Santa Cruz sai em desvantagem, vira partida, mas cede empate para a Chapecoense

Em partida bastante disputada, o Tricolor, com um homem a menos foi melhor em campo, mas erros individuais deram um ponto ao Verdão do Oeste

Santa Cruz sai em desvantagem, vira partida, mas cede empate para a Chapecoense
Foto: Ney Gusmão/VAVEL Brasil
Santa Cruz
2 2
Chapecoense
Santa Cruz: Tiago Cardoso; Léo Moura, Luan Peres, Danny Morais, Allan Vieira; Uillian Correia, Jádson, João Paulo, Pisano (Danilo Pires, min. 65), Arthur (Wellington Silva, min. 76); Grafite (Bruno Moraes, min. 59). Técnico: Doriva.
Chapecoense: Danilo; Gimenez (Sergio Manoel, min. 67), Willian Thiego, Filipe Machado, Dener; Gil (Bruno Rangel, min. 72), Josimar, Cleber Santana; Arthur Maia (Ananias, min. 45), Kempes, Lucas Gomes. Técnico: Caio Júnior.
Placar: 0-1, min. 27, Kempes; 1-1, min. 56, Arthur; 2-1, min. 63; 2-2, min. 86, Bruno Rangel.
ÁRBITRO: Sávio Sampaio Pereira (DF). Cartões amarelos: Arthur Maia, min. 23; Luan Peres, min. 40, Jadson, min. 73, Ananias, min. 78, Danilo Pires, min. 84, Léo Moura, min. 86, Josimar, min. 88. Cartão vermelho: Luan Peres, min. 60.
INCIDENCIAS: Partida válida pela vigésima terceira rodada do Campeonato Brasileiro 2016, realizada na Arena de Pernambuco, em Recife/PE. Público: 12.265 espectadores. Renda: R$ 230.510,00.

Empurrado pela torcida, que voltou a se fazer presente na Arena de Pernambuco neste feriado de 7 de setembro, o Santa Cruz saiu em desvantagem e conseguiu a virada frente a Chapecoense, mas tomou o empate nos minutos finais da partida válida pela vigésima terceira rodada do Campeonato Brasileiro 2016, e que terminou com o placar de 2 a 2.

O Verdão marcou com Kempes num primeiro tempo com domínio total da Cobra Coral, mas no segundo tempo o Tricolor foi mais eficiente e marcou com Arthur e Bruno Moraes. Mas ao apagar das luzes o mesmo Kempes sofreu um pênalti batido com maestria por Bruno Rangel, quando o Tricolor estava melhor em campo apesar de ter um homem a menos.

Com mais um mau resultado em casa, o Santa Cruz continua na vice-lanterna da competição, com 20 pontos conquistados, enquanto a Chapecoense perdeu uma posição e está na décima primeira, com 31 pontos ganhos. Na próxima rodada o Santa Cruz tem pela frente mais um clássico, contra o Sport, que será realizado no próximo domingo (11) às 16h. A Chape recebe o Coritiba, na Arena Condá, também no domingo, mas às 11 horas.

Vacilo tricolor, vantagem alviverde

O Santa Cruz começou a primeira etapa com muita vontade de vencer. Mas já nos primeiros minutos era visível que o Tricolor sentia a falta do atacante Keno, responsável pelas principais jogadas da equipe pelo lado esquerdo. Com o meia Pisano tendo que se dividir na criação pelo meio e pelo lado esquerdo, não conseguiu concluir com a eficiência desejada nenhuma das funções.

Ainda assim, a Cobra Coral tentava chegar ao gol. O primeiro lance de real perigo ocorreu aos 6 minutos de jogo, numa cobrança de escanteio que Danny Morais subiu para cabecear e Danilo conseguiu fazer a defesa. Aos 16 minutos, Allan Vieira protagonizou uma das melhores chances da etapa inicial ao fazer um belo cruzamento em direção à pequena área buscando Grafite, mas o zagueiro Willian Thiego conseguiu evitar o tento tricolor e desviou a bola para a linha de fundo. Na cobrança do escanteio, Arthur cabeceou bem e obrigou Danilo a se esticar todo para defender pelo alto.

O Santa Cruz continuava pressionando, mas o mesmo Allan Vieira dos bons cruzamentos para a grande área errou uma cobrança de lateral no campo ofensivo e Gil aproveitou a bobeira. O meia alviverde lançou Kempes na grande área, e o centroavante não teve trabalho para tirar o goleiro Tiago Cardoso da jogada e fazer o primeiro gol do embate na Arena de Pernambuco. Festa da pequena torcida catarinense presente e dos atletas do Verdão do Oeste em campo pela vantagem provisória no placar.

Ainda assim o Santa Cruz não se entregou e continuou buscando o gol de empate. Aos 32 minutos a bola sobrou para Grafite na entrada da grande área. O centroavante fez o papel de pivô, como é acostumado a jogar, avançou e chutou, mas a bola foi por cima da meta de Danilo. Aproveitando o nervosismo e os erros do Tricolor, a Chape ainda teve uma boa chance de ampliar o marcador aos 42 numa boa cobrança de falta de Cleber Santana, que Tiago Cardoso conseguiu defender. No mais, as jogadas de ataque corais não conseguiram surtir o efeito desejado e o Verdão saiu vitorioso no primeiro tempo.

General novamente decisivo, mas Tricolor vacila outra vez

Na segunda etapa o Tricolor voltou arrasador, tentando o gol a todo custo. Aos 4 minutos Grafite fez uma excelente jogada pelo lado direito da grande área e lançou Arthur na pequena área. O zagueiro Willian Thiego conseguiu se antecipar ao atacante e cortou para escanteio. Dois minutos depois, Arthur fez grande jogada na entrada da grande área. O atacante chutou forte e Danilo espalmou bonito para escanteio. Na cobrança, a bola sobrou para João Paulo do lado direito. O meia tentou o chute, mas a bola foi pela linha de fundo.

A insistência acabou dando certo aos 11 minutos da etapa final. A bola sobrou na ponta direita para Léo Moura, o lateral desviou da marcação e cruzou na medida para Arthur cabecear certeiro no canto esquerdo de Danilo. Festa da torcida coral presente em bom número na Arena de Pernambuco pelo merecido gol de empate do Tricolor, que foi melhor durante toda a partida e não havia deixado a Chape jogar até aquele momento.

Mas logo depois do gol santacruzense um lance parecia desestabilizar o time mandante. O zagueiro Luan Peres, que já havia tomado cartão amarelo, foi expulso numa jogada sem nenhum perigo pelo lado esquerdo do campo de defesa. A partir daí a Chape se soltou mais, e quase desempata a partida num chute forte de Willian Thiego que passou perto do travessão e assustou Tiago Cardoso.

Só que aos 18 minutos do segundo tempo Bruno Moraes, que havia entrado poucos minutos antes, mostrou que tem estrela e que tal desestabilização na verdade nunca existiu. O centro-avante recebeu livre a bola no lado direito da grande área, avançou e chutou forte, sem nenhuma chance para Danilo. Decretada a virada momentânea tricolor na Arena de Pernambuco, apesar da desvantagem numérica em campo.

A partir daí a torcida passou a jogar junto com o time e tentar “compensar” a ausência de Luan Peres. E o time embalou junto com os mais de 12 mil corais presentes. Mas do outro lado, a Chape contava com Bruno Rangel, que assim que entrou tratou logo de mostrar serviço. Numa saída de bola errada de Tiago Cardoso, a redonda sobrou para o camisa 9, que tentou o arremate mas a bola passou perto da trave direita do arqueiro coral.

Após o Santa Cruz perder várias chances, aos 39 minutos veio o balde de água fria para a torcida coral. O volante Danilo Pires derrubou o atacante Kempes na pequena área, e o árbitro sem pestanejar marcou a penalidade máxima. Após dois minutos e um festival de cartões amarelos, Bruno Rangel bateu o pênalti sem nenhuma chance para Tiago Cardoso, dando números finais à partida que parecia decidida para o Tricolor.