Série B 2014: América Futebol Clube-MG
Repetir o filme de 1997 é o grande objetivo do América Mineiro (Foto: Marcelo Sant'anna/Estado de Minas)

Campeão Brasileiro da Série B em 1997, o América-MG procura o retorno a Série A do Brasileirão. Desde o título na década de 1990, o Coelho chegou a disputar a divisão de elite quatro vezes. Entre idas e vindas, o clube nunca se acertou com os reforços, comissão técnica e a diretoria, chegando a ser rebaixado para a terceirona.

A agremiação fundada em 30 de abril de 1912, é nome forte dentro os favoritos na segunda divisão do Brasil, por ser um time de expressão em Minas Gerais, reveladora de talentos para o futebol e demonstrando perspectivas positivas dentro da Série B. Em 2014, a equipe é mesclada com jogadores experientes e jovens oriundos da categoria de base.

Memória

O torcedor americano jamais esquecerá do Campeonato Brasileiro da Série B de 1997. Após uma década em que o time revelou bons jogadores para o futebol brasileiro, o retorno dentro de campo não aconteceu. Apenas uma pariticipação na primeira divisão em 1993, que culminou com um descenso bastante polêmico para época, e o título mineiro no mesmo ano.

A equipe americana montada por Givanildo Oliveira, ex-volante do Santa Cruz, Corinthians e da Seleção Brasileira nos anos 1970, era bem competitiva, mas só encontrou seu melhor futebol nas fases finais do Brasileirão Série B. Com jogadores qualificados como Pintado, ex-São Paulo, e Tupãzinho, ex-Corinthians, além de jovens recém-lançados como Celso, Gilberto Silva, Rinaldo e Irênio.

O América-MG chegou até o quadrangular final batendo de frente contra equipes forte como Vila Nova-GO, Náutico e Ponte Preta. Na última partida, o Coelho venceu o Vila Nova por 1 a 0, gol de Celso, e sagrou-se campeão nacional de forma inédita. Veja o vídeo.

Ficou pelo caminho

Comandado por Paulo Comelli, o América-MG começou a Série B com boas perspectivas de crescimento e de um acesso. Conquistava vitórias importantes fora de casa, como a vitória sobre o Palmeiras, em Itu, por 1 a 0, mas perdia pontos preciosos quando jogava no Independência. Muitos empates e derrotas inexplicáveis, acabavam fazendo com que o Coelho deixasse escapar a chance de ficar entre os quatro primeiros colocados.

A instabilidade dentro de casa fez com a que a diretoria americana demitisse Paulo Comelli. Silas, que chegou a jogar no América em 2001, foi o nome escolhido. Mas ainda sim, o treinador não conseguia trazer uma continuidade no trabalho com os jogadores. Muitas vitórias fora de casa aconteciam, mas no Independência, os visitantes era quem comemoravam.

No final das contas, o América-MG, que namorou o G-4 durante quase toda a competição, acabou terminando na nona colocação com 57 pontos. Um retrato do que fracasso americano na Série B, foi o número de empates superar o de vitórias (15 contra 14).

Destaques que foram embora

Sem finanças para manter seus melhores jogadores, o América-MG acabou perdendo seu melhor jogador durante a Série B de 2013. O meia Rodriguinho, que tanto foi sondado por equipes da primeira divisão do Brasil, acabou saindo para o Corinthians.

Bady, jovem meia que se destacou no São Bernado, do ABC Paulista, chegou por empréstimo ao América-MG e deu conta do recado. Mesmo com a inexperiência em disputar um campeonato tão longo e corrido como a Série B, o jogador se destacou com boas jogadas e assistências. Infelizmente, sem dinheiro para manter o atleta, por volta de 500 mil reais, o garoto voltou para o futebol paulista.

Temporada 2014

O América iniciou a temporada 2014 mantendo o trabalho do técnico Silas, que mesmo sem o acesso da elite no ano passado, ficou para um projeto de não deixar passar a mesma oportunidade na atual temporada. Após contratar dez jogadores, entre eles, o atacante Obina, ex-Flamengo, Atlético-MG e Bahia, o Coelho começou o estadual bastante irregular e com atuações pífias. Sem agradar a diretoria, o técnico Silas foi demitido deixando a equipe entre os últimos colocados na tabela de classificação.

Moacir Junior, treinador que tem ganho destaque em Minas Gerais após boas campanhas com o Tombense, da cidade de Tombos, finalmente ganha um oportunidade em um clube da capital. O técnico solicitou a contratação de reforços pontuais, como o meia Tchô, ex-Atlético-MG. O jogador caiu como uma luva no time e melhor a capacidade de criação da equipe, além de marcar seis gols em sete partidas. No último jogo da rodada, o Coelho venceu a Caldense por 2 a 1 e classificou-se para as semifinais. Veja os gols.

Mesmo com um elenco bastante limitado, conseguiu levar o América a semfinal do Campeonato Mineiro, mas a equipe parou diante do Atlético-MG após sofrer uma goleada por 4 a 1, na primeira partida, e empatar por 1 a 1, no embate decisivo.

Na Copa do Brasil, o América-MG começou muito bem e venceu o Santos do Amapá por 3 a 0, classificando-se para a segunda fase do torneio. O Coelho aguarda a definição de rival na partida entre Bahia e Villa Nova-MG.

Quem comanda: Moacir Junior

Moacir Vieira de Araújo Junior, o Moacir Junior, é mineiro de Curvelo, nascido em 15 de fevereiro de 1967. Começou a carreira em 2002, no Ipatinga. Passou por diversas equipes do Brasil, como a dupla Bahia e Vitória (2006), mas seu destaque foi no interior de Minas Gerais. A começar por boas campanhas no Tupi, entre 2007 e 2012, e rodar por Uberlândia, Social e Nacional. O América-MG é seu primeiro clube na capital mineira.

Quem decide: Mancini

Alessandro Faiolli Amantino, o Mancini, nasceu em Ipatinga-MG, no dia 1º de agosto de 1980. Começou sua carreira no Atlético-MG em 1999, onde permaneceu até 2002. Neste meio tempo, foi emprestado para a Portuguesa de Desportos e São Caetano, onde obteve grande destaque. Mancini, mesmo atuando na ala direita, foi artilheiro do Galo no Brasileirão de 2002 com 15 gols.

Suas atuações chamaram a atenção do futebol europeu. Mancini saiu do Atlético foi jogar no Venezia, da Itália. Destacando-se pela equipe, acabou negociado com a Roma, onde permaneceu por cinco anos, sempre como destaque da equipe italiana. Depois passou por Inter de Milão e Milan, até retornar ao Atlético-MG em 2011 e ficando até 2012. Dispensado pelo técnico Cuca, o meia acertou contrato com o Bahia, voltando para Minas Gerais neste ano de 2014 para atuar no Villa Nova, com grande destaque.

Quem promete: Carlos Renato

Carlos Renato Laurindo da Silva, ou Carlos Renato, nasceu em Seropédica, no Rio de Janeiro, em 09 de fevereiro de 1993. O jovem atua pela lateral esquerda, mas sua qualidade com a perna esquerda e boa mobilidade, o permite atuar com qualidade como meio-campo de criação. Sua atuação contra o Atlético-MG, na semifinal do Campeonato Mineiro de 2014, chamou a atenção dos torcedores e da imprensa, que colocam confiança no rapaz com uma grata revelação americana.

Grande desafio

O grande desafio americano é confirmar as expectativas do torcedor. Todos os anos em que o América-MG disputa a segunda divisão, a equipe é sempre apontada como favorita ao acesso, pela grandeza do time e pelo elenco que constrói. Entretanto, problemas técnicos e financeiros, acabam tornando-se um obstáculo quase intransponível para os jogadores, que terminam por não corresponder aos anseios da torcida.

Avaliação VAVEL

O América-MG tem grandes condições de realizar uma belíssima campanha neste Campeonato Brasileiro da Série B, que pode culminar com o acesso, ou, até mesmo, a briga direta pelo título. Tem um time encorpado, com jogadores experientes e com vivência no futebol. Os jovens jogadores avaliados com carinho pela equipe, podem tornar-se um trunfo nas mãos de Moacir Junior. O treinador, por si só, já provou que tem capacidade para comandar um equipe do porte do América. Resta ao Coelho fazer com que suas aspirações possam-se tornar realidade.

VAVEL Logo