Quim, o guardião das luvas resistentes

Quim, o guardião das luvas resistentes

No passado Domingo o ex- internacional português, Quim esteve no banco de suplentes do Desportivo das Aves e viu a sua equipa eliminar o União da Madeira para a Taça de Portugal. O palmarés do guardião é vasto e a VAVEL Portugal recorda as defesas e as conquistas do resistente guarda-redes que tanto brilhou entre os postes.

francisco-dias
Francisco Dias

Por entre os suplentes do Desportivo das Aves para a partida frente ao União da Madeira, esteve o 'esquecido' guardião Quim. As memórias da recheada  carreira do guarda-redes são imensas seja nos tempos ao serviço do SC Braga, do SL Benfica ou da seleção das quinas. Campeão nacional pelo Benfica em 2005 e 2010, Quim completou recentemente 4 décadas e é actualmente o nome mais sonante do Desportivo das Aves.

Quim o talento entre os postes nem sempre valorizado

Joaquim Manuel Sampaio Silva é conhecido no mundo do desporto-rei como Quim. Aos 40 anos o guarda redes ex-internacional português tem passado ao lado das luzes da ribalta, mas a VAVEL Portugal não esquece o percurso imaculado do guardião lusitano. Na quarta eliminatória da Taça de Portugal o sorteio ditou o jogo entre o Desportivo das Aves e o União da Madeira e após um empate a 3 no prolongamento, o Aves acabou por vencer nas grandes penalidades por 5-4. De entre os suplentes do Aves destacou-se o rosto de Quim. O guardião que cumpriu recentemente 40 anos e que em tempos  brilhou nas redes  dos  grandes palcos nacionais e internacionais. Actualmente vai passando despercebido pelos estádios da segunda liga mas sempre com a paixão de evitar que os avançados adversários  festejem. No aves, Quim representa muito mais que um guarda-redes, sendo a voz de comando no balneário. 

Com duas décadas de carreira como profissional de futebol, Quim  foi formado no Sporting Clube de Braga, emblema onde se tornou um  ícone para os arsenalistas. Por todos os clubes onde passou o jogador regista o número incrível de 593 jogos no somatório de todas as competições. Recuando até 1993 destaque para o primeiro contrato profissional de Quim, acabando por calçar as luvas do Braga até 2003.

Ao serviço dos bracarenses, o guardião acompanhou a evolução exponencial do Braga sendo um dos impulsionadores para tornar os guerreiros do Minho num clube europeu e com competitividade para fazer frente aos grandes do futebol lusitano. Durante dez anos o guarda-redes ganhou o seu espaço cumprindo 234 partidas neste período nos minhotos. As qualidades do guardião  despoletaram o interesse do grande Benfica e em 2003 esse interesse foi concretizado e Quim assinou pelo clube da Luz onde ficaria até 2010. A afirmação de Quim nos encarnados não foi fácil mas foi nas águias que atingiu o auge na sua carreira ao conquistar  2 campeonatos e 2 Taças da Liga. A ida para o Benfica permitiu ao jogador pisar os palcos da Liga dos Campeões ficando na memória de todos a Champions de 2006 em que os encarnados apenas foram eliminadas pelo Barcelona de Deco e Ronaldinho.

Com Trapattoni, o guardião defendeu as redes encarnadas e alcançou o título de Campeão pela primeira vez. Em 2009 com a entrada de Jorge Jesus no comado técnico do Benfica, Quim viveu o ano desportivo mais agridoce da carreira na medida em que se por um lado era um dos destaques do último reduto benfiquista, por outro foi incompreensivelmente dispensado por Jesus no final da época alegadamente por se tratar de um guarda redes com «apenas» 1,84m. Os números das luvas de Quim não mentem e em 30 partidas para o campeonato 2009/2010 o guarda-redes somente deixou o esférico balançar as suas redes por 20 vezes sendo que no estádio da Luz os tentos sofridos foram somente 8.

Com o segundo título conquistado juntamente com a Taça da Liga, Quim terminou a sua melhor época de sempre com a surpresa de não ser mais opção para defender as redes encarnadas. O técnico Jorge Jesus queria um guardião que garantisse pontos e com elevada estatura contratando o "grande" Roberto que não só foi um desastre, como impediu o Benfica de disputar os títulos nas fases decisivas. No balanço, de águia ao peito Quim vestiu a camisola encarnada por 184 ocasiões tendo conquistado dois campeonatos e duas Taças da Liga. Como guerreiro e resistente que é, Quim não baixou as luvas e regressou ao Braga para agradecer ao clube que o formou e dar ainda o seu contributo como guardião e líder no balneário. Nesta segunda passagem pelos arsenalistas, o jogador esteve presente nos postes minhotos por 65 vezes deixando o clube em 2013.

Neste período, Quim ajudou o Braga a assumir-se como o quarto grande com a presença na final da Liga Europa de 2011 e com a conquista histórica da Taça da Liga de 2013 frente ao FC Porto. Apesar da idade, o ex-internacional português não pendurou as luvas e aceitou o desafio Desportivo das Aves, clube que representa desde 2013/2014 procurando ajudar o colectivo do norte a subir ao primeiro escalão do futebol luso. Para esta temporada 2015/2016, o objectivo do Aves é claramente subir de divisão e ocupa  neste momento o 4º posto da segunda Liga com 25 pontos.

Com Ulisses Morais no comando técnico, Quim não tem tido muitas oportunidades de defender as redes do Aves mas com 23 anos de experiência o guardião tem sido o líder dentro e fora das quatro linhas e foi do banco que viu os seus companheiros eliminarem o União da Madeira para a Taça de Portugal. O Desportivo das Aves estará presente no sorteio dos oitavos-de-final na próxima Quinta-Feira, sendo uma das surpresas da presente edição da Taça rainha do futebol das quinas. Com Quim no plantel o Aves ganha carisma, voz de comando e um guarda-redes sempre pronto a defender os remates dos adversários. Em 2 anos no Aves, Quim leva 110 partidas e nem os 40 anos impedem o mítico jogador de continuar a contribuir para a qualidade do futebol nacional.

Quim o gigante de reflexos apurados que chegou às quinas

O trabalho de Quim pelos clubes foi reconhecido por todos inclusive pelos responsáveis da seleção lusa. Na sombra de Vitor Baía, Ricardo e de Eduardo o guardião formado no Braga teve dificuldade em se afirmar na equipa das quinas mas ainda assim teve o privilégio de defender as redes do país de Camões por 32 vezes. 

O resistente Quim é um exemplo de perseverança e qualidade e apesar de não ter a estatura de outros, o "gigante" guarda-redes notabilizou-se entre os postes dos diferentes palcos por ter reflexos apurados e uma rapidez intuitiva  na hora de esticar os braços, tanto para impedir golos como para intersectar cruzamentos.  A segurança de Quim ajuda qualquer defesa a manter a tranquilidade e a particularidade de saber jogar com os pés, qualidade essa incomum na maioria dos guardiões é de enaltecer. Em suma Quim significa 23 anos de carreira, 3 clubes, 5 troféus e luvas veteranas que ainda prometem impedir muitos golos aos avançados.

VAVEL Logo
CHAT