Pensando no G-4, Fluminense e Atlético-PR duelam no Maracanã

As duas equipes vem de derrotas e querem se distanciar da zona de rebaixamento

Pensando no G-4, Fluminense e Atlético-PR duelam no Maracanã
Foto: Mailson Santana/Fluminense FC
Fluminense
Atlético-PR
Fluminense: Julio Cesar, Gum, Renato Chaves e Luan Peres (Nathan); Gilberto, Richard, Jadson, Junior Sornoza e Marlon; Marcos Júnior e Pedro Técnico: Abel Braga
Atlético-PR: Santos; Zé Ivaldo, Pavez e Thiago Heleno; Matheus Rossetto, Camacho, Bruno Guimarães e Carleto; Guilherme, Pablo e Bergson Técnico: Fernando Diniz
ÁRBITRO: Árbitro: Igor Junio Benevenuto de Oliveira (MG) Assistentes: Felipe Alan Costa de Oliveira (MG) e Ricardo Junio de Souza (MG)
INCIDENCIAS: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ) 20/05, às 19h (de Brasília)

De olho na reabilitação no Campeonato Brasileiro, Fluminense e Atlético-PR duelam neste domingo, pela sexta rodada da competição. O tricolor vem de derrota após clássico contra o Botafogo. Já o furacão, perdeu seus últimos quatro jogos, sendo dois pela Série A, um pela Copa do Brasil e outro pela Sul-Americana.

O Fluminense, com sete pontos, ocupa a 9ª colocação na tabela, e pretende se aproximar da zona de classificação para a libertadores. O Atlético, com cinco, é o 15º colocado e também está de olho na parte de cima da tabela, mas se preocupa ainda com rebaixamento, já que o Bahia, primeiro time dentro da zona da degola, tem a mesma pontuação e só fica abaixo pelo saldo de gols.

IBAÑEZ FORA

O técnico Abel Braga falou sobre a partida espera um duelo complicado contra os paranaenses, por conta do estilo de jogo da equipe comandada por Fernando Diniz. “O pior jogo para se jogar é esse do Atlético-PR. É uma maneira de jogar que dificulta o adversário. Se jogar só com alma não adianta. Tem que ter inteligência. Não podemos deixar eles aproveitarem as chances. O time descansou bem, fez um trabalho tático com a equipe de baixo como joga o Atlético e foi muito bem. O torcedor tem que saber que a dificuldade vai existir”, disse.

Abel Braga comemorou o fato do Fluminense voltar a atuar no Maracanã, mas admitiu que somente isso não vai fazer os tricolores conquistarem os três pontos. “Jogar no Maracanã é sempre bom. O torcedor está valorizando esse time, que joga com alma e está bem na competição. Mas isso não influencia tanto no resultado”, declarou.

Sobre a escalação, o comandante não confirmou os titulares, mas revelou que pode mudar a equipe. Uma certeza é a ausência do zagueiro Ibañez, que ainda se recupera de lesão. “Temos duas possibilidades de mudança, mas não falo de time. O Ibañez não treinou conosco, não vai para o jogo”, falou.

Uma das mudanças é a entrada do lateral esquerdo Marlon na vaga do lesionado Ayrton Lucas. A outra pode ser na zaga, pois Luan Peres e Nathan ainda disputam o lugar de Ibañez no setor.

MUDANÇAS NO FURACÃO

Já são sete jogos sem vencer, quatro derrotas consecutivas por três competições diferentes e, especificamente no Brasileirão, uma queda de despenho que tirou o time da liderança para a proximidade da zona de rebaixamento. É com essa pressão que o Furacão vai a campo, precisando fazer gols, quebrar o jejum e convencer o torcedor que a euforia inicial com o trabalho de Fernando Diniz não foi fogo de palha.

Os tropeços, entretanto, não devem provocar mudanças expressivas, conforme já adiantou o próprio treinador. “As coisas que eu penso não vão se diluindo. Talvez seja o treinador mais questionado do Brasil desde que comecei minha carreira. A gente teve momentos bons nesses quatro jogos, poderíamos ter vencido os quatro e acabamos perdendo. Sou muito mais convicto quando perde. Não vou mudar por conta do resultado”, garantiu.

Em relação ao time, o meia Guilherme retorna após cumprir suspensão diante do Cruzeiro, pela Copa do Brasil. Já Raphael Veiga, que deslocou o ombro, deve ser poupado e se junta ao lateral-direito Jonathan, ao zagueiro Paulo André  e ao meia-atacante Nikão, todos vetados pelo departamento médico. Se optar por deixar Lucho de fora, o treinador pode escalar novamente Bruno Guimarães na posição.