Criciúma empata em casa com Tubarão e mantém alerta contra parte de baixo no Catarinense

Time do técnico Argel marca passo diante da torcida e segue de olho na distância para zona do rebaixamento; Peixe completa incríveis oito jogos sem derrota na competição

Criciúma empata em casa com Tubarão e mantém alerta contra parte de baixo no Catarinense
Foto: Divulgação / C.A. Tubarão
Criciúma
1 1
Tubarão

O Criciúma recebeu o Tubarão no clássico do Sul catarinense realizado neste domingo (11). A partida começou às 20 horas. Em jogo bastante movimentado e com chances de vitória para ambos os lados, o empate foi o placar final em 1 a 1. No primeiro tempo, Zé Carlos converteu pênalti pelos mandantes. Na etapa final, Daniel Costa deu números finais ao placar em um belo gol.

Com o resultado no clássico disputado no Heriberto Hülse, o Tubarão está em 5º lugar com 17 pontos. O Criciúma está embaixo, com 13 pontos na 7ª colocação. O Tigre está a apenas dois pontos da zona de rebaixamento, lugar de onde saiu recentemente. Caso o Inter de Lages vença o Hercílio Luz no complemento da rodada na segunda-feira, os carboneros ficam apenas um ponto acima da zona que degola.

Do lado do Peixe tricolor, incríveis oito jogos sem perder no campeonato. A última derrota no Campeonato Catarinense foi na 5ª rodada e contra um time alternativo colocado pela Chapecoense. De lá para cá, deixou a zona de baixo e mudou o endereço para o meio da tabela.

Pênaltis a favor do Criciúma, mas Tubarão reage e garante empate

No começo do jogo, o Tubarão exercia as melhores chances. Se sentiu em casa no início no estádio Heriberto Hülse. Aos 3 minutos, Batista disparou e acertou a trave, quase abrindo a contagem. Quem também chegou perto foi Marcos Vinicius, que cobrou falta, a bola desviou, passou próxima da meta e saiu em escanteio. Mas a pressão de nada adiantou. Bola na trave não altera o placar e quem teve a grande oportunidade quando acordou, foi o Tigre. Pênalti marcado aos 13 minutos.

Após a demora com a reclamação e os preparativos para a cobrança, Elvis partiu, bateu e Junior Belliato saltou para o canto direito para espalmar e manter o marcador no 0 a 0. Aos 20 minutos, porém, outra penalidade foi marcada em favor dos mandantes. Novamente o Tubarão questionou a decisão e dessa vez Belliato não evitou. Zé Carlos cobrou para abrir o placar para os carboneros.

O jogo diminuiu em ritmos de ataque, com poucas invasões às áreas e muita disputa no centro do campo. Aos 37', o Criciúma cobrou um escanteio e Nino subiu para cabecear, mas mandou pela linha de fundo. Aos 42', Mailson teve boa oportunidade, mas Belliato salvou no disparo, espalmando pelo Peixe. No apagar das luzes da etapa inicial, Marcos Vinicius tocou para Batista e o atacante novamente chutou para acertar o poste. Quase o empate tubaronense em Criciúma.

A jogada se repetia no segundo tempo. Marcos Vinicius em passe para Batista, mas a oportunidade saiu em tiro alto demais, pela linha de fundo. Do outro lado, o preferido a ser acionado era o centroavante Zé Carlos. O experiente jogador, entretanto, não teve domínio e a bola escapou para sair no fundo de campo.

O gol saiu aos 12 minutos, quando Daniel Costa chamou a responsabilidade. O meia driblou o zagueiro adversário e chutou com categoria para fazer o tento de igualdade: 1 a 1 no Heriberto Hülse. A partir daí, o jogo completamente em aberto para saber o lado vencedor. O Criciúma arriscou aos 25 minutos com Mailson, mandando alto demais. Em seguida, foi a vez de Enzo arriscar, mas Junior Belliato defendeu firme.

Em escanteio, o Tubarão chegou aos 32 minutos após tentativa de Liel. Do outro lado, o Criciúma teve o cruzamento aos 33 e Zé Carlos foi o cabeceador para jogar para fora, desperdiçando. As trocas procuravam surtir efeito e tirar o empate do marcador. O Criciúma mais empurrado pelo seu torcedor, que demonstrou bom público na noite dominical.

Aos 39 minutos, Maranhão chutou, Belliato espalmou e João Paulo perdeu a chance no rebote, para desespero dos aficionados do carbonero. Apesar da tentativa de pressionar no fim, o empate foi o decretado no sul catarinense. O clássico entre as equipes deixa o Tubarão confortável e distante da zona de baixo. O Tigre, que saiu dela com o técnico Argel, se mantém fora.