Juventus e Sevilla fazem jogo truncado na Itália e não saem do zero

Espanhóis seguram italianos e levam para casa um ponto na bagagem; Lyon lidera o Grupo H

Juventus e Sevilla fazem jogo truncado na Itália e não saem do zero
Foto: Valerio Pennicino/Getty Images
Juventus
0 0
Sevilla
Juventus: Buffon; Barzagli, Bonucci, Chiellini; Daniel Alves, Khedira, Lemina, Asamoah (Pjanic, min. 68), Erva (Alex Sandro, min. 68); Dybala (Pjaca, min. 85), Higuaín. Técnico: Massimiliano Allegri.
Sevilla: Sergio Rico; Mercado, Pareja, Rami, Sergio Escudero; N’Zonzi, Kranevitter (Mariano, min. 78), Iborra; Vitolo, Vázquez (Carriço, min. 90), Pablo Sarabia (Correa, min. 64). Técnico: Jorge Sampaoli.
ÁRBITRO: Árbitro: Deniz Aytekin (ALE). Cartões amarelos: N’Zonzi (min. 36), Iborra (min. 40), Rami (min. 45+1).
INCIDENCIAS: Partida válida pela primeira rodada da fase de grupos da Uefa Champions League, realizada no Juventus Stadium, em Turim, na Itália.

Juventus e Sevilla fizeram um duelo truncado nesta quarta-feira (14), no Juventus Stadium, em Turim, em jogo válido pela primeira rodada do Grupo H da Uefa Champions League, e não saíram do zero. Os italianos quase marcaram no segundo tempo, principalmente com Gonzalo Higuaín que acertou o travessão, mas os espanhóis se seguraram e levaram um ponto na bagagem.

O resultado deixa Juve e Sevilla na segunda e terceira posição do Grupo H, ambos com um ponto. O líder da chave é o Lyon, que venceu o Dinamo Zagreb, por 3 a 0, na França. Assim, os franceses têm três pontos, enquanto os croatas estão zerados na lanterna do grupo.

Agora, Juventus e Sevilla voltam suas atenções às ligas nacionais. A Vecchia Signora protagonizará o Derby d’Itália com a Internazionale, no domingo (18), às 13h, no Giuseppe Meazza, em Milão, pela quarta rodada da Serie A. Já o time da Andaluzia vai até ao estádio Municipal de Ipurua, no sábado (17), às 13h30, enfrentar o Eibar, em combate válido pela quarta rodada da La Liga.

Equilíbrio e muita posse de bola no primeiro tempo

A bola dificilmente ficou parada no primeiro tempo. Com ideias semelhantes, embora esquemas táticos opostos, Juventus e Sevilla buscaram reter a posse de bola durante os 45 minutos iniciais.

Os visitantes sobressaiam no início da partida pelo envolvente toque de bola contra o time do técnico Massimiliano Allegri. Porém, não conseguia infiltrar a defesa bianconera. Já a Juventus foi mais objetiva e chegou por duas vezes com perigo.

Ambas as chances saíram de tabelas entre Dybala e Khedira. Na primeira chegada, Khedira finalizou rasteiro e mandou para fora; na segunda, o chute do meio-campista alemão parou nas mãos de Sergio Rico. Higuaín, Daniel Alves e Bonucci também tentaram de fora da área, mas não conseguiram tirar o zero do placar.

Por sua vez, o Sevilla teve apenas uma chance no primeiro tempo. O lateral-esquerdo Escudeiro pegou uma bola de bate-pronto da entrada da área, mas Buffon encaixou.

Iborra disputa bola com Khedira (Foto: Valerio Pennicino/Getty Images)
Iborra disputa bola com Khedira (Foto: Valerio Pennicino/Getty Images)

Higuaín manda bola no travessão; Sergio Rico segura empate

As equipes retornaram dos vestiários com a mesma postura da primeira etapa. Contudo, a Juve passou a ficar mais tempo com a posse de bola, diferentemente do que aconteceu no primeiro tempo – o Sevilla chegou a ter 67% de posse de bola contra 33% dos italianos.

Um dos jogadores mais ativos da Juventus na partida, Dybala recuava ao meio-campo para auxiliar na armação das jogadas. E foi dessa maneira que o camisa 21 forneceu um lindo passe para Daniel Alves na direita que culminou em uma cabeçada de Higuaín no travessão.

A Juventus insistia bastante pelo lado direito. O brasileiro Dani Alves infiltrava sempre que possível para cruzar à área do Sevilla. Em uma enfiada de bola rasteira de Khedira, o ex-atleta do Barcelona mandou a redonda para a pequena área e, não fosse a mão direita de Sergio Rico, Dybala teria tirado o zero do marcador.

Allegri queria explorar mais o lado esquerdo, e por isso sacou Evra e Asamoah para colocar Alex Sandro e Pjanic, respectivamente. Sampaoli, por sua vez, mexeu o funcionamento de sua equipe: trocou o 4-3-3 pelo 3-5-2 ao substituir o meio-campista Kranevitter pelo lateral Mariano.

Nos acréscimos, Sergio Rico garantiu o empate sem gols ao defender uma difícil cabeçada de Alex Sandro.