Copa do Mundo VAVEL: a história do Mundial de 1934

Copa do Mundo VAVEL: a história do Mundial de 1934

Já sob tensões políticas, a Copa do Mundo chegava pela primeira vez na Europa e mais um país anfitrião levava o título; saiba tudo sobre o segundo mundial da história

diego-luz
Diego Luz

O maior espetáculo da Terra está perto do começo. Menos de seis meses do início da Copa do Mundo Rússia 2018, a VAVEL te prepara com todas as informações das histórias dos Mundiais, e nada melhor do que voltar 83 anos no tempo, onde o mundo ainda vivia as tensões políticas que culminariam na Segunda Guerra Mundial e o futebol ainda engatinhava em todos os aspectos.

1934. Depois do sucesso da primeira edição da Copa do Mundo, no Uruguai, as equipes voltaram a se reunir em um país-sede afim de saber qual a nação mais poderosa no esporte que começava a dominar o planeta.

A Itália foi o país escolhido após muita discussão política na já existente e polêmica Fifa. Diferente de quatro anos antes, o Mundial foi organizado com países classificados e não convidados. Até por isso, e divergências políticas, o atual campeão Uruguai foi ausente na competição.

Regras muito diferentes

O Mundial de 34 foi pioneiro em vários aspectos. A começar pela forma de classificação. 34 países se candidataram ao torneio, mas apenas 16 entraram. O Uruguai, campeão em 30, ficou de fora e é até hoje o único país campeão anterior a não participar de uma Copa seguinte.

Outro país expressivo que ficou de fora foi a Inglaterra. Numa represália à Fifa, preferiu não disputar, preferindo dar atenção aos torneios e futebol local. Já a Itália, mesmo sede do evento, teve de se classificar, também sendo a única nação-sede que precisou de uma eliminatória antes dos jogos.

Dos 16 países, três foram da América do Sul. Brasil e Argentina entraram sem precisar de um jogo classificatório. Entre África e Ásia, apenas um país (Egito) e as outras 12 equipes foram europeias.

No final, os participantes foram Itália, Brasil, Argentina, EUA, Egito, Alemanha, Espanha, Holanda, Hungria, Tchecoslováquia, Suécia, Áustria, Romênia e Suíça.

Sem fase de grupos, o Mundial já começou diretamente nas oitavas-de-final e é a única onde os oito melhores foram todos europeus. O cenário era bem diferente do conhecido atualmente.

Itália, o início da potência

Sediando e já com sinais do gigantismo no futebol, a Itália utilizou a força de sua torcida, o exagerado nacionalismo político com o fervente fascismo de Benito Mussolini e o ídolo eterno Giuseppe Meazza para conquistar seu primeiro título.

Sim, Giuseppe Meazza é o personagem que dá nome ao templo do futebol San Siro, casa de Inter e Milan. E também foi o principal nome da competição, regendo o meio-campo italiano ao título.

Com uma campanha de quatro vitórias, um empate (o empate levava o duelo ao jogo-extra no dia seguinte), com 12 gols feitos e apenas três sofridos, a Itália sobrou e venceu a Copa após bater a então Tchecoslováquia por 2 a 1 na prorrogação.

Meazza foi eleito o melhor jogador da competição e começava colocar de vez seu nome entre os deuses do futebol.

Não foi dessa vez, Brasil

Mesmo sendo o único país a participar de todas as Copas, a Seleção coleciona alguns fracassos. Em 1934, o Brasil repetiu o fiasco de quatro anos antes.

Em 1930, uma briga entre cariocas e paulistas dividiu o time nacional. Só que dessa vez a briga foi entre profissionais e amadores. A CBD (Confederação Brasileira de Desportos) condenava o profissionalismo e deixou de convocar vários bons nomes e nem Leônidas, o mais conhecido naquele time, deu conta. 

Foi apenas um jogo. Logo nas oitavas, diante da forte equipe espanhola, o Brasil sofreu e não se encontrou técnica e fisicamente. Uma viagem de 15 dias de navio fez jogadores perderem condição física e entrarem com apenas um treinamento em solo italiano.

Sem nenhum jogo de preparação, com nove atletas do Botafogo e mais um vexame na conta o Brasil logo deu adeus ao Mundial após a derrota por 3 a 1. Leônidas marcou para a Seleção, enquanto Iraragorri e Lángara marcaram para os espanhóis.

As sedes italianas

Mesmo mais de 80 anos depois, muitos dos locais que sediaram o Mundial de 34 seguem em pé. Foram oito cidades ao total espalhadas pelo território italiano: Bolonha, Nápoles, Milão, Roma, Florença, Gênova, Turim e Trieste.

Há várias curiosidades. Em Milão, o San Siro foi palco das partidas e segue até hoje vivíssimo. Em Bolonha, o Stadio Littoriale foi rebatizado para Renato Dall'Ara e é casa do Bologna FC 1909.

Em Nápoles, o Stadio Giorgio Ascarelli foi erguido para a Copa e cabia 20 mil pessoas, mas não resistiu aos eventos da 2ª Guerra Mundial e acabou demolido no conflito.

Em Florença, o Stadio Giovanni Berta virou o tradicional Artemio Franchi, casa da gigante Fiorentina e levava o nome de um mártir fascista.

Em Gênova, o Stadio Luigi Ferraris foi erguido com o nome do capitão italiano e herói de guerra. Atualmente é casa do Genoa e Sampdoria e foi reformulado para a Copa de 90.

Em Turim, a sede com mais mudanças. Construído para o Mundial de 34, o Stadio Benito Mussolini recebeu o nome do ditador fascista, mudando para Stadio Comunale após a 2ª Grande Guerra. Até 1990 era casa dos grandes Torino e Juventus, quando o Dele Alpi foi construído. Sofreu muitas mudanças estruturais após as Olimpíadas de Inverno 2006, reformado e renomeado para Estádio Grande Torino, em homenagem ao grande time da cidade, vitimado por um desastre aéreo.

Em Trieste, a menor sede. O Stadio Littorio só recebia 8 mil pessoas e logo foi demolido, recebendo apenas um jogo na Copa.

Mas foi em Roma que a final se decidiu. O polêmico Stadio Nazionale del Partito Nazionale Fascista foi casa de vários jogos da Copa e da grande decisão. Após o Mundial recebeu os rivais Lazio e Roma, até ser demolido em 1953 dando lugar ao Estádio Flamínio. Atualmente sedia partidas de rugby.

Artilheiro

Oldřich Nejedlý, da Tchecoslováquia, foi o artilheiro do segundo mundial realizado. Com cinco gols, ajudou seu país a ser vice-campeão, perdendo apenas para a anfitriã Itália. Foi uma das grandes estrelas do futebol nos anos 30 e atuou também na Copa de 38.

Seu clube foi o Sparta Praga, onde anotou 161 vezes em 187 partidas. Faleceu em 1990.

A surpresa

Mesmo cabeça-de-chave, a Áustria surpreendeu e terminou a competição como 4ª colocada, mandando pra casa a forte seleção da Hungria.

Johann Horvath foi o grande destaque individual, fechando o torneio como artilheiro da equipe com dois gols.

Decepção

Antes forte no futebol, a Hungria era grande esperança de bom futebol. A vitória tranquila contra o Egito por 4 a 2 aumentou as expectativas, mas foi surpreendida contra a Áustria, nas quartas-de-final, perdendo por 2 a 1.

Chave do torneio

Oitavas-de-final

Itália 7 x 1 EUA
Espanha 3 x 1 Brasil

Áustria 3 x 2 França
Hungria 4 x 2 Egito

Tchecoslováquia 2 x 1 Romênia
Suíça 3 x 2 Holanda

Alemanha 5 x 2 Bélgica
Suécia 3 x 2 Argentina

Quartas-de-final

Itália 2 x 1 Espanha
Áustria 2 x 1 Hungria

Tchecoslováquia 3 x 2 Suíça
Alemanha 2 x 1 Suécia

Semifinais

Itália 1 x 0 Áustria
Tchecoslováquia 3 x 1 Alemanha

Disputa de terceiro lugar
Áustria 2 x 3 Alemanha

Final

Itália 2 x 1 Tchecoslováquia

VAVEL Logo

    Seleção Brasileira Notícias

    há 14 dias
    há 14 dias
    há 15 dias
    há 14 dias
    há 18 dias
    há 18 dias
    há 18 dias
    há 18 dias
    há 20 dias
    há um mês
    há 2 meses