Pelo placar mínimo, Racing vence Godoy Cruz e é campeão do Torneo de Transición 2014
Centurión, de cabeça, marcou o gol do título (Foto: Divulgação /Racing Club)

Racing e Godoy Cruz se enfrentaram na noite deste domingo (14), no Estádio Juan Domingo Perón (Cilindro), em Avellaneda, pela 19ª rodada do Torneo de Transición 2014. O jogo terminou com o placar de 1 a 0 para a Academia, com gol de Ricardo Centurión, dando o título nacional do segundo semestre para os Albicelestes. Uma noite que demorará a ser esquecida por torcedores, jogadores e comissão técnico do Racing Club de Avellaneda.

Depois da goleada fora de casa sobre o Rosário Central, o Racing passou a depender somente de suas forças para ser campeão argentino e quebrar o jejum de 13 anos sem títulos. Além disso, a Academia entrou em campo com cinco vitórias consecutivas sem repetir a equipe titular. Em relação à equipe da rodada passada, somente uma mudança: Leandro Grimi retomou a titularidade, após suspensão, no lugar de Voboril.

Os jogadores do Godoy Cruz, sem pretensões no campeonato, queriam estragar a festa dos donos da casa e honrar as cores do clube de Mendoza. Daniel Oldrá, técnico interino que assumiu a equipe após a demissão de Carlos Mayor, colocou em campo o que tinha de melhor, mesmo com José Luis Ferández e Federico Lértora tendo acusado desconfortos musculares.

Com esse placar mínimo, o Racing chegou aos 41 pontos no torneio e voltou a conquistar um título depois de 13 anos. O River, com a vitória sobre o Quilmes nessa noite desse domingo (14), chegou aos 39 pontos. A conquista dá uma vaga à Academia na Copa Libertadores 2015.

Racing para em Moyano na primeira etapa

O primeiro tempo foi completamente dominado pelo Racing, que só não abriu o placar devido às boas defesas do jovem goleiro Sebastián Moyano. Desde o primeiro minuto, a Academia mandou no jogo. Aos oito minutos, após tabela entre Bou e Milito, o primeiro chutou cruzado para Moyano segurar firme. No minuto seguinte, Aued cruzou, Milito se antecipou e desviou de primeira para Moyano espalmar para escanteio.

A pressão total seguiu até a metade da primeira etapa, com um Godoy Cruz nervoso e perdendo a posse de bola com muita facilidade. Aos 14 minutos, Pillud cruzou e Bou desviou, de cabeça, para fora. Três minutos mais tarde, o mesmo Bou teve a principal chance do primeiro tempo: o atacante arrancou, conduziu a bola por metade do campo em um contra-ataque e chutou forte cruzado. Moyano desviou para escanteio em ótima defesa. Aos 20, em lance semelhante, Centurión chutou para fora.

Os minutos passavam e o gol não saía, dando chances para o River Plate vencer sua partida e originar um jogo-extra. A consequência disso foi o crescimento do nervosismo e a queda na produção de oportunidades. As duas chances principais no final da primeira etapa foram de Diego Milito: a primeira em chute de falta sobre o gol, e a segunda em chute cruzado, defendido pelo goleiro adversário com a perna esquerda, após belo corte no zagueiro adversário.

Gol de Centurión nos primeiros minutos do segundo tempo dá o título ao Racing

O terceiro minuto do segundo tempo está marcado na história do Racing e do jovem Ricardo Centurión. Gaston Díaz fez grande jogada individual pelo flanco direito e cruzou para Centurión, jovem criado nas categorias de base do clube, na segunda trave, testar para o chão. A bola ainda desviou em um defensor antes de entrar e balançar as redes adversárias.

O gol deixou o Racing acomodado. Com a vitória, a equipe sairia campeã de qualquer modo e acabou cessando de atacar com a mesma intensidade. O Godoy Cruz teve grandes chances de empatar. Aos 19 minutos, o uruguaio Diego Rodríguez foi travado perto da pequena área pelo jovem zagueiro Yonathan Cabral. Dez minutos mais tarde, em cobrança de escanteio, Ayoví cabeceou fraco para defesa de Saja.

O jovem Gustavo Bou, por sua vez, teve a oportunidade de liquidar a partida aos 29 minutos do segundo tempo. Gastón Díaz fez outra grande jogada pela ponta direita e rolou na entrada da área para Bou, que dominou e chutou forte rasteiro. O lateral-direito Lucas Ceballos salvou quase sobre a linha. Os anfitriões seguiam sem o domínio da posse de bola e acabavam chamando o Godoy Cruz para o seu campo. O Tomba abusou de chuveirinhos nos minutos finais. Em um deles, aos 39 minutos, Juan Garro girou e teve seu chute travado por Lollo, de carrinho, em chance clara de gol. Nada que comprometesse o resultado final. Após o apito final, a torcida da casa finalmente soltou o grito que esteve preso na garganta por 13 anos.

Jogadores comemoram, com a taça, em uma das goleiras (Foto: Divulgação / Racing Club)

Veja as imagens marcantes da campanha do Racing:

VAVEL Logo