Em situações opostas, Ponte e Guarani decidem destino dos estádios
Obras no Moisés e no Brinco de Ouro devem começar em seis meses (Foto: Divulgação)

Presidentes da Ponte Preta e do Guarani estiveram em reunião na terça-feira (23), com Jonas Donizette, prefeito de Campinas para discutir sobre os projetos dos dois estádios da cidade. 

O Guarani em sua péssima fase pretende negociar 25% da área do Brinco de Ouro. Já a Ponte busca acertar os últimos detalhes para a construção da Arena, na região do Jardim Eulina, em Campinas. 

O prefeito de Campinas discutiu os dois projetos junto com a diretoria dos dois clubes e destacou que tanto a Ponte Preta quanto o Guarani devem focar naquilo que é mais necessário: as obras no estádios. 

Para a Macaca, estava previsto a construção de um shopping, mas o clube primeiro vai se concentrar na construção da Arena multiuso, que é a prioridade. Já no caso do Bugre, não haverá mais a demolição ou a venda do estádio, como havia sido dito. Haverá apenas uma negociação sobre o entorno do estádio. 

A previsão é que os projetos sejam iniciados em seis meses, prazo estipulado pela prefeitura para fechar com construtoras e fechar a planta de construção.

A Ponte que está com o projeto da Arena mais adiantando, vai tentar agilizar a aprovação para que a construção comece em menos tempo. Já o Guarani, ainda deve realizar reuniões com interessados no Brinco de Ouro para tentar resolver a situação financeira. Com problemas na Justiça o Guarani não hesitou em pedir ajuda à Prefeitura de Campinas para tentar resolver a má fase que o clube atingiu em 2013, para não perder o patrimônio recorrer a Prefeitura pareceu ser uma boa opção.   

VAVEL Logo