Cleiton Xavier: O retorno nostálgico de um grande meia ao Palmeiras
Foto: Divulgação/Palmeiras

De volta após cinco anos, Cleiton Xavier é uma aposta consciente de armador que vem fazendo falta desde que ele mesmo saiu em 2010. Xavier tinha sido a reposição exata para posição deixada por Valdivia, em 2008. Com a ida do Mago para o futebol árabe, ficou a cargo do novo camisa 10 a responsabilidade de usar a camisa que um dia foi de Ademir da Guia e Alex.

O desempenho no Figueirense chamou atenção do Palmeiras, que procurava um substituto para o chileno. A chegada do jogador no time era tida como promissora e foi. Em seu primeiro ano, Xavier ao lado de Diego Souza foram os responsáveis pela melhor campanha alviverde desde o primeiro rebaixamento. Foram as 17 rodadas lideradas naquele Campeonato Brasileiro, mais o golaço aos 42 minutos contra Colo Colo pela libertadores que resultaram, atualmente, em uma contratação para preencher a lacuna deixada à cinco temporadas.

Bruno Zuini/GazetaPress

Chegada no clube

O sentimento de "bem vindo de volta" era unânime, entre os 20 reforços para temporada 2015 o retorno de Cleiton Xavier não era o mais badalado, mas foi comemorado pela nostalgia da torcida Alviverde. Com ele o Palmeiras viveu a melhor fase do time pós rebaixamento da temporada 2002. As lembranças são boas, contudo o reforço do meia de 32 anos pode ser encarada de duas formas, a primeira é de que com as inúmeras contusões de Valdivia - desde o seu retorno, tornam a possibilidade dele ser a esperança do meia principal da equipe, essencial no 4-2-3-1 escalado pelo treinador. A segunda opção é de trabalhar ele como um reserva de luxo, confiando ainda no Mago, porém com reposição a altura no banco. A diferença nas opções? Cleiton Xavier chegou novamente para ser substituto da lacuna deixada por outro meia. Assim como, na primeira passagem.

“Eu tive outras propostas, mas o que me fez voltar foi o carinho que tive de todos desde a minha primeira passagem e a história do clube. O torcedor me recebeu de braços abertos e isso foi muito importante na minha decisão” falou Cleiton Xavier em sua re-apresentação.

Em 2010, quando se despediu do Brasil para jogador pelo Metalist da Ucrânia, Cleiton Xavier deixou números significativos para ilustrar esse carinho em seu retorno. Foram 90 partidas pelo Verdão, com 16 gols marcados e em 2009 deu 14 assistências para o gol sendo o maior passador daquela edição do Campeonato Brasileiro. "Fico feliz em poder ter colaborado de alguma maneira. Sempre fui muito forte nas assistências e aperfeiçoei esse quesito ainda mais aqui no Palmeiras" comentou na época. Desempenho que o levou a ser convocado por Dunga para defender a seleção brasileira, mas, não participou das partidas. A visibilidade iria atrair, a qualquer momento, uma proposta que levasse para o futebol internacional e em julho de 2010 foi vendido para o futebol ucraniano.

Auge no clube logo no primeiro ano

Xavier chegou para atingir o auge na academia de futebol, fez uma temporada de 2009 muito boa. Naquele ano, o time disputava o Campeonato Paulista na condição de atual campeão e para manter o título, o treinador Vanderlei Luxemburgo tinha a sua disposição nomes como Keirrison, Diego Souza, Lenny - na época um promissor jogador, e o zagueiro Danilo. A campanha na primeira fase foi excelente, o time teve 77% de aproveitamento, com 13 vitórias, 5 empates e uma derrota. Cleiton Xavier participou de 17 jogos e fez 3 gols. Aquela campanha viria a acabar nas semi finais, com derrota para o Santos.

Começaria o Campeonato Brasileiro e também a Copa Libertadores, o Palmeiras estava classificado para a pré libertadores e enfrentaria o Real Potosí da Bolívia. Na primeira partida em casa, o Alviverde goleou por 5 a 1 e encaminhou a classificação para a fase de grupos onde ficou no Grupo 1; com Sport Recife, Colo Colo e LDU Quito. No Brasileirão, início foi irregular, vitória na primeira partida sobre o Coritiba, depois derrota para Internacional e empate sem gols contra o São Paulo. Outro empate em 2 a 2 contra o Grêmio Barueri deixou a equipe na 11° lugar na tabela do nacional. Pela Libertadores, duas derrotas para LDU e Colo Colo e empate contra Nacional deixaram o time é condições ruins no grupo. A primeira vitória veio sobre o Sport Recife, 2 a 0 ainda no primeiro turno.

Foi pela Libertadores que Cleiton Xavier marcou o gol que todos os torcedores lembram. O Palmeiras precisava do gol para garantir a classificação a segunda fase da Copa Libertadores de 2009, a partida era contra o Colo Colo no estádio Monumental, no Chile. O jogo era equilibrado, mas o resultado não era favorável. Os torcedores, no estádio ou em casa ouvindo pelo rádio esperavam que um lance de craque pudesse resolver a partida, e o lance apareceu. Estava 0 a 0 e aos 42 minutos, eles viram Armero receber a bola na esquerda da área, tocar para William que sai da marcação ainda na lateral do campo consegue tocar para Cleiton Xavier que recebe o passe no meio e dribla duas vezes o marcador - uma finta pra esquerda e outra pra direita, limpa para perna direita e chuta no ângulo. Cleiton Xavier camisa 10, talvez o jogador com as melhores lembranças de um recente período feliz para o calejado torcedor Alviverde. O time estava classificado para as oitavas de final, aquela jogada motivou o time e deu sobrevida a Vanderlei Luxemburgo que estava sob críticas pelos últimos desempenhos.

Alheio as criticas, Cleiton jogava seu futebol. Não entrava em polêmica e sempre aparecia em destaque nas partidas. Junto com Diego Souza, Palmeiras começava alçar voos altos naquele ano. Após o empate em 2 a 2 contra o Atlético Paranaense, pelo Campeonato Brasileiro, Luxemburgo é demitido, a essa altura o time tinha sido eliminado pelo Nacional nas quartas da libertadores, e tentava fazer uma campanha mais regular na competição nacional. Jorginho assumiu o time e vitórias começaram a aparecer. Durante aquela campanha chegou Muricy Ramalho, com status de melhor técnico do Brasil após conseguir o tri campeonato nacional com o São Paulo.

Porém, aquele ano não terminou com título e nem com a vaga para Libertadores. O campeonato acabou com o Flamengo campeão, Palmeiras em quinto lugar e Cleiton Xavier o líder de assistência da equipe na competição. O meia tinha feito a melhor temporada, até aquele ano, de sua carreira em números, mas não conseguiu levantar a taça nacional. Atualmente, essa mácula não é atribuída a ele. Cleiton Xavier foi o melhor meia que o Palmeiras teve, após a primeira passagem de Valdivia, que cumpriu com a sua função e agora volta pra desempenhar o mesmo papel devido a pouca entrega do Mago, em sua segunda passagem.

Trajetória no futebol, do CSA para o Metalist

O nordestino, natural das Alagoas Cleiton Xavier começou sua carreira profissional no CSA em 2001, ficou lá por um ano até conseguir um contrato com o Internacional. Pelo time alagoano, ele fez 19 gols em 31 jogos. Venceu o campeonato estadual e conseguiu a vaga na seleção brasileira sub 20. No Internacional ele foi diversas vezes emprestado, mas atuou 95 vezes pelo time da capital gaucha, em 2003 participou do Panamericano.

Entre os empréstimos feitos, Cleiton Xavier chegou ao Figueirense e conseguiu destaque nacional. Pelo time de Santa Catarina foram 65 jogos, 12 gols marcados entre 2007 e 2008. Seu desempenho no meio de campo chamaram a atenção do Palmeiras, que conseguiu comprar seu passe junto ao Inter. Pelo Figueira Cleiton enfrentou o Palmeiras pelo brasileiro de 2008, no primeiro turno o jogo foi 1 a 1 e o primeiro gol da partida foi dele.

Depois de passar pelo Palmeiras, era vez de aventurar-se pelo futebol europeu e o Metalist comprou seu passe em julho de 2010. Na Ucrânia, o jogador atuou por 147 jogos, 59 gols marcados entre 2010 e 2015 e virou ídolo do modesto clube de Kharkiv. Curiosamente, lá ele jogou com Diego Souza e Cristaldo, o ultimo agora é companheiro de time no Palmeiras.

Getty Images

Projeção para 2015

Cleiton faz parte de um elenco cheio de bons jogadores, assim como em sua primeira passagem, e se espera que ele atue em alto nível como ficou conhecido. Seu futebol regular e a capacidade de criar jogadas - posição em falta no futebol nacional, nem geral, faz dele uma importante peça no time de Oswaldo de Oliveira.

Dentro do elenco palmeirense, Cleiton divide a posição de principal meia com Valdivia. Para o torcedor, fica a esperança de que os dois jogadores se estiverem jogando o fino da bola podem ajudar a o time a fazer uma temporada muito boa, o que não acontece desde 2009. A contratação dele aumentou o sentimento de otimismo que os torcedores ganharam após a chegada dos novos gestores, basta saber se vai corresponder como foi da primeira vez.

Ficha Técnica

Nome: Cleiton Ribeiro Xavier

Nascimento: 23 de Março de 1983

Nacionalidade: Brasileiro

Altura: 1,78m

Clubes por onde passou: CSA (2001-2002), Internacional (2002-2008), Sport Recife (2005), Brasiliense (2005), Gama (2006), Marilia (2006), Figueirense (2007-2008), Palmeiras (2009 - 2010), Metalist Kharkiv (2010-2015).

Títulos: Campeão Gaucho (2003-2004), Campeão Catarinense (2008).

VAVEL Logo