Vasco: uma análise dos gols marcados e sofridos pelo Cruz-Maltino na Copa Libertadores
(Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br)

Vasco: uma análise dos gols marcados e sofridos pelo Cruz-Maltino na Copa Libertadores

Com dez gols marcados e quatro sofridos, raio-x aponta padrões nas jogadas que resultaram tanto nos gols pró, tanto nos gols contra o Cruz-Maltino

rafaeltartaglia
Rafael Tartaglia

O Vasco enfrentará a Universidad do Chile nesta terça-feira (13) em São Januário. Após passar por uma fase inicial tranquila, o Cruz-Maltino sofreu com a altitude diante do Jorge Wilstermann, ainda na pré-Libertadores. E para conhecer bem o adversário, é necessário assistir e observar suas partidas naquela competição, naquele contexto, nos mata-matas e com a pressão alta.

Para analisar mais a fundo o time do Vasco, classificado para a fase de grupos da Copa Libertadores, a VAVEL Brasil coletou dados que podem ajudar o torcedor cruzmaltino a entender o caminho do Gigante da Colina até o gol. Confira: 

Uma verdadeira dor de cabeça: o raio-x dos gols sofridos pelo Vasco

Durante toda a pré-Libertadores o Vasco sofreu apenas quatro gols, média de um gol por partida. O problema no entanto é que os quatro gols foram sofridos em uma mesma partida, no jogo da volta contra o Jorge Wilstermann, na Bolívia - partida que quase eliminou o Cruz-Maltino da competição.

No papel, os quatro gols aconteceram da mesma forma: todos pelo lado do lateral-direito Yago Pikachu, lado esquerdo do ataque adversário. Na ocasião, Serginho buscava atacantes e jogadores bolivianos na área sempre que podia - e os achou em quatro oportunidades.

Apesar dos gols na Libertadores terem sido marcados em condições 'especiais', como no caso da altitude, é evidente a falta de sinergia entre os defensores do Vasco nas bolas aéreas. No Carioca, o time também sofre com os cruzamentos e bolas alçadas em direção a Martín Silva.

Gols em pontos-chave e força pela direita: o raio-x dos gols marcados do Vasco

Com grandes goleadas aplicadas, o Vasco marcou dez vezes em quatro jogos - uma média de 2,5 gols por partida. Apesar das goleadas, o raio-x dos gols cruzmaltinos indica um padrão criado pelo time de Zé Ricardo: dos dez gols, três foram marcados antes dos 15 minutos iniciais e cinco foram marcados nos 15 minutos finais de partida.

Além dos gols marcados em pontos-chave, o time comandado por Zé Ricardo se aproveita de outro padrão: a força do lado direito. Com o apoio de Pikachu às pontas, Wagner e Evander ganham maior poder ofensivo e opções de passe - o que resulta em quatro dos dez gols marcados pelo clube carioca.

Outro ponto forte do time, a transição da bola das pontas para o meio, é decorrente também das investidas de Pikachu ao ataque. Dos dez gols marcados até aqui, cinco saíram de jogadas iniciadas na direita e que foram concluídas na faixa central - sendo Paulinho o jogador mais participativo.

VAVEL Logo

    Club de Regatas Vasco da Gama Notícias

    há 10 dias
    há 14 dias
    há 16 dias
    há 19 dias
    há 19 dias
    há 19 dias
    há um mês
    há um mês
    há um mês
    há um mês
    há um mês