Análise: contra Dinamarca, Subasic brilha nos pênaltis e salva Modric, que teve atuação apagada

Jogo começou eletrizante, com dois gols em menos de cinco minutos de partida, porém, 90 minutos e prorrogação foram mornos e o confronto foi decido nas penalidades com grandes defesas

Análise: contra Dinamarca, Subasic brilha nos pênaltis e salva Modric, que teve atuação apagada
Foto: Divulgação/HNS

O primeiro dia do mês de julho da Copa do Mundo 2018 ficou marcado por jogos empatados, prorrogação, decisão definida nas cobranças de pênaltis e goleiro defendendo ao menos uma penalidade. Tudo isso foi visto no Estádio de Nizhny Novgorod, localizado na cidade de Nizhy Novgorod que conta com inúmeros monumentos e construções históricas.

Os noventa minutos 

Durante os 90 minutos, o jogo entre Croácia e Dinamarca iniciou quente com dois gols em menos de três minutos de partida. Primeiramente, o zagueiro Jorgensen inaugurou o placar no primeiro minuto. Depois de dois minutos, Mandzukic empatou o confronto. Em ambos gols, as chances surgiram de lances fortuitos. Com isso, a impressão era de que seria mais um jogo inesquecível das oitavas de final, com inúmeros gols assim como foi França e Argentina, com o placar final de 4 a 3. Porém, o que vimos foi uma atuação ruim da seleção croata e uma boa administração da seleção dinamarquesa.

Segunda etapa e prorrogação

A entrada do volante Schone na segunda etapa foi fundamental para a Dinamarca dominar as ações e realizar um bom jogo durante essa etapa. Entretanto, a seleção dinamarquesa não assustou, pois Braithwaite errou quase todos os domínios, e Cornelius não conseguiu acertar a finalização na oportunidade que teve. 

Com relação à seleção croata, o craque Modric teve uma atuação apagada, que iria beirar o dramático durante o tempo extra. Além disso, a Croácia só deu o primeiro chute ao gol no segundo tempo com 32 minutos, que foi defendida com tranquilidade pelo goleiro dinamarquês. Faltando dez minutos, os croatas pressionaram, mas a falta de eficiência nas finalizações foi um dos motivos para que a partida terminasse empatada durante os 90 minutos.

Na prorrogação, o primeiro tempo foi dominado pela Dinamarca que teve maior posse de bola e com uma lance perigoso, com um chute de Schone. Já a Croácia teve a melhor chance quando Modric lançou a bola para Kramaric que chutou e quase enganou o goleiro da Dinamarca. Na segunda etapa, o momento oásis foi quando Rebic sofreu pênalti do autor do gol dinamarquês. Logo, os croatas teriam a chance para marcar o gol que classificaria às quartas de final. Contudo, Schmeichel defendeu a cobrança do camisa 10 da Croácia, que não vivia um bom dia. 

(Foto:Divulgação/DBU)
(Foto:Divulgação/DBU)

Penalidades 

O principal momento da partida foi durante as cobranças de pênalti. Ambos goleiros foram decisivos e coube aos jogadores de linha cobrar uma excelente bola parada, para que não parasse em Schmeichel ou Subasic, que defenderam, respectivamente, 3 e 2 penalidades. O goleiro dinamarquês não mereceu a eliminação, pois foi o melhor jogador em campo. Já as mãos do goleiro croata salvaram os pés e a pele do craque croata, Luka Modric, que havia perdido um pênalti durante a prorrogação. Depois de tudo isso, o público de 40.851 pessoas viram a Croácia garantir vaga às quartas de final para enfrentar a seleção anfitriã, Rússia.

(Foto:Divulgação/HNS)
(Foto:Divulgação/HNS)