Brasil para em Ngapeth, sucumbe à França na decisão da Liga Mundial e adia sonho do deca

Seleção Francesa conquistou a segunda Liga Mundial de sua história, ambas em solo brasileiro - a primeira foi no Rio de Janeiro, em 2015

Brasil para em Ngapeth, sucumbe à França na decisão da Liga Mundial e adia sonho do deca
Foto: Divulgação/ FIVB
Brasil
2 3
França
Brasil : WALLACE, BRUNINHO, MAURÍCIO SOUZA, LUCÃO, LUCARELLI E MAURÍCIO; LÍBERO: THALES. Técnico: Renan Dal Zotto.
França : BOYER, LE ROUX, N'GAPETH, CLEVERNOT, TONIUTTI, CHINENYEZE; LÍBERO: GREBENNIKOV.
Placar: 1-0, 25/21 ||| 1-1, 15/25 ||| 1-2, 23/25 ||| 2-2, 25/19 ||| 2-3, 13/15.
ÁRBITRO: FABRIZIO PASQUALI E DENNY CESPEDES.
INCIDENCIAS: DECISÃO DA LIGA MUNDIAL DE VÔLEI, SENDO DISPUTADA NA ARENA DA BAIXADA, EM CURITIBA (PR).

A  Seleção Brasileira Masculina não conseguiu quebrar seu jejum de conquistas na Liga Mundial de Vôlei. Na madrugada deste domingo (9), na Arena da Baixada, em Curitiba, a equipe foi superada pela França por 3 sets a 2, com parciais de 25/21, 15/25, 23/25, 25/19 e 15/13, e amargou o vice-campeonato pela sétima vez. 

Os 23 mil torcedores que compareceram à Arena da Baixada viram a Seleção Brasileira sair na frente, mas se perder nos dois sets seguintes. Com o apoio da torcida e o crescimento de Wallace e Lucarelli (22 pontos cada), o time comandado por Renan Dal Zotto fechou o quarto set, levando a decisão para o tie-break. Mas com um show de Earvin Ngapeth, que marcou 29 pontos, os franceses tiveram frieza para fechar o set e conquistar o título. 

Com a conquista, a França chegou ao seu segundo título da Liga Mundial, igualando-se aos Estados Unidos. O Brasil é o maior vencedor do torneio, com nove troféus (1993, 2001, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2009 e 2010). A Itália vem em seguida, com oito conquistas. A Rússia tem três medalhas de ouro. Cuba, Sérvia, Polônia e Holanda completam o quadro de vencedores, com uma conquista cada. 

Brasil é instável em quadra e adia sonho pelo decacampeonato da Liga Mundial

O primeiro ponto do jogo foi de Wallace, em uma pancada após a bola voltar para a quadra brasileira. O que se viu nos pontos seguintes foi uma alternância na liderança do placar. Wallace usou o bloqueio para fazer 19 a 16, a maior diferença do jogo, até então.

A França tentou forçar o saque, mas a estratégia não teve êxito. Bem posicionado, Bruninho conseguia distribuir bem as jogadas. Maurício Souza, com 100% de eficiência no ataque, era uma das armas. Mas além de atacar bem, o Brasil conseguiu encaixar o bloqueio, o que foi determinante para a vitória no set: 25 a 21.

Se no primeiro período o saque francês não havia entrado com facilidade, o mesmo não se pôde dizer do segundo set. Com frieza, o time europeu foi para o primeiro tempo técnico com cinco pontos de vantagem: 8 a 3. A vantagem aberta foi ampliada e administrada até o fim do período. Assim como aconteceu em todos os segundos sets que disputou nesta fase final da Liga, o Brasil acabou derrotado: 25 a 15.

Com a moral baixa, a Seleção verde e amarela não voltou bem para o terceiro período. A França abriu 10 a 6 e parecia estar mais perto de fechar o set. Mas, com o apoio da massa brasileira presente no estádio do Atlético-PR, o Brasil forçou o saque, diminuiu a vantagem francesa, entrou novamente na partida, mas não adiantou. Com precisão no saque, e liderada por Ngapeth, a França venceu o terceiro set: 25 a 23.

Pressionado com a necessidade da vitória, a Seleção Brasileira usou a força de seu saque para chegar no primeiro tempo técnico com 8 a 3. Wallace e Lucarelli, principais jogadores do Brasil nesta fase final, cresceram no jogo.

O bloqueio bem encaixado foi fundamental para os donos da casa chegarem ao 20º ponto com cinco de vantagem. O técnico francês parou o jogo, rodou o time, mas no embalo da torcida, o Brasil fechou o set, levando o jogo para o tie-breack: 25 a 19.

(Foto: Divulgação/ FIVB)
(Foto: Divulgação/ FIVB)

Os três primeiros pontos do Brasil na etapa de desempate foram marcados por Lucarelli, virando bolas sensacionais. O Brasil abriu 7 a 4, mas com Ngapeth virando na entrada de rede, a França empatou e virou a partida, fazendo 12 a 11. Os franceses não se intimidaram com a torcida brasileira, e, no momento decisivo do jogo, abriram dois pontos de vantagem. No primeiro match point, Boyer sacou na rede. Mas no segundo, não houve desperdício: 15 a 13.

Vôlei