Goleada nos anos 80 e título em 2000: América-MG sempre foi uma pedra no sapato do Cruzeiro
Foto: Reprodução

Muito embora os números sejam favoráveis ao Cruzeiro quando se trata de retrospecto, históricamente, o América-MG nunca deixou de ser um adversário indigesto para o time celeste, seja no Campeonato Mineiro ou em outros torneios.

A história dos dois times iniciou-se em 1921, período em que o América estava sobrando em Minas Gerais e já acumulava cinco títulos estaduais seguidos. O Palestra Itália, como era conhecido antes de se chamar Cruzeiro, não foi páreo para o Coelho, que venceu o time da colônia italiana por 2 a 0. O Palestra só venceria o alviverde pela primeira vez em 1927, com uma goleada por 4 a 1.

A primeira goleada do confronto foi do América, em 24 de junho de 1923, o alviverde emplacou uma vitória por 7 a 1. Nas décadas seguintes, o Palestra Itália, posteriormente, Cruzeiro, não deu muitas chances ao Coelho.

Foto: Reprodução/Facebook Waner Luis de Oliveira

Mas, 54 anos depois, mais precisamente, em 18 de agosto de 1981, uma goleada marcou época na história do confronto. O time do América, que tinha entre outros jogadores, os atacantes Paulinho KissWagner Oliveira e o goleiro Hélio, encheu as redes do Cruzeiro no Mineirão, com o placar de 5 a 0 em amistoso. Naquela ocasião, o time celeste estreava o Didi, jogador campeão do mundo pela Seleção Brasileira em 1958 como técnico.  

O América abriu o placar com 28 segundos de jogo com Paulinho Kiss. Wagner Oliveira fez outros dois a 22 e 28 minutos. No segundo tempo, novamente Paulinho, aos 10, e o zagueiro Eraldo, aos 43, fecharam o jogo. O atacante Wagner, presente naquele jogo, descreveu como foi aquela partida.

"Foi ótimo ganhar do cruzeiro neste dia. Eu sempre tive a felicidade de fazer gols contra o Cruzeiro. Eu gostava de ver a torcida do América ir para casa satisfeita e alegre. Era a estreia do técnico Didi no Cruzeiro e quando os gols aconteciam a gente nem estava ligado no resultado. Todos os jogos contra o Cruzeiro eu fazia um ou dois gols", disse o ex-centroavante a VAVEL Brasil.

América-MG 5 x 0 Cruzeiro

Amistoso - 18/08/1981

América: Hélio, Cacau, João Batista, Eraldo e Vâner; Lúcio, Ludo (Cláudio Barbosa) e Matheus (Achilles); Augusto (Vaguinho), Wagner Oliveira (Julio Cesar) e Paulinho Kiss. Técnico: Luciano Vieira.

Cruzeiro: Gasperin, Carioca, Vágner Bacharel, Luís Carlos Teixeira e Cláudio Mineiro; Toninho, Jacinto e Jair; Carlinhos, Edmar e Eduardo. Técnico: Didi.

Copa Sul-Minas 2000: o América coloriu o Sudeste e o Sul de verde, preto e branco

Foto: Reprodução/Acervo Torcida Desorganizada Avacoelhada

A Copa Sul-Minas era o mais novo torneio inter-regional que aparecia no cenário nacional. As equipes eram fortes como Cruzeiro, Atlético-MG, Grêmio, Internacional, Atlético-PR, entre outros. O América-MG agiu como bom mineiro comendo pelas beiradas para não se queimar.

Com um bom time treinado por Flávio Lopes e bons jogadores como Palhinha, Edgar, Zé Afonso e o goleiro Milagres, o Coelho foi batendo seus adversários um a um até chegar a uma decisão caseira contra o Cruzeiro.

Considerado favorito por muitos devido ao elenco milionário, com Oseas, Cleber e Zé Maria, vindos do Palmeiras, além de Viveros e Sorin, das seleções colombiana e argentina, o Cruzeiro se rendeu ao talento de bom time americano.

No primeiro jogo, o América jogou de igual para igual e venceu o Cruzeiro por 1 a 0, com um gol de pênalti do volante Pintado. O resultado dava ao Coelho o direito de poder empatar na partida decisiva.

Foto: Reprodução/Acervo do Coelho

Na partida final, o Cruzeiro pressionou e perdeu inúmeras oportunidades. De tanto pressionar, o time celeste fez 1 a 0 com Zé Maria, cobrando pênalti. No segundo tempo, o América foi rápido e empatou com Zé Afonso e virou com Álvaro. O resultado deu o título para o Coelho. O ex-volante Edgar, que fez parte daquela equipe e jogou a decisão, ressaltou os principais momentos do embate decisivo e do título americano.

Enfrentamos grandes times, como Internacional, Atlético-PR até chegar à decisão. Chegamos a final como azarões, mas tínhamos jogadores bons, mesclando experiência e juventude. No primeiro jogo, tínhamos muito calor, mas dominamos o Cruzeiro totalmente e ganhamos por 1 a 0. A segunda final foi totalmente atípica. O Cruzeiro percebeu que éramos muito bons e colocou pressão e se não fosse o Milagres (goleiro), seríamos goleados ainda no primeiro tempo. Quando empatamos, o time celeste voltou a pressionar e até perdemos um pênalti que não aconteceu (risos). No final, o Álvaro me faz aquele golaço e faturamos aquele campeonato muito festejado por nós”, declarou o ex-volante a VAVEL Brasil.

Cruzeiro 1 x 2 América-MG 

Segunda partida da decisão da Copa Sul Minas - 01/03/2000

Cruzeiro: André, Zé Maria, Marcelo Djian, Cris e Rodrigo; Donizete Oliveira, Marcos Paulo (Marcelo Ramos), Viveros e Valdo (Paulo Isidoro); Oseas e Muller. Técnico: Paulo Autuori.

América: Milagres, Estevam (Júnior), Wellington Paulo, Dênis e Fabrício; Pintado, Edgar, Jean (Claudinei) e Palhinha; Zé Afonso e Rinaldo (Álvaro). Técnico: Flávio Lopes.

VAVEL Logo