Porsche apresenta 919 Hybrid 2016
(Fotos: Porsche AG)

A Porsche revelou na manha desta quarta (23) a versão 2016 do 919 Hybrid, LMP1 que irá disputar o Mundial de Endurance e as 24 horas de Le Mans.

O protótipo que vem evoluindo desde 2014 tem um “powertrain” ainda mais eficiente, a aerodinâmica foi adaptada para os todos os circuitos do WEC além de ter redução de peso em várias partes."Com mais de 900 cv, estamos prontos para a defesa do título", disse Fritz Enzinger, Vice-Presidente LMP1.

Além das mudanças técnicas a cores da nova versão também mostram uma evolução. No seu ano de estréia de 2014, o 919 era branco e exibia a alegação "Porsche Intelligent Performance". As primeiras letras deste slogan também foram usadas em 2015 com três cores destinatas branco, vermelho e preto. Em 2016, todas as três cores se fundem em um novo design.

A numeração dos carros também muda. A Porsche ganhou o título Mundial de construtores com Timo Bernhard, Brendon Hartley e Mark Webber. Além da conquista do título de pilotos, podendo ostentar o #1. O segundo carro de Romain Dumas, Neel Jani e Marc Lieb vai estampar o #2.

As características do novo 919 não param por ai. Pela primeira vez Porsche explora plenamente as regulamentações do WEC com a implantação de três pacotes aerodinâmicos diferentes para fazer o melhor em determinados tipos de traçado. Três especificações aerodinâmicas são o máximo permitido pelo regulamento.

O peso do motor turbo de quatro cilindros, bem como o seu consumo de combustível, pode ser ainda mais reduzido. Os dois sistemas de recuperação de energia da unidade híbrida foram melhorados em termos de eficiência. Para 2016, os componentes do acionamento elétrico tornaram-se ainda mais poderosos e eficientes. Isso se aplica a um motor otimizado, elétrico no eixo dianteiro, uma nova eletrônica, além de uma nova geração de células de bateria de íon de lítio.

Um novo eixo dianteiro permite mais opções de set-up, enquanto o desenvolvimento de pneus ajudou a otimizar o desempenho do carro.

O 2016 Porsche 919 híbrido em detalhes:

A estrutura do chassi permanece inalterada, assim como o conceito de carro híbrido com um motor V4 turbo a gasolina além dos dois sistemas híbridos diferentes (energia da frenagem do eixo dianteiro e energia de escape). Desde o início, para a temporada de 2014, Porsche este conceito. O primeiro carro mostrou um potencial excepcional, especialmente em termos de peso, e é por isso que um novo carro para 2015 foi construído. Para 2016, há menos necessidade de mudar e Porsche está se beneficiando da estabilidade dos regulamentos.

Os regulamentos do WEC apoiam os sistemas híbridos:

Os regulamentos para a categoria LMP1 obrigam os fabricantes a usar sistemas híbridos e estabelecer uma ligação direta entre o desempenho e a eficiência energética. Isto significa que uma grande quantidade de energia oriunda dos sistemas de recuperação podem ser usado. Isso implica em uma redução proporcional na quantidade permitida de combustível por volta.

O WEC permite aos engenheiros um grande grau de liberdade em termos dos conceitos de propulsão híbridos. As equipes podem escolher entre motores diesel e gasolina, motores naturalmente aspirados ou turbinados, vários deslocamentos, e um ou dois sistemas de recuperação de energia. Esta fórmula coloca o foco em inovações com alta relevância para futuros carros desportivos de produção, e esta foi a principal razão pela qual Porsche decidiu voltar ao mundo do automobilismo.

V4-turbo com injeção direta:

A eficiência de combustão e preparação do motor V4 turbo a gasolina de 2 litros, montado no eixo traseiro, aumentou ainda o trabalho dos engenheiros de desenvolvimento da produção em Weissach. Montado a 90 graus o motor teve uma redução de peso. Na última temporada, a potência do motor de combustão foi acima de 500 hp. Mas os regulamentos de 2016 estipulam uma menor quantidade de energia a partir deste motor, além de reduzir o fluxo de combustível.

Desta forma, os regulamentos impedem que os LMP1 sejam cava vez mais rápidos, mas ao mesmo tempo testem a capacidade dos engenheiros para gerar mais energia com menos combustível.

Assim a versão 2016 do 919 consome 8% a menos de combustível do que o carro do ano passado.Em outras palavras: dez megajoules a menos de energia por volta em Le Mans. O que custa cerca de quatro segundos nos 13,629 quilômetros do circuito. Através das novas restrições, o motor de combustão ficou com menos de 500 hp.

Dois sistemas de recuperação de energia:

A energia cinética produzida no eixo dianteiro durante a frenagem é convertida em energia elétrica. O segundo sistema de recuperação está instalado no colector de escape, onde o fluxo de gases do escape da turbina aciona uma segunda em paralelo com o turbocompressor.

Ele utiliza o excesso de energia a partir da pressão de escape que, de outro modo escaparia pelo meio ambiente. A tecnologia utilizada é  a variável da adaptação da geometria da turbina gerada pela pressão dos gases do escapamento. Ela aciona as turbinas, mesmo a baixas rotações do motor e de baixa pressão.

A turbina adicional está ligada a um gerador eléctrico. A eletricidade produzida - juntamente com aquela gerada pelos KERS no eixo dianteiro - é temporariamente armazenada em células de bateria de lítio. Quando o piloto aciona o sistema, potência adicional de mais de 400 hp que liberada. Esta energia é aplicada no eixo dianteiro pelo motor elétrico, e transforma temporariamente a 919 em um carro de tração integral com alimentação do sistema de cerca de 900 hp. Para cada circuito, a equipe trabalha no desenvolvimento de estratégias para otimizar este sistema

Bateria de lítio para armazenamento de energia:

Os regulamentos do WEC permitem os engenheiros muita margem no que diz respeito ao meio de armazenamento de energia: volantes e mega capacitores foram utilizados inicialmente pelas equipes. Para 2016, todos eles estão seguindo o exemplo de utilizar baterias, o mesmo usado no 919. Outra decisão fundamental foi o de alta tensão de 800 volts. Este tecnologia foi desenvolvida e está exposta no conceito Mission E.

Aulas de energia no WEC:

Os regulamentos dão as equipes opções de nível de recuperação de energia que vão de 2 a 8 Mega Joules. O cálculo é baseado na volta do circuito de Le Mans 13,629 quilômetros, e é ajustado para as outras oito circuitos do calendário. O alto nível de eficiência do motor de combustão, os sistemas de recuperação e armazenamento de energia do Porsche em 2015 estavam na casa dos 8 MJ.

Nesta categoria mais elevada recuperação, um dispositivo medidor de vazão instalado pela FIA irá limitar a quantidade permitida de combustível por volta de 4.31 litros. Os engenheiros também tem que levar em conta o fato de que os mais potentes sistemas de recuperação e armazenamento de energia são, maiores e mais pesados que eles tendem a ser.

Energia / uso de combustível fórmulas para uma volta em Le Mans * (13,629 km):

2 megajoules de energia recuperada = 4,70 litros de gasolina = 3.70 litros de diesel

4 megajoules de energia recuperada = 4,54 litros de gasolina = 3,58 litros de diesel

6 megajoules de energia recuperada = 4,38 litros de gasolina = 3,47 litros de diesel

8 megajoules de energia recuperada = 4,31 litros de gasolina = 3,33 litros de diesel

* Válida a partir de 2016/01/01 até e incluindo a Le Mans 2016

Chassis com segurança:

Tal como na Fórmula 1, o Porsche 919 híbrido é um monocoque com um “sauduiche” de fibra de carbono, montado em uma única unidade. O monocoque, motor de combustão e a transmissão asseguram a rigidez ideal. Enquanto o motor V4 preenche uma função de suporte de carga no interior do chassis, a caixa de velocidades sequencial de 7 velocidades hidraulicamente operado feita de alumínio é montado em uma estrutura de carbono.

Para 2016, a caixa de velocidades e sua montagem permanecem idênticos a 2015. O foco para o desenvolvimento da caixa de velocidades foi na redução de peso.

Eixo dianteiro novo, forte desenvolvimento de pneus:

Para a condução, equilíbrio, tração, aderência e opções de setup, o Porsche 919 híbrido recebeu um novo eixo dianteiro e um eixo traseiro optimizados para 2016. Após testes em fevereiro, um aumento no desempenho por parte dos pneus é esperado.

Aerodinâmica eficiente para cada pista de corrida:

Porsche tomou uma abordagem em três frentes para melhorias aerodinâmicas. Em 2015 a equipe competiu na primeira etapa em Silverstone com um setup de baixo downforce. Para 2016 o 919 vai começar a temporada com um pacote de alta pressão aerodinâmica. Para Le Mans, terá configuração de baixo downforce e terá um outro pacote de alta pressão aerodinâmica para as seis corridas  seguintes. Os regulamentos proíbem mais de três configurações aerodinâmicas por ano.

VAVEL Logo