Carille não vê sequência de jogos incômoda, mas ressalta: "Abre os olhos para muitas coisas"

Timão teve mais um resultado negativo e chega a quatro jogos sem vitória e deixa Carille e a equipe em 'estado de alterta'

Carille não vê sequência de jogos incômoda, mas ressalta: "Abre os olhos para muitas coisas"
Fábio Carille enfrenta sequência de jogos duros à frente do Corinthians (Foto: LatinContentEditorial/Getty Images)

Em mais uma partida pelo Campeonato Brasileiro, o Corinthians passou sem vencer e chegou a sequência de quatro jogos sem vitória. O Timão não vence desde o confronto com o Vitória, pela Copa do Brasil. Depois foi até Minas Gerais enfrentar o Atlético Mineiro e saiu do Horto com uma derrota por 1 a 0 e na última quarta-feira a equipe foi derrotada dessa vez pelo Independiente, na Copa Libertadores.

A partida frente ao Ceará, realizada na manhã deste domingo, teve um Corinthians com elenco rodado em virtude da sequência desgastante de partidas que a equipe realizou nos últimos dias. Caras novas como Pedrinho como titular, Marquinhos Gabriel, Danilo e Pedro Henrique foram as novidades. Com a bola rolando, Carille ouviu protesto de torcedores em relação ao desempenho do meia Marquinhos Gabriel, que atuou abaixo do esperado. A sequência de resultados negativos não incomoda, mas abre os olhos de todos.

"(A sequência) Não incomoda, mas abre os olhos para muitas coisas. A gente fica alerta. Podíamos ter segurado alguns jogadores contra o Atlético-MG, mas falar agora é fácil. Não conseguimos o resultado por erros nossos. Mas não podemos lamentar, e sim trabalhar", afirmou.

Sobre Marquinhos, o treinador deixou na bronca com o torcedor que fez a crítica.

"Tinha um torcedor que falou ali por mais de dez minutos. Esse não é torcedor. Torcedor é aquele que vem para apoiar", retrucou.

Na próxima quinta-feira o clube alvinegro volta aos gramados para a segunda partida contra o Vitória pela Copa do Brasil. O primeiro jogo terminou empatado em zero a zero e com isso não há vantagem para nenhum dos lados. O técnico salientou a visão para a próxima partida.

"Minha cabeça é jogo a jogo. Agora é pensar no Vitória. Está muito difícil trabalhar uma ideia só. Imagina pensar no Palmeiras? Agora é jogar mesmo com Rodriguinho e Jadson e analisar jogo a jogo", pontuou.

Sobre o desempenho de Pedrinho e a estreia do centroavante Roger.

"Sei que não posso usar o Roger na Copa do Brasil e nem na Libertadores. Aí muda o posicionamento. É um jogador de área, que a gente gosta. Espero passar na Libertadores para usar. Na Copa do Brasil não vamos conseguir, a não ser que venha um outro jogador. O Pedrinho jogou bem, o Ceará ficou plantado ali atrás e dificultou", finalizou.