta vitória verde-e-branca veio quebrar outras estatísticas: há 7 anos que o Benfica não perdia em casa por uma diferença de 3 ou mais golos, voltando a perder dois jogos consecutivos 2 anos depois. Em 12 jogos, Rui Vitória já tem tantas derrotas (5) como Jorge Jesus em 2013/14 e os dados poderiam mesmo ser piores para o treinador do Benfica: não fossem os maus resultados de Jorge Jesus nos primeiros 12 encontros em 2010/11 e o ex-treinador do Vitória de Guimarães teria o pior registo dos últimos 58 anos do clube.

O Sporting segue isolado na liderança do campeonato, com o melhor ataque da prova (17 golos) e 20 pontos, mais dois que o FC Porto, que não foi além de um empate caseiro frente ao SC Braga, orientado por Paulo Fonseca - uma jornada de sonho para o clube de Alvalade -, enquanto que o Benfica ocupa a oitava posição da tabela classificativa, com um jogo a menos.

VAVEL Logo
CHAT