Sérgio Manoel: de Xique-Xique para a eternidade

Volante começou a carreira no interior de São Paulo, chegou a um clube grande em 2012 e impressionou Tite anos antes da tragédia

Sérgio Manoel: de Xique-Xique para a eternidade
Sérgio Manoel: de Xique-Xique para a eternidade

Responsável por colocar no mapa do futebol a pequena cidade de Xique-Xique (BA), localizada à margem do Rio São Francisco, Sérgio Manoel vivia uma temporada dos sonhos junto com toda Chapecoense. O volante de 27 anos foi uma dos 71 mortos no acidente em Antioquia, na Colômbia. Formado nas categorias de base do Nacional-SP, Sérgio teve a carreira interrompida após passar por nove clubes antes de chegar na Chape.

Sérgio Manoel levou a carreira em São Paulo até 2012

Em 2005, Sérgio Manoel Barbosa Santos despontava para o futebol nas categorias de base do Nacional-SP e lá ficou até 2009, quando subiu para a equipe profissional do Ferrinho, como é conhecido o clube. Ainda em 2009, o volante foi para o Atlético de Araçatuba-SP, onde ficou até 2010, quando se transferiu para o Batatais. Sérgio ficou na equipe mogiana por um ano até se transferir para o Rio Preto em 2012. Na equipe, o volante disputou vinte jogos e anotou quatro gols.

Depois do alviverde, o jogador foi para o Mirassol. No Leão, com 28 jogos e três gols, Sérgio participou das boas campanhas da equipe, que culminou na 7ª posição no Paulistão e o 6º lugar no Brasileirão Série C. 

Em subida rápida, Manoel chegou a ser observado por Tite

Em 2012, Sérgio Manoel enfim saiu de São Paulo. Antes disso, chegou a impressionar Tite em uma partida do Mirassol contra o Corinthians. O volante foi emprestado ao Coritiba, onde ficou por dois anos. No Coxa, o atleta não marcou gol e chegou a se destacar, mas saiu em baixa dos parananeses, em 2014. 

Ainda em 2014 até o início de 2016, Sérgio jogou por Paysandu, Atlético-GO e Água Santa-SP, estando presente no 4 a 1 sobre o Palmeiras, mas não marcou novamente em 25 jogos. Após o Campeonato Paulista, o volante foi para a Chapecoense disputar a Sul-Americana e o Brasileirão. Com 26 jogos, alguns começando na reserva, ele marcou dois gols importantes na campanha da Chape no campeonato nacional, contra Vitória e Botafogo, e disputaria a final da Sul-Americana contra o Atlético Nacional.

Feliz por estar livre das lesões que tanto o atormentaram nos últimos anos, o volante terá seu nome marcado na história do futebol mundial e jamais será esquecido. Descanse em paz, Sérgio Manoel!