Análise: marcação alta garante à Roma capítulo magistral em sua história

Messi e seus companheiros de elenco não conseguiram jogar em nenhum momento e deram adeus à Uefa Champions League

Análise: marcação alta garante à Roma capítulo magistral em sua história
(Foto: Michael Regan/Getty Images)

A Roma conseguiu uma histórica virada na tarde desta terça-feira (10) diante do Barcelona, na Itália. Tendo que reverter uma desvantagem de 4 a 1, os Giallorossi fizeram 3 a 0 e conseguiram a tão sonhada classificação para as semifinais do maior torneio de clubes do mundo. 

Em nenhum momento os italianos se intimidaram. Desde o início com a marcação alta, pressionando os zagueiros e o goleiro, forçaram os azulgranas a fazerem algo que não estão acostumados, que é rifar a bola e entregar novamente a posse para equipe da casa. 

Com seis minutos de jogo, a tática deu certo. De Rossi lançou Dzeko que protegeu, ganhou de Pique no corpo e bateu para o fundo das redes abrindo o contador no Olímpico de Roma

Com o decorrer da primeira etapa, a marcação alta foi ficando mais frouxa e a pressão dos romanos para recuperar a posse foi ficando mais frouxa. Ainda sim, o Barça não conseguia jogar. Quando passa do meio-campo o trio de zaga formado por Fazio, Manolas e Juan Jesus era agressivo e não dava brechas. 

Na segunda etapa, a pressão já no campo de ataque voltou e os culés voltaram a encontrar dificuldades para sair jogando. Como no primeiro gol, Dzeko recebeu, ganhou de Pique no corpo mas foi derrubado na área. O juiz deu pênalti que foi convertido por De Rossi, deixando os italianos a um gol da vaga. 

A tônica do jogo mudou a partir daí. A Roma passou a pressionar mais do que o normal na marcação e a alçar bolas na grande área com frequência. Em escanteio cobrado por Kolarov, Manolas cabeceou e fez o sonhado terceiro gol da Roma, fazendo com que nos últimos 10 minutos o jogo mudasse drasticamente. 

Os espanhóis foram para cima com tudo. Messi foi o que mais tentou durante o jogo e isso se manteve. O argentino chamava o jogo mas esbarrava na forte marcação romana. Na bola área, Fazio era soberano e ganhava todas. Mesmo insistindo, os blaugranas ficaram pelo caminho na competição.