Embalado por sequência de vitórias, Criciúma vai a Goiás encarar Vila Nova na Série B
(Foto: Divulgação / Criciúma)

Nesta sexta-feira (30), Vila Nova e Criciúma se enfrentam no Estádio Olímpico Pedro Ludivico, em Goiânia. A partida que será válida pela 11ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2017 tem início às 20h30 (horário de Brasília).  

Após início conturbado na Série B, o Criciúma aproveita o bom momento na competição e tem motivos para isso. O time catarinense vem uma boa sequência de vitórias, logo que Luis Carlos Winck assumiu o comando do time. São três vitórias consecutivas e cinco jogos sem perder. O Criciúma estava na zona de rebaixamento quando o atual treinador assumiu a equipe. Hoje, o Tigre ocupa a nona posição com 14 pontos e com a melhor sequência de jogos da competição. 

Já o Vila Nova vem embalado de uma vitória em clássico. O êxito veio diante do Goiás por 2 a 0, no estádio Serra Dourada, onde o Vila era visitante. O Colorado goiano ocupa atualmente a terceira posição com 18 pontos e busca contra o Criciúma colar nos líderes. Apesar de estar bem no campeonato, a situação do clube o tribunal não é boa. Uma confusão no estádio Serra Dourada após o clássico goiano, fez com que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) interdita-se o local.   

Luiz Carlos Winck conta com reforços 

Em boa fase, Winck contará para a partida com reforços, tanto que já eram do clube, quanto os atlestas que chegaram recentemente ao clube. Os zagueiros Édson Borges, Raphael Silva e o volante Ricardinho. Os contratados são os atacantes Moisés, Alisson Farias e o zagueiro Márcio Goiano. Todos os atletas recém-chegados ao clube já estão no Boletim Informativo Diário (BID) e estão à disposição do técnico Luiz Carlos Winck. Apesar de os contratados já estarem regularizados para a partida, Winck levou apenas o atacante Alisson Farias na viagem para Goiânia. 

O período entre os jogos desde a chegada de Winck ao clube eram muito curtos. Entre uma partida e outra o intervalo era de no máximo três dias. Intervalos esses usados para trabalhar mais a recuperação física dos atletas do que a parte tática. Mesmo com a boa fase ao longo durante estes 27 dias, o treinador não teve muito tempo para pôr seus conceitos em prática. Entre a vitória contra o Paraná e o confronto contra o Vila Nova, são sete dias de folga e trabalho. Ou seja, tempo para trabalhar seus conceitos táticos. Porém, o preparador físico que chegou ao Tigre junto de Luiz Carlos Winck, Luciano Ilha, disse que ao chegar ao clube teve acesso aos números da preparação dos jogadores e que eles eram bons e que a situação encontrada por lá era muito boa: "Quando nós chegamos aqui, 26 dias atrás, tivemos acessos a números, avaliações físicas e dentro disso começamos a trabalhar e fazer alguns ajustes. Do que a gente encontrou, vimos excelentes números e chegamos à conclusão de que a diferença é mais na metodologia e agora é mais uma adaptação à maneira do Winck jogar", comentou. 

Na manhã desta quinta-feira (29), Luiz Carlos Winck comandou o último treinamento antes da viagem à Goiânia. O treinador fez um trabalho tático com os atletas, além de cobranças de falta e escanteio para treinar o ataque e a defesa. E na parte final, Winck fez um coordenou um trabalho de finaloização com os atletas. Neste último treino, o comandante já saiu de Santa Catarina com a equipe titular definida: Luiz; Diogo Mateus, Raphael Silva, Edson Borges e Diego Giaretta; Jonatan Lima, Barreto e Douglas Moreira; Caio Rangel, Lucão e Silvinho.

Retorno e interdição do STJD movimentam semana do Vila Nova

O Vila Nova que apesar de ser mandante, sediará esta partida no Estádio Olímpico Pedro Ludivico. O time goiano tem sua casa no Estádio Onésio Brasileiro Alvarenga, mas geralmente comanda seus jogos no Serra Dourada pela maior capacidade. Porém, devido à confusão de torcedores após o clássico contra o Goiás, no último sábado (23), o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu interditar o principal palco do estado.

Segundo o presidente Ronaldo Botelho Piacente, o estádio só será liberado após garantia dos clubes de que suas torcidas não acessarão o espaço da antiga geral, que já estava interditado e foi o palco da confusão. O despacho do presidente ocorreu na quarta-feira (28). Além da interdição, os dois clubes foram denunciados por descumprimento do regulamento (Art. 191, inciso III), além da não prevenção e repressão das desordem após o término da partida (Art. 213). Caso haja punição, Vila Nova e Goiás podem perder até dez mandos de campo. A punição vai desde de jogar com os portões fechados em Goiânia, até serem obrigados a jogar até 100 Km da capital, com público liberado neste caso.

Fora do Tribunal, a vida do Vila é tranquila. A equipe vem de uma vitória no clássico contra o Goiás por 2 a 0. Apesar da partida ser dentro do Estádio Serra Dourada, o Vila Nova atuou como visitante. O time do técnico Hemerson Maria está na terceira posição, com 18 pontos. O Tigrão busca se firmar ainda mais no G4 da Série B. A equipe do Vila Nova deve ser o mesmo que jogou contra o Goiás, com a exceção de um retorno.

O treinador contará com o lateral-esquerdo Gastón Filgueira, que não encarou o Goiás devido a suspensão automática no clássico. Por ter saído da equipe na última partida, o lateral entende que seu retorno não se dá como certo devido à competitividade da equipe: "Sinceramente eu não sei, o Hemerson ainda não deu a escalação, a gente respeita muito todos os companheiros e a gente tem um elenco muito qualificado. quem jogou na minha posição foi o Brunão, o Mateus também entrou bem então todos dão conta do recado. Como eu falei na minha primeira coletiva, o Vila tem um time qualificado com muitas opções e ainda estão chegando algumas peças e isso é bom pra todo mundo, e isso quem ganha é o próprio vila. Vamos esperar um provável posicionamento no treino, e aí não é comigo" , comentou.

 

VAVEL Logo