Defesa falha, Cueva marca dois e São Paulo sofre para empatar com a Chapecoense no Morumbi

Perdendo de 2 a 0 com 15 minutos de jogo, o São Paulo voltou diferente na segunda etapa e conseguiu o empate em casa

Defesa falha, Cueva marca dois e São Paulo sofre para empatar com a Chapecoense no Morumbi
Com o empate, São Paulo e Chapecoense igualam 23 pontos na tabela (Foto: Rubens Chiri/São Paulo FC)
São Paulo
2 2
Chapecoense
São Paulo : Denis; Bruno; Maicon, Lugano; Carlinhos (Luiz Araújo, min. 61); Hudson; Thiago Mendes (Andrés Chávez, min. 2ºT); Cueva; Kelvin (Pedro, min. 79); Michel Bastos; Centurión.
Chapecoense : Danilo; Gimenez (Matheus Biteco, min. 66), Willian Thiego, Filipe Machado e Dener; Josimar, C.Santana, Gil e Martinuccio (Tiaguinho, min. 2ºT); Hyoran e Kempes (Bruno Rangel, min. 73)
Placar: 0-1, min. 5, Kempes. 2-0, min. 11, Thiego. 2-1, min. 61, Cueva. 2-2, min. 86, Cueva.
ÁRBITRO: Wagner do Nascimento Magalhaes. Cartões amarelos: Bruno (min. 16), Cueva (min. 70), Andrés Chávez (min. 90), Hudson (min. 93), Filipe Machado (após o término da partida).
INCIDENCIAS: 17ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016.

Na manhã deste domingo (31), São Paulo e Chapecoense se enfrentaram pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016. Quebrando o recorde de público do campeonato com 54.996 torcedores, a equipe da casa foi surpreendida nos 15 primeiros minutos, vendo seu adversário marcar dois no primeiro tempo. Com mudanças na volta para a segunda etapa, o Tricolor Paulista saiu em busca do resultado e conseguiu o empate com dois gols do peruano Cueva

Na rodada seguinte, o São Paulo volta a jogar no Morumbi, quando enfrenta o Atlético Mineiro, na quinta-feira (4), às 19h30. Já a Chapecoense recebe o Palmeiras na Arena Condá, também na quinta-feira, às 21h30. 

Surpresa aos donos da casa 

Buscando um lugar ao sol na tabela e o bom futebol da Copa Libertadores, o São Paulo entrou em campo cheio de expectativas. Contando com o apoio da torcida, que após uma baixa no valor dos ingressos, compareceu em peso para apoiar a equipe, tentou usufruir do seu poder dentro de casa para sair com os três pontos, porém, a situação foi bem diferente do esperado. 

No ataque, os donos da casa começaram o jogo na troca de passes, apostando pelos lados, e tentando achar espaços na forte marcação do adversário, que aproveitava qualquer chance para armar um contra-ataque. O meio-campo são-paulino encontrou dificuldades para conseguir jogadas de efeito; problema que surgira após a saída de Paulo Henrique Ganso. Cueva é o cotado para tal função, mas nada de muito produtivo foi visto nos primeiros minutos. 

Com 5 minutos de jogo, as surpresas passaram a surgir. No ataque, a Chapecoense pressionava, até que conseguiu abrir o placar. Em um cruzamento, Martinuccio encontrou Kempes livre, que de cabeça, colocou a bola na rede, sem chance de defesa para Denis. O São Paulo respondeu em seguida, Centurión invadiu a área e bateu cruzado, Danilo foi feliz na defesa. 

A bola aérea parecia inimiga do Tricolor Paulista na manhã de domingo, minutos após abrir o placar, novamente pelos ares, a Chapecoense viria a incomodar de novo. Em cobrança de falta direta na área de Cléber Santana, Thiego subiu mais alto que a defesa e ampliou o placar. 

Perdendo em casa, a única alternativa era seguir no ataque, mas os lances eram travados na grande área, e o adversário retomava a posse de bola. O primeiro tempo seguiu lá e cá, deixando a torcida são-paulina ainda mais irritada. 

Mudanças no placar e empate se estabeleceu

As equipes voltaram com alterações; Thiago Mendes saiu para a entrada de Andrés Chávez - que fazia seu primeiro jogo com a camisa do São Paulo. Pela Chapecoense, Martinuccio deu lugar à Tiaguinho. Diferente, o Tricolor Paulista passou a ter mais atitude, e com a entrada do argentino, tornou-se mais ofensivo. 

Assim como no primeiro tempo, a equipe catarinense seguiu forte na marcação, travando os contra-ataques do São Paulo. Sabendo das dificuldades para reverter a situação, Bauza sacou Carlinhos e colocou o jovem Luiz Araújo, que chegou dando trabalho. "Xodó" da torcida, a entrada de uma das promessas da base empolgou os torcedores, que aplaudiram. Com quatro jogadores do ataque, não demorou muito para a reação aparecer. Centurión recebeu a bola dentro da área e rolou para Cueva, que bateu rasteiro. Gol de três cores. 

Percebendo a mudança dos donos da casa, a Chapecoense também investiu no ataque, autor de um dos gols, Kempes saiu para a entrada de Bruno Rangel, um dos goleadores da equipe. O São Paulo deu sua última cartada, o jovem Pedro para o lugar de Kelvin. Inteligente, o Tricolor Paulista soube conduzir o jogo a seu favor, e de pênalti, empatou a partida. No levantar da bola na área da Chapecoense, Josimar tocou a bola com a mão, o árbitro marcou a penalidade. Com categoria, Cueva deslocou o goleiro e igualou o placar. Com quatro minutos de acréscimo, encerrou-se a partida no Morumbi.