Em jogo com arbitragem polêmica, São Paulo perde para o Atlético Nacional e é eliminado da Libertadores

Além de um pênalti a seu favor não marcado na primeira etapa, Tricolor reclama ainda de uma penalidade contra e expulsões de Lugano e Wesley

Em jogo com arbitragem polêmica, São Paulo perde para o Atlético Nacional e é eliminado da Libertadores
Foto: Getty Images
Atlético Nacional-COL
2 1
São Paulo
Atlético Nacional-COL: Armani; Bocanegra (Aguilar), Sánchez, Henríquez (Diego Arias), Díaz; Mejía, Pérez (Guerra), M. Torres; Marlos Moreno, Berrío, Borja. Técnico: Reynaldo Rueda.
São Paulo: Dênis; Bruno, Lugano, Rodrigo Caio, Mena (Carlinhos); Hudson (Alan Kardec), Thiago Mendes, Wesley, Centurión (Luiz Araújo), Michel Bastos; Calleri. Técnico: Edgardo Bauza
Placar: 0-1, min. 8, Calleri. 1-1, min. 15, Borja., 2-1, min. 32/ 2ºT, Borja.
ÁRBITRO: Patricio Polic (CHI). Cartões amarelos: Hudson (min. 4), Centurión (min. 47), Mejía (min. 16/ 2ºT), Thiago Mendes (min. 25/ 2ºT), Bocanegra (min. 26/ 2ºT), Lugano (min. 30/ 2ºT), Wesley (min. 31/ 2ºT). Cartões vermelhos: Lugano (min. 33/ 2ºT), Wesley (min. 33/ 2ºT)
INCIDENCIAS: Partida de volta das semifinais da Copa Libertadores da América, disputada no Estádio Atanasio Girardot, em Medellín (Colômbia).

O sonho do tetra acabou. Na noite desta quarta-feira (13), na Colômbia, o São Paulo foi derrotado pelo Atlético Nacional-COL por 2 a 1 e se despediu da Copa Libertadores da América. O Tricolor começou bem, com um gol de Calleri logo aos oito minutos, mas Borja, carrasco brasileiro, marcou duas vezes e garantiu a classificação dos mandantes à final da competição.

Agora, fora da principal competição de clubes da América, o São Paulo foca apenas no Campeonato Brasileiro. Já no próximo domingo (17), irá até Itaquera para enfrentar o Corinthians, vice-líder da competição. A missão é complicada, visto que a equipe de Bauza nunca venceu no novo estádio corintiano e uma das últimas partidas que disputos lá foi o vexatório 6 a 1 para o rival.

Já o Atlético Nacional segue de bem com a vida e agora espera o confronto entre Boca Juniors-ARG e Independiente Del Valle-EQU para conhecer seu adversário na final da Libertadores. Independentemente de quem se classificar, a última partida, da volta, será na casa dos colombianos, no Atanasio Girardot. O primeiro confronto entre Boca e Del Valle terminou 2 a 1 para os equatorianos, e a decisão ficará para quinta-feira (14), na Bombonera.

Centroavantes aparecem e equipes ficam no empate

Com a derrota por 2 a 0 no Morumbi, o São Paulo, mesmo fora de casa, teve que pressionar o Atlético em busca dos gols. E isso aconteceu rápido. Logo aos oito minutos, Michel Bastos recebeu na esquerda, fez o cruzamento e Calleri subiu mais do que toda a defesa para cabecear e abrir o placar para o Tricolor. Com a vantagem provisória, a equipe de Edgardo Bauza precisava de apenas mais um gol para levar a partida para os pênaltis, e, para isso, seguiu marcando pressão.

Entretanto, Borja, autor dos dois gols no Morumbi, apareceu para jogar um balde de água fria nos são-paulinos. O atacante, entre Lugano e Bruno, recebeu belo passe de Berrío, avançou livre e bateu cruzado para empatar o jogo. Com isso, o São Paulo precisaria de pelo menos mais dois gols para conseguir a classificação na Colômbia.

O Tricolor quase ficou na frente do placar mais uma vez com Calleri. Mena cruzou, Rodrigo Caio desviou e o argentino, de cabeça, acertou o travessão do goleiro Armani. O artilheiro da Libertadores também quase marcou em uma outra oportunidade. Michel Bastos recebeu de Centurión pela esquerda, bateu cruzado e o camisa 12 tricolor chegou atrasado na jogada.

Depois das boas chances dos visitantes, foi a vez do Nacional assustar. Primeiro, Berrío cruzou rasteiro, Borja desviou e a bola sobrou para Marlos Moreno, que bateu de primeira e isolou. Depois, outro lance muito parecido. Mais uma vez, cruzamento da direita e a bola nos pés de Moreno, que, novamente, mandou por cima do gol de Dênis.

A partir daí, o Atlético manteve mais a posse de bola, fez o tempo passar, e o Tricolor não dava espaço na marcação para os mandantes. No último lance do primeiro tempo, Michel Bastos encontrou Hudson na área. O volante, entretanto, foi derrubado no momento da finalização, mas o árbitro não deu pênalti, o que gerou uma grande revolta por parte dos são-paulinos e um cartão amarelo para Centurión.

Nacional marca o segundo e garante classificação

Apesar de já classificado com o resultado da primeira etapa, o Atlético voltou com tudo para o segundo tempo. Logo aos dez minutos, Marlos Moreno encontrou Borja na área. De perna esquerda, o atacante bateu cruzado e obrigou o goleiro Dênis a fazer uma grande defesa. Pouco tempo depois, Moreno recebeu pela direita, cortou para o meio e bateu cruzado, assustando o time tricolor.

Aos 15 minutos, Borja invadiu a área, passou  por Dênis e a bola sobrou com Berrío. O atacante bateu e o lateral Bruno tirou em cima da linha para salvar o São Paulo. Ainda na pressão, Berrío, novamente, recebeu pela direita e tentou fazer o cruzamento. A bola fez uma curva e quase entrou, mas Dênis apareceu bem mais uma vez.

Aos 30 minutos, veio a principal polêmica. Guerra cruzou, a bola bateu no braço de Carlinhos e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, Borja, carrasco tricolor, fez o segundo dele no jogo e garantiu o Nacional na final da Libertadores. Após o gol, o árbitro ainda expulsou Lugano por reclamação. Além dele, Michel Bastos também recebeu cartão vermelho, sem entender o que tinha feito. Depois de muita confusão, o juiz voltou atrás e, em vez de Michel, expulsou Wesley. Derrotado e com dois a menos, o São Paulo não teve forças para reagir e deu adeus à competição continental.