Entrevista VAVEL (parte 2): Rui Capela

Entrevista VAVEL (parte 2): Rui Capela

Nesta segunda parte da entrevista concedida a VAVEL, Rui Capela continua a debruçar-se sobre vários temas relacionado com a sua carreira, assim como vários talentos com que se deparou em fase inicial.

rafaelreis
Rafael Reis

* Continuação da entrevista VAVEL ao treinador português Rui Capela, que esteve à conversa com o repórter Rafael Reis.

Rafael Reis: Mais importante, já conseguiu resultados em locais completamente diferentes…

Rui Capela: Sim, é muito complicado ganhar em qualquer lugar, muito, muito complicado mesmo, trabalhar já é difícil, imagine-se ganhar!

Rafael Reis: Para trás deixou o Bangladesh, onde terá sido o primeiro técnico português em funções. Como foi trabalhar num país tão remoto?

Rui Capela: Foi uma experiência positiva, trabalhei no maior e mais titulado clube do Bangladesh. Ganhei a Taça do país, a Independence Cup e fiz a melhor classificação dos últimos anos.

Rafael Reis: Porque motivo deu por terminado o projecto?

Rui Capela: O clube vive numa grande instabilidade, não me garantia fazer um trabalho positivo, por isso resolvi não renovar o contrato.

Rafael Reis: Como classifica o nível do futebol do Bangladesh?

Rui Capela: Um futebol a dar passos positivos com algumas equipas a contratar estrangeiros com alguma qualidade, caminhando lentamente para um nível médio, podemos considerar que existem sempre 5 candidatos ao titulo e outras 5 equipas jogam para não descer de divisão, Campeonato Nacional de 10 equipas com Taça e Supertaça.

Rafael Reis: Ficou conhecido pelo trabalho que desenvolveu no Paraguai. Espera voltar a trabalhar nesse país?

Rui Capela: Sim, foi um trabalho e uma experiência fantástica um país que me acolheu bem, uma cidade onde gostei de trabalhar e mais importante foi um projecto ganhador. deixei a porta aberta, quem sabe um dia voltarei a trabalhar no país.

Rafael Reis: Continua a acompanhar os talentos paraguaios com que se deparou e depois passaram a jogar na Europa? Um desses talentos é o Mauro Caballero, que continua em Portugal, emprestado pelo FC Porto ao Desp. Aves. Acredita que pode vir a ser útil?

Rui Capela: Gostei desse jogador quando estava ao serviço do Libertad e as boas prestações nas seleções jovens e a sua prematura entrada no futebol profissional no Paraguai o distinguiram. Não tenho acompanhado a sua evolução, mas tem qualidade.

Rafael Reis: Depois existem dois jogadores também revelados no Paraguai sem aproveitamento pelos 'grandes'. Um deles é o Juan Iturbe, um dos mais cobiçados da Serie A italiana. Isso surpreende-o?

Rui Capela: Esse jogador nunca me enganou, falei sempre que tinha grande potencial e isso esta registado desde a primeira vez que o defrontei quando ele estava ao serviºp do Cerro Porteño, não me surpreende realmente.

Rafael Reis: Para além do Iturbe no FC Porto, também o Benfica permitiu a saída do Derlis Gonzalez, que tem sido a principal revelação do Basileia. Até onde prevê que possa ir?

Rui Capela: Gosto muito desse jogador, principalmente quando esteve emprestado ao Guarani pelo Benfica, muito talento, um dia também falei dele e vejo-o como um grandíssimo jogador, com grande potencial que joga também na seleção do Paraguai.

Rafael Reis: Já o Lorenzo Melgarejo encontra-se na Rússia, onde voltou a jogar como extremo. Acha que foi a melhor opção para ele?

Rui Capela: Também o defrontei quando ele representava o Independente de Campo Grande de Asuncion, bom jogador, também considerei na altura em que passou no Benfica que a lateral era um jogador normal, onde ele fazia a diferença era numa posição mais ofensiva.

Rafael Reis: Agora numa posição mais distante, como considera que se encontra o futebol paraguaio?

Rui Capela: A nível de selecção esta a tentar encontrar-se novamente depois de um grande mundial de 2010 e um excelente Sudamericano 2011 em que ficaram em segundo lugar, a nível de equipas veja-se que os últimos finalistas da Libertadores 2013 e 2014 foram duas equipas do Paraguai, Olimpia e Nacional de Asuncion.É um campeonato muito agressivo, muito difícil para todas as equipas, considero um dos campeonatos mais difíceis e o mais competitivo de toda a América. Ainda hoje o Capiata, uma equipa pequena do Paraguai, foi ganhar ao Boca Juniores para o Sudamericano - por aí pode ver-se o nível.

Rafael Reis: Como apreciador do futebol sul-americano sei também que é admirador de Neymar. Conseguirá um dia mais tarde suplantar Messi?

Rui Capela: Comecei a falar de Neymar estava ele ‘rebentando’ no Santos, falei também que na Europa ia conseguir fazer coisas boas, está ainda num nível abaixo de Messi e Ronaldo.

Rafael Reis: Considera que Neymar possui valor suficiente para ambicionar a Bola de Ouro?

Rui Capela: No momento ainda não conseguiu atingir esse nível, mas é jovem, poderá conseguir esse objectivo nos próximos anos.

Rafael Reis: Nunca teve a oportunidade de orientar um clube de escalões superiores em Portugal. Porque razão isso ainda não sucedeu? Chegou a ter convites?

Rui Capela: Sim é verdade, nunca tive convites, é essa a realidade, somente isso, nunca ninguém em Portugal se interessou pelo meu trabalho, por outras palavras o que fiz fora do pais não teve a força suficiente para receber um convite para treinar uma equipa profissional em Portugal…

VAVEL Logo