Ídolo no vôlei e carreira no futebol: relembre a trajetória vencedora de Bebeto de Freitas

Ex-diretor de administração e controle do Galo foi presidente do Botafogo e contribuiu para surgimento da 'geração de prata' do vôlei brasileiro

Ídolo no vôlei e carreira no futebol: relembre a trajetória vencedora de Bebeto de Freitas
Bebeto foi treinador de vôlei, presidente do Botafogo e ocupou diversos cargos no Atlético (Foto: Divulgação/Atlético)

Paulo Roberto de Freitas mais conhecido como Bebeto de Freitas faleceu nesta terça-feira (13), aos 68 anos, em Belo Horizonte, vítima de uma parada cardíaca após a apresentação da equipe de futebol americano do Galo. O ex-diretor de administração e controle do Atlético-MG teve uma brilhante carreira como jogador de vôlei, treinador e dirigente. 

Vôlei

Bebeto foi um dos jogadores de vôlei mais importantes do Brasil, defendeu as cores do Botafogo onde conquistou 11 Campeonatos Cariocas consecutivos (de 1965 até 1975). Com a boa atuação e destaque no clube, foi convocado para defender a Seleção Brasileira nos Jogos Olímpicos de Montreal em 1976.

Após encerrar sua carreira como jogador, Bebeto assumiu o posto de treinador e assumiu o comando da Seleção na época da consagrada 'Geração de prata' do vôlei masculino. Esteve à frente da seleção canarinho nos Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles e em 1998, na Coreia do Sul. 

Após grande sucesso no vôlei italiano, o treinador foi convidado a comandar o Maxicono Parma no périodo de 1990 a 1999, e conseguiu conquistar cinco títulos importantes. Com os bons resultados, Bebeto foi 'recrutado' para treinar a Seleção Italiana, onde regiu o time por um ano (1997-198). Foi campeão da Liga Mundial em 97 e Campeão Mundial em 98.

Suas conquistas e seus feitos o levaram ser homenageado pelo Hall da Fama do voleibol. 

Futebol

O grande sucesso com os resultados alcançados como treinador de vôlei despertou o interesse de clubes de futebol e o primeiro a investir foi o Atlético-MG. Na gestão do então presidente Nélio Brant em 1999 assim como em 2001, Bebeto foi 'manager' em parceria com Alexandre Kalil, que na época exercia as funções de presidente do Conselho Deliberativo e diretor de futebol. 

Assim como no vôlei, no Atlético, Bebeto alcançou resultados expressivos com o clube, Campeão Mineiro e Vice-Campeão Brasileiro em 1999 e o 4° lugar no Brasileirão de 2001.

Os resultados expressivos e a boa gestão despertaram o interesse do Botafogo, seu clube do coração, onde foi diretor em 2002. No ano seguinte, se candidatou a presidência e então comandou até 2008. Como de costume, resultados importantes apareceram e Bebeto á frente da 'Estrela solitária' conseguiu fazer com que o Botafogo retornasse a Série A do Campeonato Brasileiro ainda em 2003 e conquistou o Campeonato Carioca de 2006.

O mandato como presidente teve destaque também pela conquista de títulos com o Botafogo em diversas modalidades esportivas amadoras como pólo aquático, basquete, vôlei e natação.

Bebeto deixou o Glorioso no final de 2008 e, no ano seguinte, voltou ao Atlético a convite do presidente Alexandre Kalil assumindo o cargo de diretor-executivo.

Em 2016 e 2017, Bebeto trabalhou pela terceira vez com Kalil, mas dessa vez assumindo a Secretaria Municipal de Esporte e Lazer na gestão do ex-mandatário alvinegro já como prefeito de Belo Horizonte. Com a eleição de Sérgio Sette Câmara para presidente do Atlético, no final de 2017, Bebeto de Freitas retornou ao clube, no cargo de diretor de administração e controle.