Notas; na final da Taça Guanabara, Éverton fica apagado e Vinicius Junior se destaca

Avaliação da VAVEL Brasil sobre o jogo entre Flamengo e Boavista, pela final da Taça Guanabara

Notas; na final da Taça Guanabara, Éverton fica apagado e Vinicius Junior se destaca
(Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

O Flamengo venceu o Boavista neste domingo (18) e se sagrou campeão da Taça Guanabara, o primeiro título do clube em 2018. Com um gol contra de Kadu e outro de Vinicius Jr, o Rubro-Negro garantiu a vitória e seguirá para a fase final do Campeonato Carioca com vantagem, já estando na semifinal.

Confira as notas da VAVEL Brasil para os jogadores da partida:

César – Nota 5,0: Com o Boavista atrás da linha da bola durante praticamente todo o jogo, o goleiro não foi exigido e assistiu de camarote a conquista do título.

Pará – Nota 6,0: Seguro na medida do possível. Foi pouco exigido defensivamente mas quando foi não comprometeu. No ataque, pouco criou e foi substituído no intervalo por Rodinei.

Rodinei – Nota 6,5: Com características diferentes do seu companheiro Pará, o lateral entrou no segundo tempo e deu outra dinâmica ao lado direito do Flamengo. Mais veloz e agudo, Rodinei usou bem o corredor, principalmente após o primeiro gol.

Réver – Nota 7,5: Sólido na defesa como sempre, o capitão salvou o time em pelo menos duas oportunidades. O zagueiro também participou do lance do primeiro gol ao cabecear para trás e ver Kadu marcar contra.

Rhodolfo – Nota 6,5: Regular em campo, Rhodolfo brilhou menos que seu companheiro de zaga mas ainda assim não comprometeu. Falhou em uma oportunidade mas foi salvo por Renê, que cabeceou para escanteio.

Renê – Nota 6,5: Sólido, o lateral rubro-negro cumpriu bem a função pedida por Carpegiani e até se arriscou no ataque - algo pouco comum. No primeiro tempo salvou o Flamengo após falha de Rhodolfo, no mais, não comprometeu e nem brilhou.

Cuéllar – Nota 7,5: Responsável por toda a cobertura dos meias, o colombiano mais uma vez fez uma belíssima partida. Ao contrário de quando joga com dois volantes, Cuéllar não pôde ajudar o sistema ofensivo como de costume, mas ainda assim foi importante taticamente.

Jonas – Sem nota: Entrou no fim.

Paquetá – Nota 7,5: Jogador mais incisivo no primeiro tempo. Flutuou e alternou de posição com Diego pelo meio e Éverton pela ponta esquerda. Tentou passes difíceis, jogadas individuais e ainda sobrou fôlego para ajudar na marcação. No segundo tempo foi substituído por Vinicius Jr.

Vinícius Jr – Nota 8,0: Incendiou o jogo após sua entrada. Caracteristicamente jogando pela ponta esquerda, o atacante foi chamado pela torcida e botou fogo na defesa do Boavista. Em uma das oportunidades criadas, tirou dois para dançar e em um corte tirou Kadu do jogo – o zagueiro torceu o pé após ser driblado pelo garoto. Na sequência, desviou a bola de Éverton Ribeiro e marcou o segundo gol da partida.

Diego – Nota 7,0: Jogando mais recuado do que no ano passado, o meia pareceu entender o que Carpegiani deseja. No primeiro tempo foi ofuscado pela individualidade de Paquetá e Éverton Ribeiro. No segundo tempo tentou aparecer mais, mas bem abaixo do esperado pela torcida.

Éverton Ribeiro – Nota 7,5: Iniciou muito bem a partida mas caiu ao decorrer do primeiro tempo e pouco apareceu no início do segundo. Na parte final do jogo, foi deslocado para o meio, onde voltou a aparecer bem, inclusive com uma assistência para o gol de Vinicius Jr.

Éverton – Nota 6,0: Pouco acionado e sem brilho na partida, o atacante pouco participou das jogadas de perigo do time. O camisa 22, que geralmente se destaca em decisões foi regular. Não comprometeu, mas não se destacou.

Henrique Dourado – Nota 6,5: Isolado na linha de frente e cercado por Gustavo e Kadu, o atacante rubro-negro teve algumas chances e pouco conseguiu uma bola “limpa” para finalizar. Na chance mais clara cabeceou para fora e a desperdiçou. Ficou refém de bolas dividas e alçadas na área.