Lendas Olímpicas: Sawao Kato, estrela da geração de ouro do Japão na ginástica artística

Sem se destacar nos esportes na infância, esforço e dedicação fizeram de Kato campeão olímpico, e um dos maiores ginastas da história

Lendas Olímpicas: Sawao Kato, estrela da geração de ouro do Japão na ginástica artística
Lendas Olímpicas: Sawao Kato, estrela da geração de ouro do Japão na ginástica artística

Nem todo atleta descobre seu talento para o esporte de berço, e Sawao Kato é um exemplo de que muitas vezes, o dom para o esporte leva tempo (e demanda muita disciplina e dedicação) para florescer. Nascido na província de Niigata, no Japão, Kato sempre teve seu brilho no âmbito acadêmico na infância, mas não mostrava grande entusiasmo ou habilidade para os esportes. Mas tudo mudou quando teve seu primeiro contato com a ginástica artística.  

Já em idade considerada avançada para iniciar sua carreira nesse esporte que exige muita força, técnica e equilíbrio, ainda cursando o ginásio, o ginasta tirou proveito de sua capacidade de aprender rapidamente e trabalhar duro, para fazer um rápido progresso na barra horizontal.  Aos 18 anos, no Campeonato Juvenil de Niigata, em 1964, o jovem ginasta conquistou sua primeira vitória. Filho de um engenheiro ferroviário, ingressou na Universidade Kyoiku em Tóquio, permanecendo entre os melhores alunos, bem como no colégio, e se destacou em cada um dos vários aparelhos da ginástica artística sob o comando do famoso treinador Akitomo Kaneko. Ainda aos 18, Kato fez sua estreia na equipe nacional, onde seus notáveis ​​níveis de dedicação, precisão de movimento e disciplina passaram a caracterizá-lo. 

Trajetória Olímpica 

Sawao fez sua estreia em Olimpíadas em 1968, na Cidade do México, aos 22 anos. Com uma lesão no calcanhar, ainda no início da disputa, o ginasta brilhou ao conquistar três medalhas de ouro, sendo duas delas individuais (uma no individual geral e outra no solo), e uma de bronze nas argolas. A concorrência direta culminou em uma rivalidade com ginastas soviéticos, que ao mesmo tempo brilhavam nas competições, em especial Mikhail Voronin, com quem disputou “corpo a corpo” as medalhas conquistadas. A alta qualidade de ambas as equipes acabou por tornar a disputa cada vez mais acirrada, não só pelas medalhas individuais, como também na competição por equipes.  

Por sua força técnica e mental, e por seu compromisso para com o esporte a que escolhe se dedicar, Kato era considerado um ginasta sem qualquer deficiência em todos os seis aparelhos. Como uma prova de sua eficiência, está sua presença em todas as finais nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972, quatro anos após sua estreia na competição. Kato foi bicampeão no individual geral e por equipes, conquistando mais uma medalha de ouro também nas barras paralelas, e medalhas de prata no cavalo e na barra fixa.  

Em sua última participação em Jogos Olímpicos, em 1976, na cidade de Montreal, já com 30 anos, Kato acabou perdendo aquele que poderia ser o seu terceiro ouro seguido no individual geral para um de seus rivais soviéticos, Nikolai Andrianov. Na competição por equipes, ao lado de seus companheiro japoneses, conquistou o terceiro ouro, por uma vantagem de apenas quatro décimos de um ponto diante da equipe soviética, além de conquistar pela segunda vez o ouro nas barras paralelas. 

Mesmo com o fim da carreira como ginasta, aos 31 anos, Sawao Kato ainda permaneceu no meio esportivo como juiz. Ele representou o Japão em treze competições internacionais oficiais da FIG e fora eleito pela mesma entidade o 1º vice-presidente do Comitê Técnico. Além das atividades que exerceu no meio esportivo, Kato também retornou a universidade em que se formou para tornar-se professor. 

Grandes feitos 

Apesar de ter sido muito bem sucedido em suas três participações em Jogos Olímpicos, tendo feito parte da chamada geração de ouro da ginástica no Japão, e sendo considerado a grande estrela da época, Sawao Kato nunca foi campeão mundial. No entanto, o esforço que fez em 74, em Varna, deixou o público maravilhado.  

Ao fazer o exercício nas barras paralelas, ele caiu e quebrou o braço. Por longos minutos, ele se deitou no tapete, segurando seu ombro, e, lentamente colocou-se de pé novamente. Esfregando as mãos com talco, ela tentou esconder o ferimento de seu treinador,  voltou ao aparelho, e com uma dor descomunal, fez o exercício até o fim. Vontade e determinação sempre fizeram pare da vida do atleta. 

Suas grandes conquistas, sempre ligadas aos Jogos, o levaram a tornar-se o terceiro atleta a conquistar o ouro no individual geral, atrás somente de Alberto Braglia (1908/1912) e Victor Chukarin (1952/1956). Nos jogos de 76, mesmo perdendo o tricampeonato, sua medalha de prata valeu-lhe um lugar especial na história olímpica. Apenas um ginasta conseguiu ganhar duas medalhas de ouro e uma de prata no individual geral: o italiano Alberto Braglia , em 1906, 1908 e 1912.  

Legado no Esporte 

Ainda hoje, Sawao Kato é um dos dez únicos atletas a conquistar oito ou mais medalhas de ouro em Jogos Olímpicos, sendo o número um do Japão em vitórias de mesmo nível. Em 2001, o ex-ginasta entrou para o International Gymnastics Hall of Fame, local destinado a honrar os grandes competidores, treinadores e autoridades da ginástica artística. Além da glória conquistada por seus esforços dentro do esporte, Kato é considerado um dos 100 maiores atletas olímpicos de todos os tempos, servindo de inspiração, não somente para os jovens japoneses que sonham em seguir carreira dentro da modalidade, como para ginastas de todo o mundo.