Superliga 2016/17 na VAVEL: Vôlei Nestlé

Equipe paulista foi semifinalista na temporada passada; com reforços, espera ao menos repetir a boa campanha

Superliga 2016/17 na VAVEL: Vôlei Nestlé
Arte VAVEL Brasil

Depois de alguns anos conhecido como Osasco, o clube paulista de voleibol feminino teve seu nome alterado para Vôlei Nestlé na última temporada pelo seu grande patrocinador, a Nestlé, que está com o time desde a temporada 2009/10.

Uma novidade é o lançamento do programa “Nutrindo os Sonhos dos Jovens” que chegou ao Brasil no final do ano passado. A ideia é ajudar na formação de jovens talentos que possam ser integrados à equipe principal, possibilitando o desenvolvimento dos jovens e a renovação constante do time.

Contratações

Como é normal em troca de temporada, o elenco teve algumas alterações. Foram cinco contratações para a disputa da Superliga Feminina, com destaque para Tandara, ex-Minas. Além dela, também vieram Carol Albuquerque, Bruna Neri, Clarisse e Paula Borgo. O treinador da equipe, apesar das mudanças, segue sendo Luizomar Moura.

Mais importante do que as novas contratações, foram as manutenções das grandes jogadoras da equipe. É o caso de jogadores da seleção brasileira, como Camila Brait e Dani Lins. A ideia da equipe é incluir ainda três jogadoras jovens no elenco para dar experiência.

Confira o elenco do Vôlei Nestlé para a temporada 2016/17: Dani Lins (levantadora), Carol Albuquerque (levantadora),  Camila Brait (líbero), Tandara (ponteira), Gabi (ponteira), Saraelen (central), Bia (central), Paula (oposta), Nati Martins (central), Clarisse (ponteira) e Bruna Neri (ponteira).

A temporada

No ano passado, a campanha do Vôlei Nestlé Osasco foi muito boa. A equipe terminou a fase classificatória em quarto lugar, atrás apenas dos finalistas Praia Clube e Rio de Janeiro, além do também semifinalista Minas. Foram 16 vitórias (sendo onze por 3 sets a 0) e apenas seis derrotas.

Na fase final, a equipe paulista enfrentou o Brasília e passou sem sustos: duas vitórias por 3 sets a 0. Na semifinal, porém, caiu diante do Rio de Janeiro, atual campeão da competição, mas dando muito trabalho. Venceu a primeira partida por 3 sets a 2, porém não conseguiu repetir a vitória jogando fora de casa e tomou a virada. As cariocas tinham perdido apenas uma partida na fase classificatória.

Para essa temporada, com os reforços e a manutenção das principais jogadores, o Vôlei Nestlé sonha alto. Repetir ou ter uma melhor campanha da primeira fase e voltar para as semifinais. O objetivo é brigar pelo título, ainda que seja difícil bater os favoritos de sempre.