Grafite dá show e Santa Cruz atropela Vitória no clássico nordestino em retorno à Série A

Depois de dez anos fora da elite, Cobra Coral reestreia com o pé direito e despacha Leão no Arruda; rubro-negros agora focam na Copa do Brasil

Grafite dá show e Santa Cruz atropela Vitória no clássico nordestino em retorno à Série A
Foto: Antônio Melcop/Santa Cruz
Santa Cruz
4 1
Vitória
Santa Cruz: Tiago Cardoso; Vitor, Neris, Danny Morais e Tiago Costa; Uillian Correia, Wellington Cézar, Arthur (Wallyson, min. 62), Fernando Gabriel e Keno (Alemão, min. 88); Grafite (Bruno Moraes, min. 77. Técnico: Adriano Teixeira (interino)
Vitória: Fernando Miguel, José Welison, Victor Ramos, Ramon e Diego Renan; Amaral, Marcelo (Alípio, min. 71), Tiago Real e Leandro Domingues (David, intervalo); Vander (Willian Henrique, intervalo) e Kieza. Técnico: Vágner Mancini
Placar: 1-0, Grafite, min. 27; 2-0, Grafite, min. 43; 2-1, Kieza, min. 79; 3-1, Fernando Gabriel, min. 84; 4-1, Keno, min. 86
ÁRBITRO: Pablo dos Santos Alves (PB). Cartões amarelos: Wellington Cézar (min. 1), Grafite (min. 44) e Tiago Cardoso (min. 81)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 1ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016, disputada no Arruda, em Recife, Pernambuco

Santa Cruz enfim reestreou no Campeonato Brasileiro, depois de exatos dez anos afastado. Em partida na manhã deste domingo (15), no Arruda, o Mais Querido mostrou superioridade dentro de campo e atropelou o Vitória por 4 a 1, com gols de Grafite, ambos marcados no primeiro tempo, do estreante Fernando Gabriel KenoKieza, na etapa final, descontou.

Com o resultado positivo, os pernambucanos ficam provisoriamente na 2ª posição, somando os três primeiros pontos no campeonato e à frente dos adversários de mesma pontuação por marcar mais gols. Os baianos, contudo, ocupam a 19ª colocação, ainda sem pontuar e em vantagem sobre o Atlético-PR por ter ido às redes.

Os times voltam a campo, pela 2ª rodada do Brasileirão, no próximo fim de semana. Enquanto os tricolores vão até Volta Redonda duelar com o Fluminense no Raulino de Oliveira no próximo sábado (21), às 18h30, os rubro-negros receberão o Corinthians, no Barradão, às 16h do domingo (22). Os leoninos, porém, recebem antes a Portuguesa na próxima quinta-feira (19), às 21h30, no confronto de volta da segunda fase da Copa do Brasil.

Grafite marca golaços e deixa Santa em vantagem

Partida de estreia e um clássico regional. Foi com esse panorama que Santa Cruz e Vitória começaram a participação na Série A. Apesar de fora de casa, foi o rubro-negro que começou pressionando e levando perigo no jogo. Antes mesmo dos dez minutos, deu um susto a Tiago Cardoso. Após cruzamento da direita, Kieza se antecipou à marcação e completou, mas não conseguiu mandar para o gol.

Seguindo na pressão, mesmo longe de seus domínios, o Leão voltou a assustar os corais. Wellington Cézar cortou mal e a bola caiu no pé de Kieza, que não teve espaço para finalizar. O rebote, porém, ficou com Leandro Domingues, que foi travado na finalização e perdeu chance clara de abrir o placar.

Equilibrando mais o duelo, o Mais Querido mostrou que estava vivo em casa e marcou uma verdadeira obra de arte no Arruda. Depois de receber livre dentro da pequena área, Grafite driblou todo o sistema defensivo adversário e, frente a frente com Fernando Miguel, só teve o trabalho de tocar para o fundo do barbante, abrindo o placar.

Na reta final, os baianos criticaram um pênalti não marcado. Diego Renan levantou bola na área e Vander, que após surgir por trás da marcação, se chocou com Tiago Cardoso, entretanto a arbitragem não marcou nada. Depois, a Cobra Coral teve oportunidade de ampliar a vantagem. Depois de ganhar no campo de defesa, Keno disparou em velocidade, passou por José Welison e saiu de cara para o arqueiro do time visitante, contudo bateu mais forte que o necessário e mandou para fora.

Logo depois, o camisa 23 tricolor demonstrou faro de gol mais uma vez e voltou a balançar as redes. Depois de levantamento na pequena área, a zaga leonina dormiu no ponto e o centroavante, ao cabecear, tirou do alcance do goleiro e marcou mais um gol. O tento, assinalado nos últimos minutos, deu números finais à etapa final.

Vitória dá susto no fim, mas Santa confirma triunfo com goleada

Para a etapa final, Vágner Mancini optou por fazer duas mudanças afim de corrigir os erros ofensivos de sua equipe. Os meias Vander e Leandro Domingues, que pouco foram criativos durante todos os 45 minutos iniciais, deram lugar aos companheiros de posição David e William Henrique, tentando também dar mais mobilidade ao setor.

Mesmo com o placar a seu favor, o Mais Querido administrou bem a vantagem e seguiu procurando espaços no sistema defensivo do Leão da Barra para fechar de vez o caixão adversário. Apesar de rodar a bola para furar o bloqueio, os corais não conseguiram ser criativos o suficiente e fizeram a defesa leonina segurar os ímpetos.

Para renovar o gás ofensivo, o interino Adriano Teixeira optou pela entrada do meia-atacante Wallyson por Arthur, que saiu reclamando de dores. No primeiro lance que teve em campo, Wallyson resvalou para o camisa 23, que chutou forte e Ramon surgiu para afastar. Em seguida, o centroavante virou garçom depois de dar uma caneta em Diego Renan e mandou ao velocista, que se atrapalhou sozinho e não finalizou.

Dois minutos depois, os rubro-negros demonstraram persistência e diminuíram a desvantagem. Alípio cobrou falta na barreira e a bola ficou com Diego Renan, que também tentou arrematar, mas parou em Tiago Cardoso. No rebote, no entanto, Kieza foi eficaz e estufou o barbante.

Apesar do susto, os tricolores não deixaram o jogo ficar truncado e confirmaram uma sonora goleada para a torcida fazer a festa. Keno fez jogada individual e cruzou na pequena área, Ramon escorregou e o estreante Fernando Gabriel, atento, tocou para o fundo das redes. No minuto seguinte, o camisa 11 coral fez outro bom lance sozinho e acabou sendo derrubado por José Welison, com o árbitro apontando para a marca da cal. O próprio Keno arrematou com força, Fernando Miguel não segurou e viu a pelota morrer depois da linha.

No último suspiro, mesmo debaixo de um sol forte, os baianos ainda assustaram a meta pernambucana. O lateral Diego Renan arriscou de fora da área e, sem contar com desvio durante a trajetória, beijou a trave, sendo insuficiente para que os visitantes voltassem a marcar na partida e com o duelo tendo números finais.